Apren­der a na­dar com um fal­so dis­co de Ve­rão

Publico - Ipsilon - - Sumário -

No vi­de­o­clip de Stay — de­cep­ci­o­nan­te e na­da ima­gi­na­ti­vo, as­sen­te que es­tá nu­ma mon­ta­gem fei­ta a par­tir de rí­gi­das pla­nos cap­ta­dos atra­vés de um drone —, uma das mais be­las can­ções de um dos mais be­los dis­cos de 2016, The Di­vi­ne Fe­mi­ne, o ame­ri­ca­no Mac Mil­ler sur­gia, de pé, ro­de­a­do de água por to­do o la­do, em mo­do enér­gi­co, vi­va­ço, sor­ri­den­te. En­fim, fe­liz. A água não in­co­mo­da­va, da­va-lhe pe­los pés.

Eram tem­pos cor-de-ro­sa, es­ses em que na­mo­ra­va a can­to­ra Ari­a­na Gran­de ( pop star que, do­na de um vo­zei­rão clás­si­co, não sa­be, in­fe­liz­men­te, o que fa­zer com ele, per­den­do- se em ba­la­das chiclete) e lhe de­di­ca­va o dis­co, o tal em que a “di­vi­ni­za­va” (ou em que di­vi­ni­za­va, tal­vez, a ideia de amor em si). Na­da ri­dí­cu­la car­ta de amor em que a pró­pria Ari­a­na aju­da­va à mis­sa (“ma­tri­mo­ni­al”, en­tão), ora in­te­gran­do os co­ros, ora can­tan­do mes­mo em no­me pró­prio em My Fa­vou­ri­te Part, de uma cum­pli­ci­da­de ir­re­sis­tí­vel: “You just don’t know how be­au­ti­ful you are / And baby that’s my fa­vou­ri­te part”, ver­so per­fei­ta­men­te ide­a­lis­ta, pró­prio de quem ob­ser­va a(o) ama­da(o) de lon­ge e só lhe con­ta as coi­sas pe­la me­ta­de, guar­dan­do o res­to pa­ra si (amar al­guém po­de tam­bém sig­ni­fi­car amar as idei­as e as ima­gens que se cons­tro­em so­bre ela). Mas ha­via tam­bém o ví­deo de uma ac­tu­a­ção ao vi­vo, os dois per­fei­ta­men­te en­fei­ti­ça­dos olhan­do-se em pal­co, a cer­ta al­tu­ra des­fa­zen­do­se mes­mo nu­ma gar­ga­lha­da, o pro­fis­si­o­na­lis­mo traí­do pe­lo co­ra­ção.

O rap­per é o cé­re­bro de um ál­bum de ar­ran­jos mi­nu­ci­o­sos e su­bli­mes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.