Es­ta­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca António Guer­rei­ro Low cost e lu­ta de clas­ses

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Quem, nes­tes di­as, nes­tas úl­ti­mas se­ma­nas, ou até nos úl­ti­mos me­ses, vi­a­jou de avião, de uma ci­da­de qual­quer pa­ra ou­tra ci­da­de qual­quer, pas­sou mui­to pro­va­vel­men­te pe­la ex­pe­ri­ên­cia de vi­ver o ca­os na ter­ra e o in­fer­no nos céus. O aci­den­te, es­cre­veu uma vez um ur­ba­nis­ta, é a fa­ce es­con­di­da do pro­gres­so. Não há ho­je ne­nhum lu­gar on­de o aci­den­te se­ja tão vi­sí­vel co­mo nos ae­ro­por­tos, que são pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas que fun­ci­o­nam co­mo os cen­tros das ci­da­des.

O aci­den­te con­sis­te des­de lo­go na in­dis­tin­ção en­tre quem che­ga e quem par­te. Dan­tes as du­as ca­te­go­ri­as eram bem dis­tin­tas, não só por­que cum­pri­am ri­tu­ais di­fe­ren­tes, mas tam­bém por­que os que par­ti­am não ti­nham a mes­ma ca­ra, a mes­ma dei­xis cor­po­ral, da­que­les que che­ga­vam. Ora, ho­je são to­dos iguais por­que, em ri­gor, os ae­ro­por­tos são o lu­gar da che­ga­da ge­ne­ra­li­za­da. To­da a gen­te, in­de­pen­den­te­men­te de es­tar à es­pe­ra de par­tir pe­los ares ou de ser pos­to fi­nal­men­te em ter­ra, tem aque­la mes­ma ca­ra de quem che­ga ao ae­ro­por­to, is­to é, ao lu­gar do gran­de fe­cha­men­to, co­mo fo­ram — ou são — as pri­sões e os asi­los. Mas es­se é ape­nas o pri­mei­ro es­tá­dio do aci­den­te. O aci­den­te nu­ma fa­se mais avan­ça­da é quan­do, uma vez trans­pos­tos to­dos os obs­tá­cu­los e bar­rei­ras, co­me­ça a es­pe­ra. Po­de du­rar ho­ras e nós nun­ca sa­ber­mos porquê. Mes­mo quan­do tu­do de­cor­re nor­mal­men­te, ace­de­mos sem atri­bu­la­ções ao lu­gar re­ser­va­do e são cum­pri­dos os ho­rá­ri­os, a sen­sa­ção de que atra­ves­sá­mos um cam­po de ba­ta­lha e de que ali se tra­va a mais ac­tu­al for­ma de guer­ra deixa-nos an­te­ci­pa­da­men­te com me­do da pró­xi­ma che­ga­da ao ae­ro­por­to. Há ae­ro­por­tos por es­sa Eu­ro­pa fo­ra que por es­tes di­as fo­ram con­si­de­ra­dos lu­ga­res de pe­ri­go, a evi­tar. Não é ape­nas o ae­ro­por­to de Lis­boa que es­tá su­per­lo­ta­do, o céu es­tá su­per­lo­ta­do de aviões e o mun­do es­tá su­per­lo­ta­do de vi­a­gens. Tal co­mo no fi­nal do sé­cu­lo pas­sa­do se fa­lou mui­to do fim da his­tó­ria, é ago­ra o tem­po de per­ce­ber que che­gou o fim da ge­o­gra­fia. An­dá­va­mos to­dos nós tão con­ten­tes com os vo­os low cost, e an­tes dis­so com a ve­lo­ci­da­de que mo­di­fi­cou as con­di­ções da vi­a­gem e do per­cur­so. Sa­be­mos ago­ra que al­guém, ou al­gu­ma coi­sa, de­sa­tou a rir-se de nós, fa­zen­do-nos ex­pe­ri­men­tar a si­tu­a­ção pa­ra­do­xal de fi­car­mos imo­bi­li­za­dos por cau­sa do ex­ces­so de mo­bi­li­da­de. A si­tu­a­ção já era nos­sa co­nhe­ci­da nas en­tra­das e saí­das das gran­des ci­da­des. Mas ago­ra to­das as li­ga­ções aé­re­as de umas ci­da­des às ou­tras co­nhe­cem es­se re­gi­me do trân­si­to pa­ra­do. Es­te mun­do que ten­de pa­ra a sua per­da, is­to é, pa­ra a en­tro­pia, é um mun­do iró­ni­co que trans­for­ma to­da a pro­mes­sa de fe­li­ci­da­de (tem­po­rá­ria, é cer­to) num in­fer­no e deixa to­da a gen­te pa­ra­da — por mui­to mais tem­po do que aque­le que con­se­gui­mos su­por­tar — exac­ta­men­te por­que foi pro­me­ti­da a to­da a gen­te a fá­cil mo­bi­li­da­de e a ve­lo­ci­da­de. Nun­ca o fe­nó­me­no da en­tro­pia foi tão es­pec­ta­cu­lar co­mo é ho­je nos ae­ro­por­tos e no trá­fe­go aé­reo. Tal­vez se­ja ne­ces­sá­rio ter em con­ta que há uma eco­no­mia po­lí­ti­ca da ve­lo­ci­da­de e não ape­nas da ri­que­za pro­du­zi­da. E quan­do ho­je so­mos sub­me­ti­dos nos ae­ro­por­tos e nos aviões à con­di­ção de ple­be des­pre­zí­vel, pen­sa­mos que ali po­de es­tar a re­nas­cer uma no­va mo­da­li­da­de de lu­ta de clas­ses: por on­de cir­cu­lam os ri­cos nos ae­ro­por­tos? Em que aviões vi­a­jam pa­ra não cor­re­rem o ris­co de per­der tem­po? Por­que é que a ve­lha má­xi­ma do “tem­po é di­nhei­ro” con­ti­nua a ser tão ac­tu­al que ou se tem as du­as coi­sas — tem­po e di­nhei­ro — ou não se tem ne­nhu­ma. Tem­po low cost? Be­la pro­mes­sa. A si­tu­a­ção de “de­sas­tre” nos ae­ro­por­tos diz-nos que, nes­te do­mí­nio, são mui­to frá­geis as con­quis­tas e po­de­ro­sos os re­tro­ces­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.