O es­que­ma do Mo­no­pó­lio do McDo­nald’s vai ser um fil­me de Ben Af­fleck

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um ex-po­lí­cia pas­sou 12 anos a ma­ni­pu­lar um con­cur­so do McDo­nald’s em que pe­ças de Mo­no­pó­lio da­vam di­rei­to a mui­to di­nhei­ro. Ven­dia as pe­ças es­pe­ci­ais a quem lhe pa­gas­se, fos­sem fa­mi­li­a­res ou co­nhe­ci­dos, ma­fi­o­sos, do­nos de clu­bes de strip ou mór­mo­nes. Es­tes fi­ca­vam au­to­ma­ti­ca­men­te mi­li­o­ná­ri­os. Tu­do aca­bou em 2001, quan­do Je­ro­me Ja­cob­son foi apa­nha­do pe­lo FBI. A his­tó­ria da­va um fil­me. E vai dar, em prin­cí­pio, com Ben Af­fleck a re­a­li­zar e Matt Da­mon a pro­ta­go­ni­zar. Mas pri­mei­ro foi no­tí­cia.

Quem leu a re­por­ta­gem de Jeff Maysh McS­cam: How an Ex- Cop Rig­ged McDo­nald’s Mo­no­poly

Ga­me and Sto­le Mil­li­ons, pu­bli­ca­da em Ju­lho no si­te The Daily

Be­ast ima­gi­nou lo­go o fil­me. A his­tó­ria de­mo­rou pou­co a tor­nar­se o te­ma mais fa­la­do no Twit­ter a ní­vel mun­di­al e pas­sa­das 72 ho­ras da pu­bli­ca­ção, de­pois de uma dis­pu­ta que in­cluiu no­mes co­mo Mar­tin Scor­se­se, Ro­bert Dow­ney Jr., Ste­ve Ca­rell, Ste­ven Spi­el­berg, Will Fer­rell, Mark Wahl­berg ou Ke­vin Hart, os di­rei­tos do ar­ti­go ti­nham si­do com­pra­dos pe­la Pe­arl Stre­et Films, a pro­du­to­ra de Af­fleck e Da­mon, e a 20th

Cen­tury Fox por 306 mil eu­ros, com mais 875 mil eu­ros pa­ra o au­tor se o fil­me avan­çar mes­mo. É um re­cor­de em Hollywo­od: nun­ca um ar­ti­go jor­na­lís­ti­co ti­nha si­do ven­di­do por tan­to di­nhei­ro. Tam­bém im­pres­si­o­nan­te é o fac­to de ter acon­te­ci­do nu­ma al­tu­ra em que os es­tú­di­os ca­da vez apos­tam me­nos em dra­mas de or­ça­men­to mé­dio, mui­to me­nos em al­go que não es­te­ja li­ga­do a per­so­na­gens e his­tó­ri­as já es­ta­be­le­ci­das.

Não foi um aca­so. O ar­ti­go foi fei­to pa­ra is­so mes­mo. Era es­se o ob­jec­ti­vo de Da­vid Klawans, um pro­du­tor que pas­sa a vi­da à pro­cu­ra de his­tó­ri­as obs­cu­ras — par­te do es­que­ci­men­to do es­que­ma do McDo­nald’s ex­pli­ca­se por o jul­ga­men­to ter co­me­ça­do a 10 de Se­tem­bro de 2001, um dia an­tes do aten­ta­do das Tor­res Gé­me­as —, a em­pa­re­lhá-las com jor­na­lis­tas que es­cre­vem ar­ti­gos e os con­se­guem ven­der a pu­bli­ca­ções re­pu­ta­das, pa­ra de­pois con­se­guir mais fa­cil­men­te an­ga­ri­ar es­tú­di­os in­te­res­sa­dos em trans­for­má-las em fil­mes. O pro­du­tor, que es­ta­va a tra­ba­lhar es­te ca­so des­de 2014, já ti­nha con­se­gui­do uma pro­e­za pa­re­ci­da com Ar­go, o fil­me re­a­li­za­do em 2012 por Ben Af­fleck que an­tes de ga­nhar o Ós­car de Me­lhor Fil­me foi um ar­ti­go na re­vis­ta Wi­red em 2007 e uma his­tó­ria que Klawans an­da­va a per­se­guir des­de o fi­nal dos anos 1990. car­rei­ra em re­clu­são, a re­mar con­tra a ma­ré e con­tra as ins­ti­tui­ções da ar­te, é im­pos­sí­vel ter a cer­te­za: nem o no­me ver­da­dei­ro do ar­tis­ta se co­nhe­ce. Par­te des­sa obra amal­di­ço­a­da, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pe­ças dos úl­ti­mos 15 anos da car­rei­ra de Ram­mell­zee, vai ser lei­lo­a­da em Ou­tu­bro.

Se­gun­do o The Art News­pa­per, é um lei­lão or­ga­ni­za­do pe­la Sotheby’s, que cui­da des­de o ano pas­sa­do do pa­tri­mó­nio do ar­tis­ta, e que te­rá lu­gar na La­zinc, a ga­le­ria lon­dri­na de Ste­ve La­za­ri­des, que foi agen­te de Banksy — ou­tro enig­má­ti­co ar­tis­ta de rua afro-fu­tu­ris­ta. O lei­lão traz com ele al­gu­ma po­lé­mi­ca: es­pe­ci­a­lis­tas na obra de Ram­mell­zee ale­gam que, além da su­pos­ta mal­di­ção, o que vai ser ven­di­do era pa­ra con­su­mo pró­prio e não pú­bli­co, e que o ar­tis­ta, que se man­te­ve em re­la­ti­va re­clu­são nos úl­ti­mos anos de vi­da, não ve­ria com bons olhos a li­ga­ção à Sotheby’s.

Nas­ci­do em Qu­e­ens, No­va

Ior­que, Ram­mell­zee — o seu no­me, di­zia, de­ri­va de uma fór­mu­la de uma equa­ção — co­me­çou por pin­tar tags do seu no­me em com­boi­os e foi as­cen­den­do na ce­na ar­tís­ti­ca, fi­can­do fa­mo­so pe­los fa­tos e más­ca­ras ela­bo­ra­das que trans­for­ma­vam a sua me­ra pre­sen­ça nu­ma per­for­man­ce. Ao lon­go dos anos, cru­zou-se com pes­so­as co­mo Je­an-Mi­chel Bas­qui­at, que o pin­tou em Hollywo­od Afri­cans, de 1983, e pro­du­ziu e de­se­nhou a ca­pa de Be­at Bop, o sin­gle de rap que o pró­prio Ram­mell­zee in­ter­pre­tou em Wild Sty­le, o fil­me de Char­lie Ahe­arn de 1983. Tam­bém co­la­bo­rou com a Su­pre­me, a mar­ca de rou­pa fun­da­da pe­lo seu co­lec­ci­o­na­dor Ja­mes Jeb­bia. Pa­ra eles, pin­tou à mão pe­ças ra­rís­si­mas e ho­je mui­to ca­ras, co­mo bo­nés e mo­chi­las.

Nes­te mo­men­to, e até dia 26, há uma ex­po­si­ção na ga­le­ria

Red Bull Arts, em No­va Ior­que, on­de me­ta­de das obras dis­po­ní­veis foi pre­ci­sa­men­te em­pres­ta­da pe­la Sotheby’s, que es­tá a pro­mo­ver Ram­mell­zee co­mo um an­te­ces­sor de Bas­qui­at.

A his­tó­ria de um gol­pe foi his­tó­ria jor­na­lís­ti­ca e vai ser um fil­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.