O ro­man­cis­ta chi­nês acei­te pe­lo sis­te­ma que não to­le­ra os seus en­sai­os

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Yu Hua é um dos es­cri­to­res mais con­cei­tu­a­dos da ac­tu­al li­te­ra­tu­ra chi­ne­sa e um no­me fa­mi­li­ar pa­ra os lei­to­res do New York Ti­mes on­de até há pou­co es­cre­via so­bre o seu país. Con­si­de­ra­do um van­guar­dis­ta, es­te chi­nês de 58 anos, au­tor de cinco ro­man­ces, vá­ri­as co­lec­ções de con­tos, adap­ta­ções pa­ra o cinema e televisão, pu­bli­cou em Por­tu­gal Chi­na Em Dez Pa­la­vras [Re­ló­gio d’Água], con­jun­to de en­sai­os que pre­ten­de ser um re­tra­to da Chi­na con­tem­po­râ­nea. “Não sei se exis­ti­ra no chi­nês ac­tu­al ou­tra pa­la­vra nes­ta es­tra­nha con­di­ção: es­tá pre­sen­te em to­da a par­te mas não é vis­ta por nin­guém. Na Chi­na de ho­je, ape­nas os po­lí­ti­cos tra­zem ‘po­vo’ na bo­ca. O po­vo pro­pri­a­men­te di­to ra­ra­men­te a men­ci­o­na, po­de di­zer-se que a es­tá a es­que­cer.” A pri­mei­ra pa­la­vra é Po­vo, pon­to de par­ti­da pa­ra uma ref le­xão so­bre as con­tra­di­ções da Chi­na ac­tu­al num li­vro que o con­fir­ma co­mo um ro­man­cis­ta acei­te pe­lo sis­te­ma, que, no en­tan­to, não to­le­ra os seus en­sai­os. O li­vro não foi pu­bli­ca­do na Chi­na, mas aca­bou por ser li­do por mui­tos chi­ne­ses. “É pos­sí­vel en­con­trar uma ver­são em chi­nês em for­ma­to PDF na in­ter­net”, re­fe­re Yu Hua nu­ma con­ver­sa com o Íp­si­lon me­di­a­da por Ti­a­go Na­bais, o seu tra­du­tor por­tu­guês. “Per­ce­bi que o fi­chei­ro te­ve ori­gem no meu com­pu­ta­dor. Al­guns ami­gos sa­bi­am que ti­nha es­cri­to es­te li­vro e pe­di­ram-mo, e en­vi­ei-lhes o PDF por e-mail”, acres­cen­tou, pa­ra ex­pli­car o mo­do co­mo Chi­na Em Dez Pa­la­vras aca­bou a cir­cu­lar na clan­des­ti­ni­da­de do seu país. É um li­vro sin­gu­lar na sua vi­da de es­cri­tor. Co­mo é que nas­ceu?

Ti­ve a ex­pe­ri­ên­cia de vi­ver em du­as épo­cas dis­tin­tas. Cres­ci du­ran­te a Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral, que pos­so, em cer­to sen­ti­do, com­pa­rar à Eu­ro­pa na Ida­de Mé­dia. De­pois, vi­vi o pe­río­do da Re­for­ma e Aber­tu­ra e a en­tra­da no sé­cu­lo XXI, em que a so­ci­e­da­de chi­ne­sa pas­sou a pa­re­cer-se com o que a Eu­ro­pa é ho­je. A Eu­ro­pa ne­ces­si­tou de cinco sé­cu­los pa­ra re­a­li­zar uma trans­for­ma­ção tão ra­di­cal, mas a Chi­na vi­veu to­da es­ta mu­dan­ça em ape­nas qua­tro dé­ca­das. Foi is­to que me le­vou a es­cre­ver o ro­man­ce Brothers [2005]. Mas quan­do ter­mi­nei es­se li­vro, ti­nha a sen­sa­ção de que não es­cre­ve­ra tu­do o que que­ria so­bre o con­fron­to entre es­tas du­as épo­cas, e pen­sei que o mais ade­qua­do se­ria fa­zê-lo num for­ma­to de não­fic­ção, e as­sim nas­ceu Chi­na Em Dez Pa­la­vras.

Na gé­ne­se, hou­ve um im­pul­so po­lí­ti­co.

Sim. No iní­cio de 2009, quan­do foi pu­bli­ca­da a tra­du­ção in­gle­sa de Brothers, fui aos EUA par­ti­ci­par em ac­ti­vi­da­des de pro­mo­ção do li­vro. Nu­ma de­las, na uni­ver­si­da­de on­de tra­ba­lha o meu tra­du­tor de in­glês, Al­lan Barr, fa­lei so­bre as ques­tões que es­tão na ba­se dos en­sai­os, Po­vo e Lí­der. De­pois des­sa pa­les­tra, sen­ti que ti­nha ali os dois pri­mei­ros ca­pí­tu­los de um no­vo li­vro. “Po­vo” abor­da os even­tos de Ti­a­nan­men, e se­ria o pri­mei­ro ca­pí­tu­lo. Ti­ve de ime­di­a­to a no­ção de que não po­de­ria ser pu­bli­ca­do na Chi­na. Man­ti­ve a es­pe­ran­ça de que pu­des­se um dia ser. Sen­ti que ti­nha

Des­te au­tor de cinco ro­man­ces, vá­ri­as co­lec­ções de con­tos, adap­ta­ções pa­ra o cinema e televisão, pu­bli­ca-se ago­ra em Por­tu­gal Chi­na Em Dez Pa­la­vras, con­jun­to de en­sai­os que pre­ten­de ser um re­tra­to da Chi­na con­tem­po­râ­nea

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.