O ENIG­MA WHIT­NEY HOUS­TON

Publico - Ipsilon - - Sumário - He­len Bar­low

WU­ma das gran­des vo­zes do sé­cu­lo XX foi tam­bém uma das gran­des his­tó­ri­as de as­cen­são e que­da da pop. O re­a­li­za­dor de Amy, so­bre Amy Wi­nehou­se, pas­sou de não gos­tar da can­to­ra de I Will Always Lo­ve You a ad­mi­rá-la de­pois de fa­zer o do­cu­men­tá­rio Whit­ney, so­bre uma voz icó­ni­ca, abu­so, dro­gas e o iso­la­men­to do es­tre­la­to.

hit­ney Hous­ton era uma deu­sa da mú­si­ca cu­jas cor­das vo­cais não co­nhe­ci­am li­mi­tes. Ten­do co­lec­ci­o­na­do su­ces­sos des­de o iní­cio da sua car­rei­ra, é a úni­ca ar­tis­ta a so­lo a con­se­guir se­te sin­gles nú­me­ro 1 con­se­cu­ti­vos na ta­be­la Hot 100 da Bill­bo­ard. I Will Always Lo­ve You, da ban­da so­no­ra de O Guar­da- Cos­tas, de 1992, man­tém-se co­mo um dos sin­gles mais ven­di­dos de sem­pre, e a sua ac­tu­a­ção ao la­do de Ke­vin Cost­ner é me­mo­rá­vel. No en­tan­to, no mo­men­to em que a ven­ce­do­ra de seis Grammys mor­reu na ba­nhei­ra de um quar­to de ho­tel em 2012, tra­gi­ca­men­te na vés­pe­ra da ce­ri­mó­nia dos Grammys, o seu cor­po en­con­tra­va­se des­truí­do pe­las dro­gas e a sua am­pli­tu­de vo­cal ti­nha di­mi­nuí­do. Ti­nha 48 anos.

A sua vi­da tem si­do te­ma de mui­tos do­cu­men­tá­ri­os pa­ra ci­ne­ma e te­le­vi­são, no­me­a­da­men­te o fil­me Whit­ney: Can I Be Me, do re­a­li­za­dor bri­tâ­ni­co Nick Bro­om­feld, e que es­tre­ou no ano pas­sa­do. Mes­mo sa­ben­do que o fil­me de Bro­om­feld iria es­tre­ar pri­mei­ro, o ga­lar­do­a­do re­a­li­za­dor es­co­cês Ke­vin McDo­nald avan­çou com o seu pró­prio fil­me, in­ti­tu­la­do sim­ples­men­te Whit­ney.

“Eu e o Nick não so­mos ami­gos pró­xi­mos, mas co­nhe­ço- o, gos­to de­le e ad­mi­ro os seus fil­mes”, diz McDo­nald. “Na ver­da­de, quan­do eu es­ta­va a co­me­çar a fa­zer do­cu­men­tá­ri­os, ele foi mui­to en­co­ra­ja­dor e ge­ne­ro­so. Sa­bía­mos so­bre os fil­mes um do ou­tro, e eu es­ta­va cons­ci­en­te que o fil­me de­le ia es­tre­ar pri- mei­ro. Mas o te­ma pren­deu-me de tal ma­nei­ra que acre­di­tei que po­dia con­tar a mi­nha ver­são da his­tó­ria. Ter ti­do aces­so à sua mú­si­ca, à sua fa­mí­lia e a tan­to ma­te­ri­al de ar­qui­vo com­ple­ta­men­te iné­di­to foi um bó­nus in­crí­vel. Não fa­ria um fil­me ao mes­mo tem­po que ou­tra pes­soa se não achas­se que o meu ia ser o me­lhor.”

