O se­xo (tam­bém) é o que é

Publico - Ipsilon - - Sumário -

O cor­po re­pre­sen­ta sen­sa­ções que Car­men Ma­ria Ma­cha­do ex­plo­ra sem eu­fe­mis­mos no li­vro de es­treia. É gó­ti­co, fic­ção ci­en­tí­fi­ca, hor­ror e ero­tis­mo. É a vi­da. Isa­bel Lu­cas

Dois ho­mens e uma mu­lher nu­ma sala de par­tos e um par­to di­fí­cil. Um dos ho­mens é o ma­ri­do e o ou­tro o mé­di­co. A mu­lher gri­ta de dor, o nas­ci­men­to ras­gou-lhe o cor­po, os dois ho­mens sa­bem dos efeitos do ras­gão e ela é uma so­li­tá­ria na­que­le qua­dro de cum­pli­ci­da­de mas­cu­li­na. “Qu­an­to quer pa­ra dar o tal pon­to adi­ci­o­nal?”, per­gun­ta ao mé­di­co o ma­ri­do da mu­lher dei­ta­da na ca­ma quan­do o mé­di­co a es­tá a co­ser. O mé­di­co ri. O ma­ri­do sai e ela, por fim, re­cu­pe­ra cons­ci­ên­cia. “Já es­tá co­si­da, não se pre­o­cu­pe — diz ele. — Bem aper­ta­di­nha, as­sim to­da a gen­te fi­ca sa­tis­fei­ta.” Es­ta­mos no pri­mei­ro con­to do li­vro de es­treia de Car­men Ma­ria Ma­cha­do. O no­me po­de não di­zer mui­to aos lei­to­res por­tu­gue­ses. Ain­da.

Nos EUA e em to­do o mun­do inglês é vis­ta co­mo uma das vo­zes mais au­da­zes e cri­a­ti­vas da sua ge­ra­ção. Mui­tos dos seus tex­tos crí­ti­cos e en­saís­ti­cos es­tão pu­bli­ca­dos nos prin­ci­pais jor­nais e re­vis­tas. To­dos com o tom cer­tei­ro, voz bem au­dí­vel, pen­sa­men­to rá­pi­do, ca­pa­ci­da­de de jun­tar os uni­ver­sos mais an­ces­trais com a ur­gên­cia do mun­do con­tem­po­râ­neo. O li­vro cha­ma-se

O Cor­po De­la e Ou­tras His­tó­ri­as (tra­du­ção mui­to li­vre e um pou­co li­mi­ta­da do ori­gi­nal, Her Body and Other Par­ti­es) e va­leu-lhe a no­me­a­ção pa­ra nu­me­ro­sos pré­mi­os, en­tre eles o Na­ti­o­nal Bo­ok Award, e o con­to de aber­tu­ra tem co­mo tí­tu­lo O Pon­to do Ma­ri­do e con­gre­ga mui­tos dos ele­men­tos que tor­nam úni­ca a es­cri­ta des­ta ame­ri­ca­na de 32 anos, fi­lha de imi­gran­tes aus­tría­cos e cu­ba­nos que nas­ceu na Pen­sil­vâ­nia, uma voz li­te­rá­ria ou­sa­da a de­sa­fi­ar fron­tei­ras en­tre gé­ne­ros, gran­de pre­o­cu­pa­ção for­mal e uma te­má­ti­ca que se ajus­ta na per­fei­ção a es­tes tem­pos: abu­so se­xu­al, vi­o­lên­cia so­bre o cor­po feminino, mor­te, do­en­ça. O cor­po co­mo fon­te de dor e pra­zer, po­der e sub­mis­são, um po­de­ro­so ma­ni­fes­to em si­mul­tâ­neo fí­si­co e po­lí­ti­co.

