Um dra­ma­lhão cheio de hu­ma­ni­da­de

Publico - Ipsilon - - Sumário -

No no­vo dis­co Be the Cow­boy, a aná­li­se exis­ten­ci­a­lis­ta de Mits­ki mos­tra-se ain­da mais lú­ci­da, mor­daz e de­mo­li­do­ra, em can­ções triun­fan­te­men­te pop. Ma­ri­a­na Du­ar­te

Be the Cow­boy

Mits­ki

Edi­to­ra: De­ad Oce­ans/ dist. Pops­tock Há um mis­to de alí­vio e hor­ror quan­do re­co­nhe­ce­mos um pe­da­ço da nos­sa ado­les­cên­cia nu­ma can­ção. Mui­to boa gen­te pas­sou por is­so quan­do viu Mits­ki no ví­deo de Your Best Ame­ri­can Girl a dar lin­gua­dos à pró­pria mão e a lam­ber ar­den­te­men­te os pró­pri­os de­dos de­pois de ter si­do re­jei­ta­da por um cu­te whi­te boy — os pa­râ­me­tros de iden­ti­da­de de gé­ne­ro, es­té­ti­ca, et­nia e ori­en­ta­ção se­xu­al po­dem ser li­vre­men­te adap­ta­dos con­so­an­te as ex­pe­ri­ên­ci­as e os fi­as­cos ro­mân­ti­co-se­xu­ais de ca­da um/a, mas no ca­so de Mits­ki, uma miú­da ni­po-ame­ri­ca­na que pas­sou anos a vi­ver entre os Es­ta­dos Uni­dos e uma de­ze­na de paí­ses di­fe­ren­tes, o cu­te whi­te Ame­ri­can boy não é só uma his­tó­ria de amor que nem che­gou a co­me­çar, é tam­bém a his­tó­ria se­cu­lar de um país que tem pro­ble­mas es­tru­tu­rais em li­dar com iden­ti­da­des e mo­dos de vi­da fo­ra da epis­te­me bran­ca (“Your mother wouldn’t ap­pro­ve of how my mother rai­sed me/ But I do, I think I do/ And you’re an allA­me­ri­can boy/ I guess I couldn’t help trying to be your best Ame­ri­can girl”).

Foi pre­ci­sa­men­te com Your Best Ame­ri­can Girl e o res­pec­ti­vo dis­co, Pu­berty 2 (2016), que Mits­ki Miyawa­ki en­trou na pri­mei­ra li­ga do in­die rock ame­ri­ca­no, lu­gar as­se­gu­ra­do no no­vo e quin­to ál­bum, Be the Cow­boy. O ca­os emo­ci­o­nal que é o ser hu­ma­no con­ti­nua a ser a ma­té­ria de elei­ção, mas ago­ra em ver­são am­pli­a­da e HD. As can­ções de Mits­ki nun­ca so­a­ram tão lus­tro­sas, tão triun­fan­te­men­te pop (mas sem a ma­nia das gran­de­zas; aqui não se pro­cu­ram ca­tar­ses). A sua aná­li­se exis­ten­ci­a­lis­ta so­bre a so­li­dão e a au­to-es­ti­ma, so­bre a com­ple­xi­da­de das re­la­ções e cor­res­pon­den­tes di­nâ­mi­cas de po­der, nun­ca se re­ve­lou tão lú­ci­da, tão mor­daz, in­do mui­to além de um acer­to de con­tas com a ado­les­cên­cia.

Em Why Didn’t You Stop Me, pop-rock es­qui­zo­fré­ni­co e his­trió­ni­co mas es­tra­nha­men­te con­vin­cen­te, há a ve­lha his­tó­ria do “aca­bei con­ti­go mas qu­e­ro a tua aten­ção na mes­ma”. O amor po­de su­bli­mar a es­tu­pi­dez hu­ma­na, po­de ser al­ta­men­te ma­ni­pu­la­dor, ab­sur­do, mes­qui­nho, mas tam­bém é mais ou me­nos es­sen­ci­al pa­ra a so­bre­vi­vên­cia da es­pé­cie — por is­so lá se con­ti­nua na pro­cu­ra ine­vi­tá­vel de com­pa­nhia, mes­mo quan­do tu­do é in­se­gu­ran­ça e an­si­e­da­de, lem­bra Co­me In­to The Wa­ter, ma­ra­vi­lho­sa ba­la­da gé­li­da de sad­co­re a pu­xar uma mis­tu­ra entre Cat Power, La­na Del Rey e Lu­cin­da Wil­li­ams (“So would you tell me if you want me?/ ‘Cau­se I can’t mo­ve un­til you show me”). Por is­so é tão di­fí­cil lar­gar um re­la­ci­o­na­men­to, aquele lu­gar que já se tor­nou tão ha­bi­tu­al e às ve­zes tão en­fa­do­nho e tó­xi­co, diz­nos A Pe­arl, can­ção qua­se per­fei­ta de in­die rock vi­o­lá­ceo, com ten­são e ur­gên­cia no ba­lan­ço cer­to (“But it’s just that I fell in lo­ve with a war/ And no­body told me it en­ded”).

Mits­ki tem uma ca­pa­ci­da­de de­mo­li­do­ra pa­ra sin­te­ti­zar o de­sam­pa­ro e a so­li­dão em ti­ra­das tra­gi­có­mi­cas. “My God, I’m so lo­nely/ So I open the win­dow/ To he­ar sounds of pe­o­ple”, en­tra ela a matar em No­body, bál­sa­mo dis­co­sound pa­ra der­ra­mar de­pres­sões na pis­ta de dan­ça. Há mui­to dra­ma, mui­ta pro­sa emo me­mo­rá­vel: “‘ Cau­se no­body but­ters me up li­ke you/ And no­body fucks me li­ke me”, ou­ve-se em Lo­ne­so­me Lo­ve ( la­me­chi­ce, mas la­me­chi­ce em­po­de­ra­da), ta­lis­mã de mem­bra­na coun­try com a voz au­rí­fe­ra de Mits­ki a ele­var ca­da ver­so.

Is­to po­dia ser ela a con­tar-nos a vi­da, a en­tor­nar-se em ca­da can­ção. Só que não. Em Be the Cow­boy, a can­tau­to­ra e gui­tar­ris­ta quis ex­plo­rar a nar­ra­ti­va e a fic­ção. As 14 mú­si­cas fun­ci­o­nam co­mo vi­nhe­tas, ca­da uma com Mits­ki em ro­le-playing (a pró­pria con­cep­tu­a­li­za­ção vi­su­al do dis­co vai nes­se sen­ti­do). Se é ób­vio que há sem­pre qual­quer coi­sa de­la nes­tas per­so­na­gens — Re­mem­ber My Na­me pa­re­ce ser uma re­fle­xão hi­per­bó­li­ca e per­for­ma­ti­va so­bre o bu­ra­co ne­gro da fa­ma — , tam­bém é cer­to que is­to não é um diá­rio. Mits­ki não quer ser ape­nas um ob­jec­to de pro­jec­ção da mi­sé­ria alheia. Não quer que cho­rem no om­bro de­la. Quer fa­zer-nos olhar pa­ra den­tro, quer que nos re­co­nhe­ça­mos. Quer que cui­de­mos de nós, dos ou­tros. Na­da em Be the Cow­boy é tão pes­so­al e tão di­rec­ta­men­te

O ca­os emo­ci­o­nal que é o ser hu­ma­no con­ti­nua a ser a ma­té­ria de elei­ção pa­ra Mits­ki

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.