Pus­sy Ri­ot “Sem­pre que ve­jo um po­lí­cia na rua pen­so que de­via ter tra­zi­do a mi­nha es­co­va de den­tes por­que se ca­lhar vou aca­bar ou­tra vez na pri­são”

Publico - Ipsilon - - Sumário - Ma­ri­a­na Duarte

Aos 28 anos, Nadya To­lo­kon­ni­ko­va já tem uma gre­ve de fo­me mar­ca­da no cor­po e um his­to­ri­al de tor­tu­ras psi­co­ló­gi­cas que lhe ti­ram o so­no “du­as a três ve­zes por se­ma­na”. É im­pos­sí­vel es­que­cer os 21 me­ses em que es­te­ve pre­sa por cau­sa do mais im­pac­tan­te protesto das Pus­sy Ri­ot, a “ora­ção punk” de 2012. Ape­sar do me­do, a por­ta-voz do co­lec­ti­vo não vai pa­rar de lu­tar con­tra Pu­tin. Os pró­xi­mos ca­pí­tu­los acon­te­cem em Pa­re­des de Cou­ra, es­treia das Pus­sy Ri­ot em Por­tu­gal.

Na­dezh­da To­lo­kon­ni­ko­va é in­ten­sa. Fa­la rá­pi­do, mas sem des­car­ri­lar. Ri-se mui­to, com um ner­vo­so miu­di­nho. É uma pu­gi­lis­ta das idei­as. Tal­vez não pu­des­se ser de ou­tra ma­nei­ra, de­pois de ter so­fri­do “tor­tu­ra psi­co­ló­gi­ca” na co­ló­nia pe­nal de mu­lhe­res IK-14, na Mor­dó­via, on­de es­te­ve vá­ri­os me­ses a co­ser uni­for­mes du­ran­te 16 ho­ras por dia e a ver pri­si­o­nei­ras a se­rem cas­ti­ga­das por cau­sa de­la, por­que “fa­la­va com ad­vo­ga­dos” (“di­vi­dir pa­ra reinar”, sin­te­ti­za). Tal­vez não pu­des­se ser de ou­tra ma­nei­ra, de- pois de ter vis­to re­clu­sas a le­va­rem por­ra­da, de­pois de ter fei­to uma gre­ve de fo­me pa­ra de­nun­ci­ar as con­di­ções sub-hu­ma­nas da pri­são, de­pois de lhe te­rem di­to que “era uma pés­si­ma mãe por­que ti­nha si­do pre­sa”.

Nadya, co-fun­da­do­ra e por­ta-voz das Pus­sy Ri­ot, não pá­ra de nos di­zer coi­sas que pre­fe­ría­mos que não fos­sem ver­da­de — co­mo os pe­sa­de­los que tem “du­as a três ve­zes por se­ma­na” por cau­sa dos 21 me­ses em que es­te­ve pre­sa, tu­do por­que no dia 21 de Fe­ve­rei­ro de 2012 ela e as ami­gas Pus­sy Ri­ot de­ci­di­ram ocu­par

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.