O cre­pús­cu­lo eu­ro­peu

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um dos gran­des ro­man­ces eu­ro­peus da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XX. A cró­ni­ca do de­clí­nio de uma fa­mí­lia a par da que­da de um im­pé­rio. Jo­sé Ri­ço Di­rei­ti­nho

A Mar­cha Ra­detzky

Jo­seph Roth

(trad. de Ma­ria Adé­lia Sil­va Me­lo) Ve­ga Nas­ci­do no im­pé­rio aus­trohún­ga­ro, em Brody (ac­tu­al Lviv, na Ucrâ­nia), Jo­seph Roth (1894-1939) foi um dos gran­des es­cri­to­res da Eu­ro­pa Cen­tral nas pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo pas­sa­do. Era um ost­ju­den, um ju­deu po­bre do Les­te, e por is­so mal vis­to nos cír­cu­los cul­tu­rais vi­e­nen­ses ju­deus. Co­me­çou nas le­tras co­mo jor­na­lis­ta. Alis­tou-se vo­lun­ta­ri­a­men­te no Exér­ci­to, du­ran­te a I Guer­ra Mun­di­al, as­sis­tin­do de per­to à que­da anun­ci­a­da do Im­pé­rio Aus­trohún­ga­ro; foi fei­to pri­si­o­nei­ro pe­lo exér­ci­to rus­so. Em 1920 mu­dou-se pa­ra Ber­lim, on­de co­me­çou a es­cre­ver nos mais im­por­tan­tes jor­nais ale­mães, tor­nan­do-se nu­ma es­pé­cie de cro­nis­ta da Re­pú­bli­ca de Wei­mar: os tem­pos que pre­ce­dem a as­cen­são do na­zis­mo. Anos mais tar­de, foi vi­ver pa­ra Pa­ris, on­de con­ti­nu­ou a tra­ba­lhar co­mo jor­na­lis­ta, es­cre­ven­do cen­te­nas de ar­ti­gos e re­por­ta­gens que re­tra­tam uma Eu­ro­pa con­vul­sa à bei­ra da guer­ra, ir­re­co­nhe­cí­vel e de­sen­can­ta­da. A diáspora ju­dai­ca (so­bre­tu­do dos ju­deus do Les­te) e a con­se­quen­te per­da do seu pa­tri­mó­nio cul­tu­ral foi ou­tro dos te­mas a que se de­di­cou – al­guns des­ses tex­tos es­tão reu­ni­dos no vo­lu­me Ju­deus Er­ran­tes (Sis­te­ma So­lar, 2013).

Foi em Pa­ris que se co­me­çou a de­di­car mais à es­cri­ta fic­ci­o­nal, aban­do­nan­do o seu in­te­res­se no re­tra­to dos di­as que en­tão cor­ri­am, e di­ri­gin­do-o pa­ra tem­pos pas­sa­dos, so­bre­tu­do pa­ra os da que­da do im­pé­rio aus­trohún­ga­ro. Foi por es­ses anos que es­cre­veu e pu­bli­cou a sua obra­pri­ma, A Mar­cha Ra­detzky, a cró­ni­ca do de­clí­nio da fa­mí­lia Trot­ta que acom­pa­nha os úl­ti­mos di­as do im­pé­rio dos Habs­bur­go.

A ac­ção co­me­ça em 1859, ano da ba­ta­lha de Sol­fe­ri­no. O te­nen­te Trot­ta, lu­tan­do nes­sa ba­ta­lha, e num ges­to he­rói­co que se tor­na­rá len­dá­rio, der­ru­ba o im­pe­ra­dor do seu ca­va­lo sal­van­do-o as­sim de ser atin­gi­do por uma ba­la. O te­nen­te é dis­tin­gui­do pe­lo im­pe­ra­dor com um tí­tu­lo no­bi­liár­qui­co que o tor­na no ba­rão Trot­ta. Oriun­do de uma fa­mí­lia ru­ral, sen­te-se des­con­for­tá­vel nos cír­cu­los aris­to­crá­ti­cos que se vê ago­ra obri­ga­do a fre­quen­tar. Ser um mi­li­tar aris­to­cra­ta é o to­po da ca­te­go­ria social da so­ci­e­da­de vi­e­nen­se. Mas ele, ao con­trá­rio do es­pe­ra­do, acon­se­lha o fi­lho a não en­ve­re­dar pe­la car­rei­ra das ar­mas e es­te aca­ba­rá por se tor­nar num al­to fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co (a ca­te­go­ria social lo­go abai­xo dos mi­li­ta­res).

