Duo sa­di­no em ple­na ace­le­ra­ção cri­a­ti­va

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Mú­si­ca re­al­men­te cla­ra, ex­tre­ma­men­te bem pen­sa­da, dis­tin­ta e aca­ba­da, de­sin­te­res­sa­da em apa­nhar boleia de la­do ne­nhum. Pe­dro Gomes

Ra­cing Team’ EP Im­pé­rio Pa­cí­fi­co band­camp 2018 Duo de Pe­dro Ta­va­res e Lu­an Bel­lus­si se­di­a­do em Se­tú­bal, aca­ba de lan­çar di­gi­tal­men­te o seu mais re­cen­te tra­ba­lho, de­pois de ou­tra edi­ção de au­tor e lan­ça­men­tos pe­la Rot­ten \\ Fresh e Ali­e­na­ção, or­ga­nis­mos da Gran­de Lis­boa que têm ti­do pa­pel pre­pon­de­ran­te na apre­sen­ta­ção de no­vas pro­pos­tas de no­va mú­si­ca fei­ta no Por­tu­gal con­tem­po­râ­neo, no­va ge­ra­ção.

Em Ra­cing Team, um EP à vol­ta da mar­ca dos 20 mi­nu­tos, ar­ran­ca­mos com a que se­rá even­tu­al­men­te a fai­xa de mai­or des­ta­que do dis­co, Spor­tif Way, com um sam­ple da voz do bad boy da Fór­mu­la 1, Ja­mes Hunt. É o pri­mei­ro (e mais lon­go) de cin­co te­mas on­de ve­mos os dois jo­vens mú­si­cos na con­ti­nu­a­ção, sem­pre em pro­gres­são e tran­si­ção, de ex­plo­rar for­mas e fór­mu­las que de­no­tam uma li­ga­ção gra­du­al­men­te em apro­xi­ma­ção ao ter­ri­tó­rio da mú­si­ca de dan­ça. Acres­ce a is­so a au­dí­vel e enor­me cu­ri­o­si­da­de do IP em iso­lar uma sé­rie de ca­rac­te­rís­ti­cas es­tru­tu­rais de vá­ri­os vo­ca­bu­lá­ri­os mu­si­cais, e ofe­re­cer-lhes no­vas ca­sas e con­tex­tos on­de res­sur­gir, mui­tas ve­zes em com­bi­na­ções im­pro­vá­veis, on­de con­se­gui­mos de­tec­tar as fon­tes e ad­mi­rar o fun­ci­o­na­men­to de co­mo aglu­ti­nam com exi­gui­da­de uni­ver­sos nor­mal­men­te dis­tin­tos.

No ca­so de Spor­tif Way há re­a­pro­pri­a­ções do uk bass/ga­ra­ge e 2-step a ní­vel da que­bra/shuf­fle rít­mi­ca, e a afi­na­ção em di­rec­ção ao in­fi­ni­to que exis­te em tan­tos clás­si­cos me­ta­fí­si­cos e fun­ci­o­na­lis­tas da mú­si­ca de dan­ça.

Trac­ker pe­ga nas pro­gres­sões de acor­des tan­tas ve­zes uti­li­za­das pe­la es­co­la cri­a­da por DJ Rashad, na sua de­cli­na­ção per­so­na­li­za­da do fo­otwork de Chi­ca­go que en­tre­tan­to ato­mi­zou um pou­co por to­do o la­do, e que aca­ba por fa­zer um rewind cul­tu­ral as­so­ci­a­ti­vo até aos Bo­ards of Ca­na­da e à vi­ra­gem de mi­lé­nio.

Am­ber Ko­bra Blue pe­ga em sam­ples abs­trac­tos mais do do­mí­nio do am­bi­ent e co­lo­ca-os mó­veis den­tro de uma ba­se rít­mi­ca que pe­ga em for­mas afri­ca­nas co­mo o de­ca­lé e o su­la­fri­ca­no kwai­to, com re­sul­ta­dos in­fec­ci­o­sos e du­ra­ção de re­bu­ça­do pop (2m31s). A se­guin­te :O an­da me­tri­ca­men­te pe­lo cam­po do pri­mei­ro elec­tro (no fun­do os Kraftwerk e de­pois Afri­ka Bam­ba­a­ta) aqui com vá­ri­os ele­men­tos mu­si­cais e so­no­ros sem­pre mu­tá­veis — o duo não gos­ta que as coi­sas es­te­jam de­ma­si­a­do pa­ra­das. Na úl­ti­ma des­tas fai­xas, to­das si­mul­ta­ne­a­men­te co­e­sas e dis­tin­tas en­tre si, es­ta­mos num ter­ri­tó­rio de fun­do tec­no, com óp­ti­mo tra­ba­lho à vol­ta da sín­co­pe e dos pra­tos de cho­ques.

O duo es­tá já a de­se­nhar os con­tor­nos do seu pró­xi­mo lon­ga­du­ra­ção a sair pe­la Rot­ten \\ Fresh em Ju­nho do pró­xi­mo ano. É tam­bém des­te ti­po de me­to­dis­mo, or­ga­ni­za­ção e ao mes­mo tem­po da ca­pa­ci­da­de de olhar de fo­ra pa­ra o tra­ba­lho ar­tís­ti­co que dá cen­te­lha ao Im­pé­rio Pa­cí­fi­co. Mú­si­ca re­al­men­te cla­ra, ex­tre­ma­men­te bem pen­sa­da, dis­tin­ta e aca­ba­da, de­sin­te­res­sa­da em apa­nhar boleia de la­do ne­nhum, mas em cri­ar de ba­se pa­ra per­ce­ber o que se fa­zer com to­da a in­for­ma­ção aces­sí­vel e in­ter­cru­zá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.