Pat Hous­ton, cu­nha­da, ges­to­ra e tes­ta­men­tei­ra da he­ran­ça de Whit­ney, con­ce­deu ao re­a­li­za­dor es­co­cês con­tro­lo ab­so­lu­to so­bre o fil­me. Is­so foi es­sen­ci­al pa­ra o re­a­li­za­dor, co­nhe­ci­do pe­las su­as po­si­ções po­lí­ti­cas e que des­li­za en­tre fic­ção e não-fic­ção (in­cluin­do Mar­ley e Tou­ching the Void — Uma His­tó­ria de So­bre­vi­vên­cia), e que re­ce­beu inú­me­ros pré­mi­os por O Úl­ti­mo Rei da Es­có­cia, uma obra hí­bri­da. Fo­rest Whi­ta­ker re­ce­beu o Ós­car de Me­lhor Ac­tor pe­lo seu re­tra­to de Idi Amin. “As pes­so­as sen­tem um fas­cí­nio in­fi­ni­to pe­la his­tó­ria da Whit­ney, mas te­mos as­sis­ti­do a mui­tos ru­mo­res, men­ti­ras, su­po­si­ções e me­xe­ri­cos”, no­ta McDo­nald. “Creio que a ra­zão que le­vou a fa­mí­lia a acei­tar que fi­zés­se­mos o fil­me e que lhes deu a co­ra­gem pa­ra me en­tre­ga­rem o fi­nal cut foi a es­pe­ran­ça de que o fil­me re­cu­pe­ras­se a sim­pa­tia das pes­so­as por ela.”

Ini­ci­al­men­te, o que atraiu McDo­nald fo­ram os ele­men­tos mis­te­ri­o­sos da his­tó­ria de Whit­ney. “Co­nhe­ci a sua agen­te, Ni­co­le Da­vid, e ela dis­se-me: ‘Eu ama­va mais a Whit­ney do que qua­se qual­quer ou­tra pes­soa na mi­nha vi­da, e tra­ba­lhei 25 anos com ela. Mas nun­ca a com­pre­en­di, e nun­ca en­ten­di por­que é que ela aca­bou da ma­nei­ra que aca- bou. Tem de fa­zer um fil­me pa­ra des­co­brir’.”

Pa­ra ar­ran­car com o pro­jec­to, Ni­co­le Da­vid e Pat Hous­ton tra­ba­lha­ram em con­jun­to com a pro­du­to­ra Li­sa Ers­pa­mer, que ti­nha ti­do a ideia ori­gi­nal em 2009, após ter di­ri­gi­do a entrevista de Whit­ney no The Oprah Win­frey Show. Pe­di­ram aju­da aos pre­mi­a­dos pro­du­to­res de do­cu­men­tá­ri­os Jo­nathan Chinn e Si­mon Chinn, que pro­du­zi­ram o ga­lar­do­a­do fil­me so­bre o can­tor Ro­dri­guez, À Pro­cu­ra de Su­gar Man, e que es­tão ac­tu­al­men­te a tra­ba­lhar num fil­me so­bre Ti­na Tur­ner. Es­tes, por sua vez, con­tra­ta­ram McDo­nald.

Foi ape­nas no fi­nal das su­as in­ves­ti­ga­ções que o re­a­li­za­dor des­co­briu o pas­sa­do de abu­so se­xu­al de Whit­ney, e de­ci­diu que o as­sun­to se­ria um “mur­ro no estô­ma­go” apro­pri­a­do pa­ra o fi­nal do fil­me.

O po­der do abu­so

De­pois de Whit­ney ter es­tre­a­do em Can­nes, as no­tí­ci­as so­bre o abu­so de que foi ví­ti­ma fi­ze­ram man­che­te por to­do o mun­do. Nu­ma entrevista em se­pa­ra­do, Pat Hous­ton con­fir­mou que a pri­ma de Whit­ney, a fa­le­ci­da can­to­ra Dee Dee Warwick, ti­nha mo­les­ta­do Whit­ney quan­do es­ta era cri­an­ça. A ir­mã mais no­va de Di­on­ne Warwick fi­ca­va a to­mar con­ta de Whit­ney quan­do a sua mãe, a can­to­ra Cis­sy Hous­ton, ho­je com 84 anos, es­ta­va em di­gres­são.

“Nos úl­ti­mos anos da sua vi­da, a Whit­ney fa­lou so­bre o as­sun­to com as pes­so­as com quem se sen­tia con­for­tá­vel. Co­mi­go e com a Mary Jo­nes”, re­ve­la Pat, re­fe­rin­do-se à as-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.