His­tó­ria de fan­tas­mas sem fan­tas­mas

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A ir­rup­ção da mor­te num uni­ver­so in­fan­til... mas não há as­som­bra­ção. O fil­me das ir­mãs Cla­ra e Lau­ra La­per­rou­saz pa­re­ce du­ran­te a mai­or par­te do tem­po ape­nas “va­zio”. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Sol Cor­tan­te

So­leil Bat­tant

De Cla­ra e Lau­ra La­per­rou­saz Com Ana Gi­rar­dot, Clé­ment Rous­si­er, Agathe Bo­nit­zer, Teresa Ma­dru­ga O “sol cor­tan­te” é o do Al­gar­ve, do Al­gar­ve in­te­ri­or (mais cam­po e rio do que praia), ce­ná­rio pa­ra as fé­ri­as de Ve­rão de um ca­sal fran­cês e do seu mui­to jo­vem par de fi­lhas gé­me­as. De­pois de al­gu­mas ce­nas de in­tro­du­ção, des­ti­na­das a apre­sen­tar o que pa­re­ce ser, pa­ra to­dos os efei­tos, uma fa­mí­lia fun­ci­o­nal e fe­liz, o fil­me arranca re­al­men­te na ce­na em que a mãe ex­pli­ca a uma das gé­me­as que an­tes de­las hou­ve ou­tra ir­mã, e que a miú­da mor­reu, ali mes­mo, nou­tras fé­ri­as al­gar­vi­as, afo­ga­da nu­ma piscina du­ran­te um mo­men­to de de­sa­ten­ção de qu­em de­la to­ma­va con­ta. Es­sa miú­da tor­na-se, daí em di­an­te, nu­ma es­pé­cie de pro­ta­go­nis­ta au­sen­te, as­som­bra­ção da­que­la fa­mí­lia, que tan­to des­per­ta a ima­gi­na­ção das gé­me­as co­mo faz os pais re­vi­ver sen­sa­ções de pe­na, re­mor­so e au­to- cul­pa­bi­li­za­ção.

É, por­tan­to, e jo­gan­do em con­tras­te com a na­tu­re­za se­du­to­ra da pai­sa­gem es­ti­val, uma es­pé­cie de his­tó­ria de fan­tas­mas sem fan­tas­mas. Se, na ce­na que re­fe­ri­mos em ci­ma, a ir­rup­ção do te­ma da mor­te num uni­ver­so in­fan­til faz su­ge­rir a pos­si­bi­li­da­de de es­tar­mos pe­ran­te um des­cen­den­te de Po­net­te (es­se mi­la­gro­so fil­me de Jac­ques Doil­lon, nos anos 90), o fil­me das ir­mãs Cla­ra e Lau­ra La­per­rou­saz aca­ba por fi­car bem lon­ge dis­so, pri­so­nei­ro du­ma in­ci­pi­ên­cia que exi­ge que to­dos os fac­tos re­le­van­tes (in­cluin­do as emo­ções das per­so­na­gens) te­nham que ser ex­pli­ca­das, ver­ba­li­za­das e re­pi­sa­das pa­ra que os es­pec­ta­dor as sin­ta ou, pe­lo me­nos, as per­ce­ba. É jus­ta­men­te a “as­som­bra­ção” que não fun­ci­o­na, o que faz com que o fil­me pa­re­ça, du­ran­te a mai­or par­te do tem­po, ape­nas “va­zio”, ar­ras­ta­do, com a res­pi­ra­ção du­ma cur­ta-me­tra­gem que se en­cheu de tem­pos

A es­pon­ta­nei­da­de dos ac­to­res (das cri­an­ças gé­me­as mas tam­bém dos pais) me­re­ce­ria ser mui­to me­lhor apro­vei­ta­do...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.