Amor e an­si­e­da­de

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Na­da é li­ne­ar no fil­me de Net­zer, mas an­si­e­da­de é re­al. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Ana, Meu Amor

Ana, Mon Amour

De Ca­lin Pe­ter Net­zer com Mir­cea Pos­tel­ni­cu, Di­a­na Ca­val­li­ot­ti, Car­men Ta­na­se Com aque­le sen­ti­do do “trom­pe l’oeil” que é ha­bi­tu­al no ci­ne­ma ro­me­no con­tem­po­râ­neo, Ana, Meu Amor co­me­ça com uma con­ver­sa so­bre Ni­etzs­che e os equí­vo­cos mais co­muns na sua lei­tu­ra. Os dois pro­ta­go­nis­tas (Ana, a ra­pa­ri­ga, Toma, o ra­paz) es­tão no prin­cí­pio da sua re­la­ção, a se­du­zi­rem-se mu­tu­a­men­te com as su­as ob­ser­va­ções so­bre Ni­etzs­che, co­mo é apro­pri­a­do a dois jo­vens com pin­ta de in­te­lec­tu­ais uni­ver­si­tá­ri­os. A ra­pa­ri­ga vai fi­can­do in­qui­e­ta, a câ­ma­ra cres­cen­te­men­te ner­vo­sa na for­ma co­mo pas­sa dum a ou­tro, e a in­qui­e­ta­ção des­cam­ba num ata­que de an­si­e­da­de que faz Ana cor­rer pa­ra os com­pri­mi­dos que tem guar­da­dos na sua bol­sa. E é is­to: po­de­rá não ha­ver na­da de es­pe­ci­al­men­te ni­etzs­che­a­no no res­to de Ana, Meu Amor, mas a an­si­e­da­de é re­al.

E é o cen­tro do fil­me, a his­tó­ria de um ca­sal mar­ca­do pe­la ex­tre­ma per­tur­ba­ção psi­co­ló­gi­ca de­la, os ata­ques de pâ­ni­co, os me­di­ca­men­tos, as con­sul­tas psi­quiá­tri­cas, e a de­di­ca­ção de­le, mas tam­bém a exas­pe­ra­ção de­le e até, co­mo uma zo­na de som­bra, o even­tu­al pra­zer de­le na po­si­ção de po­der em que a re­la­ção o coloca. Pen­sa­mos por ve­zes, a par­tir do re­a­lis­mo “in­ten­si­fi­ca­do” (quer di­zer: mui­ta câ­ma­ra à mão, mui­to clo­se-up aos ros­tos dos ac­to­res), num pa­ren­tes­co com a Mu­lher sob In­fluên­cia de Cas­sa­ve­tes, tam­bém um re­tra­to de um re­la­ci­o­na­men­to cons­truí­do a par­tir de um dis­túr­bio psi­co­ló­gi­co. Mas na­da é li­ne­ar no fil­me de Net­zer, que com ou­tros co­le­gas ro­me­nos da ac­tu­a­li­da­de par­ti­lha ain­da o gos­to pe­las es­tru­tu­ras nar­ra­ti­vas vin­ca­das e he­te­ro­do­xas: Ana, Meu Amor faz-se de avan­ços e re­cu­os no tem­po, apa­nhan­do cons­tan­te­men­te as per­so­na­gens em mo­men­tos di­fe­ren­tes do ar­co da re­la­ção, en­tre epi­só­di­os sig­ni­fi­ca­ti­vos (as cri­ses, as ce­nas com a res­tan­te fa­mí­lia) e ou­tros de pe­so mais anó­di­no. Um pou­co co­mo se fos­se um me­lo­dra­ma “psi­co­te­ra­pêu­ti­co”, e as re­cor­da­ções fluís­sem, cro­no­lo­gi­ca­men­te de­sen­con­tra­das e, so­bre­tu­do, sem hi­e­rar­quia de im­por­tân­cia.

Mas es­te é um pro­ble­ma do fil­me: se a mon­ta­gem de Da­na Bu­nes­cu foi elo­gi­a­da e pre­mi­a­da em Ber­lim 2017, es­ta es­tru­tu­ra aca­ba por ter o efei­to, di­fi­cil­men­te pre­ten­di­do, de nos es­tar sem­pre a “rou­bar” as per­so­na­gens — a ca­da sal­to é co­mo se fos­sem “ou­tras” (o que não é for­ço­sa­men­te er­ra­do: as pes­so­as ten­dem a ir mu­dan­do), e o fil­me tor­na-se um puzz­le em que o es­pec­ta­dor tem que es­tar sem­pre a ten­tar adi­vi­nhar em que pon­to se es­tá, e se an­tes ou de­pois da­que­le ou­tro, ta­re­fa que aca­ba por ser mais dis­trac­ti­va do que re­al­men­te sig­ni­fi­ca­ti­va, e no li­mi­te can­sa­ti­va, im­pe­di­men­to a uma ver­da­dei­ra li­ga­ção en­tre o es­pec­ta­dor e o dra­ma das per­so­na­gens. Há ou­tros pro­ble­mas, no­me­a­da­men­te o tra­ta­men­to da in­ti­mi­da­de fí­si­ca do ca­sal (o se­xo, a nu­dez), fei­to com uma cru­e­za dra­ma­ti­ca­men­te des­ne­ces­sá­ria que pa­re­ce não ter ou­tra ra­zão que não se­ja cha­mar a aten­ção so­bre si pró­pria, su­bli­nhan­do a co­ra­gem dos ac­to­res em pres­ta­rem-se a cer­tas si­tu­a­ções. Não é que Ana, meu Amor não te­nha os seus mé­ri­tos, até en­quan­to cons­tru­ção “es­tru­tu­ral” (por mui­to frus­tran­te que se­jam os seus re­sul­ta­dos), mas, man­ten­do a con­ver­sa no con­tex­to ro­me­no ac­tu­al, Net­zer não faz som­bra a Cris­ti Puiu ou Cor­ne­liu Po­rum­boiu, mui­to mais dis­tan­ci­a­dos e ri­go­ro­sos no ma­ne­jo do re­a­lis­mo (Net­zer es­tá “lá den­tro”, qua­se co­mo se não hou­ves­se re­cuo), e so­bre­tu­do mui­to mais con­vin­cen­tes na ex­plo­ra­ção da iro­nia da me­ta­fí­si­ca, ou da me­ta­fí­si­ca da iro­nia.

Em Ana, Meu Amor, há mui­ta câ­ma­ra à mão e mui­to clo­se-up pa­ra apro­xi­mar o re­a­lis­mo

Mary­li­ne é in­ter­pre­ta­da por Adé­li­ne d’Herny

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.