Na ge­ra­ção se­guin­te, o ter­cei­ro va­rão (e ba­rão) Trot­ta, edu­ca­do ten­do sem­pre o seu len­dá­rio avô co­mo re­fe­rên­cia, não con­se­gue re­sis­tir ao ape­lo das ar­mas, e tor­na-se mi­li­tar. Mas é um ho­mem di­fe­ren­te do avô, sem a mes­ma von­ta­de in­dó­mi­ta e com um ca­rác­ter mais dé­bil, não ge­re de boa ma­nei­ra a sua car­rei­ra de bu­ro­cra­ta mi­li­tar, “per­den­do-se” em ál­co­ol, jo­go e lu­xú­ria: é o co­me­ço da ruí­na da fa­mí­lia Trot­ta que de­pres­sa se en­ca­mi­nha pa­ra o abis­mo. Co­mo se a his­tó­ria de ruí­na de uma fa­mí­lia anun­ci­as­se a que­da pró­xi­ma de um im­pé­rio

Em A Mar­cha Ra­detzky (o tí­tu­lo é-lhe em­pres­ta­do pe­la com­po­si­ção mu­si­cal ho­mó­ni­ma de Johan Strauss, e que é ou­vi­da nos mo­men­tos mais crí­ti­cos pa­ra a fa­mí­lia), as per­so­na­gens pa­re­cem des­fi­lar nu­ma pa­ra­da de ca­va­los e ca­va­lei­ros, na fei­ra vi­e­nen­se do Pra­ter, ora a tro­te ora qu­a­se a ga­lo­pe, sem es­que­cer os ha­bi­li­do­sos nú­me­ros de es­co­la eques­tre. Es­te ro­man­ce, que mui­tos con­si­de­ram um dos me­lho­res de sem­pre es­cri­tos em lín­gua ale­mã, é uma cró­ni­ca ad­mi­rá­vel so­bre o de­clí­nio de uma con­cep­ção de vi­da, e dos seus va­lo­res, que dé­ca­das de­pois a I Guer­ra Mun­di­al aca­ba­rá por en­ter­rar de uma só vez, dan­do-lhe a de­vi­da se­pul­tu­ra por há mui­to se en­con­trar fe­ri­da de mor­te. Jo­seph Roth dis­se­ca to­das as clas­ses so­ci­ais do im­pé­rio, mas so­bre­tu­do a aris­to­cra­cia inú­til, que vi­ve afas­ta­da da re­a­li­da­de, mas “des­ce” por ve­zes até ao po­vo in­cul­to e ig­no­ran­te que ape­nas se in­te­res­sa por su­gar a qual­quer cus­to di­nhei­ro aos ri­cos, pas­san­do tam­bém pe­los ban­quei­ros, pe­los bur­gue­ses, pe­los polícias e, cla­ro, pe­los mi­li­ta­res sem­pre ao serviço do po­der.

Ape­sar do ca­rác­ter de se­ri­e­da­de que acom­pa­nha a nar­ra­ti­va, a iro­nia e o hu­mor não es­tão au­sen­tes, ser­vin­do pa­ra su­bli­nhar co­mo as ac­ções be­min­ten­ci­o­na­das por ve­zes po­dem le­var à ruí­na. A par dis­to, e de for­ma sem­pre sub­til, Roth vai dei­xan­do si­nais do cre­pús­cu­lo que se vi­ve e que anun­ci­am o fim que es­tá pró­xi­mo; e fá-lo sem o men­ci­o­nar, co­mo nes­ta des­cri­ção: “Ele es­ta­va de pé, som­bra ne­gra e imó­vel em fren­te da por­ta ilu­mi­na­da, e pro­jec­ta­va so­bre a rua co­ber­ta de ne­ve uma se­gun­da som­bra mais pá­li­da. (…) So­bre a ca­be­ça ha­via já o bri­lho do mun­do ce­les­ti­al, e Trot­ta es­te­ve qu­a­se pa­ra se ir em­bo­ra.”

Jo­seph Roth e uma Eu­ro­pa con­vul­sa à bei­ra da guer­ra, ir­re­co­nhe­cí­vel e de­sen­can­ta­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.