“Es­ta po­de não ser a ver­são da his­tó­ria que vo­cês co­nhe­cem. Mas ga­ran­to-vos que é aque­la que pre­ci­sam de co­nhe­cer”, lê-se nes­te con­to, in­ter­pre­ta­ção mui­to pes­so­al da len­da The Gre­en Rib­bon, que co­nhe­ceu mui­tas ver­sões; en­tre as mais cé­le­bres, es­tão a de Washing­ton Ir­ving e a de Al­vin Schwartz em In a Dark Ro­om and Other Scary Sto­ri­es, que adap­ta pa­ra cri­an­ças his­tó­ri­as de hor­ror. Ma­cha­do apro­pria-se des­se ima­gi­ná­rio e de­vol­ve-o num con­to com ele­men­tos de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, ero­tis­mo, re­a­lis­mo má­gi­co, um gó­ti­co que re­me­te pa­ra a épo­ca vi­to­ri­a­na com ecos mui­to con­tem­po­râ­ne­os. O cor­po da pro­ta­go­nis­ta não “po­de al­ber­gar ou­tra cri­an­ça” e ela qua­se sen­te cul­pa. Mas ela não é to­tal­men­te sub­mis­sa. É au­daz pa­ra a sua ge­ra­ção. “Não é nor­mal uma ra­pa­ri­ga en­si­nar o seu ra­paz, mas eu es­tou ape­nas a mos­trar-lhe o que qu­e­ro, o que se de­sen­ro­la den­tro das mi­nhas pál­pe­bras, en­quan­to ador­me­ço. Ele aca­ba por co­nhe­cer o tre­me­lu­zir da mi­nha ex­pres­são, quan­do um de­se­jo e per­pas­sa, e eu não lhe es­con­do na­da.”

Car­men vai dan­do pau­tas de lei­tu­ra aos lei­to­res, cri­an­do com eles uma re­la­ção de in­ti­mi­da­de que con­tras­ta com um in­ter­di­to sem­pre sub­ja­cen­te, qual­quer coi­sa de inal­can­çá­vel, o es­pa­ço de li­ber­da­de que a au­to­ra deixa a ca­da um. To­dos so­mos cúm­pli­ces da­que­la mu­lher, a pro­ta­go­nis­ta, que tem um se­gre­do, a úni­ca coi­sa que não par­ti­lha com nin­guém e que nin­guém — leia-se os ho­mens da sua vi­da — quer res­pei­tar.

Os se­te con­tos que se se­guem são di­fe­ren­tes na for­ma, uns mais e ou­tros me­nos con­ta­mi­na­dos pe­la fic­ção ci­en­tí­fi­ca, pe­la fan­ta­sia, pe­la lin­gua­gem das re­des so­ci­ais ou da TV; to­dos car­re­gam uma es­pé­cie de an­ces­tra­li­da­de no mo­do co­mo tra­tam te­mas e me­dos de sem­pre. Epi­de­mi­as, o de­sa­pa­re­ci­men­to, o lu­to. Em to­dos o se­xo apa­re­ce co­mo uma coi­sa da vi­da, ro­mân­ti­co ou vi­o­len­to, cir­cuns­tan­ci­al ou pla­ne­a­do, apai­xo­na­do ou ba­nal. E des­cri­to sem sub­ter­fú­gi­os ou eu­fe­mis­mos. E em to­dos Ma­cha­do pa­re­ce com­pro­me­ter-se ape­nas com a sua in­ten­ção. Com­pa­ram-na com An­ge­la Car­ter ou He­len Oyeye­mi, ou­tra con­tis­ta da ge­ra­ção de

Car­men Ma­ria Ma­cha­do. Ela não con­tes­ta com­pa­ra­ções, mas bas­ta um con­to seu pa­ra per­ce­ber que se es­tá num uni­ver­so mui­to par­ti­cu­lar, um mun­do es­tra­nho que po­de cau­sar al­gu­mas re­ser­vas, até se per­ce­ber ser fru­to de uma gran­de von­ta­de de li­ber­da­de no mo­do co­mo nar­ra e de­sen­ca­deia um pro­ces­so de re­fle­xão acer­ca do que é ter um cor­po nes­te iní­cio de sé­cu­lo XXI. Na Amé­ri­ca e no mun­do. O Cor­po De­la e Ou­tras Par­tes Car­men Ma­ria Ma­cha­do

Trad. Tâ­nia Ga­nho Al­fa­gua­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.