Es­ta­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca An­tó­nio Gu­er­rei­ro A di­ta­du­ra do pre­sen­te, a for­ça do pas­sa­do

Publico - Ipsilon - - Sumário -

De­ve-se ao his­to­ri­a­dor fran­cês Fran­çois Har­tog a in­ven­ção de um con­cei­to com o qual de­sig­na um “re­gi­me de his­to­ri­ci­da­de” mar­ca­do pe­lo di­ta­du­ra do pre­sen­te — o con­cei­to de pre­sen­tis­mo. O pre­sen­tis­mo faz com que não con­si­ga­mos sair do tem­po da ur­gên­cia, do ime­di­a­to, do horizonte de on­de de­sa­pa­re­ceu qual­quer ideia de pro­gres­so. Num tem­po pre­sen­tis­ta, a lei fun­da­men­tal é a da ace­le­ra­ção (e daí o fas­cí­nio do nos­so tem­po pe­lo fim e pe­la ca­tás­tro­fe). A política que ho­je vi­go­ra ex­clu­si­va­men­te é pre­sen­tis­ta, vi­ve na ló­gi­ca da re­ac­ção e re­me­teu pa­ra o do­mí­nio da efa­bu­la­ção en­can­ta­tó­ria to­do o dis­cur­so que abre pa­ra o fu­tu­ro. A política não tem tem­po e tu­do aqui­lo que pre­ci­sa de tem­po en­con­tra ho­je imen­sas di­fi­cul­da­des pa­ra sub­sis­tir. Tu­do cons­pi­ra pa­ra que não se­jam ad­mi­ti­das as dis­cor­dân­ci­as dos tem­pos. Tor­nan­do-se pre­sen­tis­ta, a política ne­ga-se en­quan­to tal e tor­na-se ges­ti­o­ná­ria. É ver­da­de que es­se pro­ble­ma não co­me­çou ho­je: o pre­sen­tis­mo é o cul­mi­nar do pro­ces­so da mo­der­ni­da­de, que impôs um no­vo rit­mo tem­po­ral que já não é o da ma­tu­ra­ção len­ta e or­gâ­ni­ca pró­prio de ou­tras épo­cas. O pre­sen­tis­mo é in­com­pa­tí­vel com tu­do o que pre­ci­sa de tem­po: a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, as ar­tes, a li­te­ra­tu­ra. Há ma­ni­fes­ta­ções evi­den­tes de mal-es­tar em to­dos es­tes cam­pos por cau­sa do im­pe­ra­ti­vo da ace­le­ra­ção do tem­po. O rit­mo de pu­bli­ca­ção de um es­cri­tor, ac­tu­al­men­te, não é — sal­vo al­gu­mas ex­cep­ções - com­pa­rá­vel ao que era até há pou­co mais de meio sé­cu­lo. O pu­blish or pe­rish que se tor­nou uma pa­la­vra de or­dem nas uni­ver­si­da­des es­tá ho­je ins­ta­la­do na edi­ção li­te­rá­ria: os es­cri­to­res de­sa­pa­re­cem do horizonte se não dão pro­vas pu­bli­ca­men­te e com frequên­cia de que es­tão ac­ti­vos en­quan­to es­cri­to­res, de que es­tão pre­sen­tes. E es­tar pre­sen­te tor­nou-se qua­se sem­pre res­pon­der ao ape­lo do pre­sen­tis­mo. Se Proust es­ti­ves­se sub­me­ti­do à lei do pre­sen­tis­mo nun­ca te­ria es­cri­to a Re­ceher­che. Nem Joy­ce te­ria es­cri­to o Ulis­ses. Os gran­des edi­fí­ci­os da li­te­ra­tu­ra mo­der­na pa­re­ce que fo­ram pro­jec­ta­dos não pa­ra o pre­sen­te mas pa­ra o fu­tu­ro. Por is­so, são mui­tas ve­zes obras ina­ca­ba­das, re­cla­man­do mais tem­po e me­nos his­tó­ria. Uma das mais ra­di­cais reacções ao pre­sen­tis­mo, en­con­tra­mo-la em to­da a obra de Pa­so­li­ni. Re­cor­de­mos La Ri­cot­ta (1963), on­de a per­so­na­gem de Or­son Wel­les, no pa­pel de re­a­li­za­dor de cinema se iden­ti­fi­ca com o pró­prio Pa­so­li­ni. Sen­ta­do na ca­dei­ra de re­a­li­za­dor, Or­son Wel­les res­pon­de às per­gun­tas um pou­co idi­o­tas de um jor­na­lis­ta: “O que quer ex­pri­mir com es­ta sua no­va obra?”. Res­pos­ta: O meu pro­fun­do, ar­cai­co, ca­to­li­cis­mo”. “O que pen­sa da so­ci­e­da­de ita­li­a­na?”. Res­pos­ta: “O po­vo mais anal­fa­be­to, a bur­gue­sia mais ig­no­ran­te da Eu­ro­pa”. Co­mo sa­be­mos, Pa­so­li­ni sem­pre ten­tou tra­du­zir em ter­mos aces­sí­veis às mas­sas a tra­di­ção cul­tu­ral, com uma operação pe­da­gó­gi­ca em gran­de es­ti­lo. E no fi­nal da en­tre­vis­ta o re­a­li­za­dor in­ter­pre­ta­do por Or­son Wel­les faz uma ver­da­dei­ra de­cla­ra­ção poé­ti­ca que é na re­a­li­da­de a ci­ta­ção de um po­e­ma de Pa­so­li­ni. Co­me­ça as­sim: “Io so­no una for­za del pas­sa­to, /So­lo nel­la tra­di­zi­o­ne è il mio amo­re”. Pa­so­li­ni foi um re­vo­lu­ci­o­ná­rio com os olhos e o co­ra­ção pos­tos no pas­sa­do. De­ter as im­po­si­ções do pre­sen­te, não se sub­me­ter à sua di­ta­du­ra, foi uma mis­são sal­ví­fi­ca que pros­se­guiu de ma­nei­ra ra­di­cal, com um de­ses­pe­ro he­rói­co. Ele ti­nha com­pre­en­di­do, com a sua sen­si­bi­li­da­de exas­pe­ra­da ao tem­po em que es­ta­va a vi­ver, que era pre­ci­so afir­mar a dis­cor­dân­cia dos tem­pos e não ser ab­so­lu­ta­men­te mo­der­no. A for­ça do pas­sa­do que ele reivindica é, con­tra to­das as con­vic­ções comuns, uma for­ça re­vo­lu­ci­o­ná­ria, uma ar­ma con­tra aqui­lo a que ho­je cha­ma­ría­mos o pre­sen­tis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.