Nun­ca as can­ções de An­na Cal­vi ti­nham so­a­do tan­to à sua vi­da

Hun­ter,

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ahis­tó­ria não é no­va, já foi con­ta­da mais do que um par de ve­zes, mas ga­nha to­da uma no­va luz ago­ra que An­na Cal­vi che­ga ao seu ter­cei­ro ál­bum — Hun­ter. Ten­do co­me­ça­do por es­tu­dar vi­o­li­no e in­ves­ti­do nu­ma for­ma­ção clás­si­ca, vi­ran­do-se de­pois pa­ra as possibilidades da gui­tar­ra — que lhe per­mi­ti­am in­ven­tar o seu re­por­tó­rio em vez de se tor­nar uma in­tér­pre­te da mú­si­ca so­nha­da por ou­tros —, An­na Cal­vi só já de­pois dos 23 anos de­ci­diu que que­ria edu­car a voz e usá-la pa­ra trans­por­tar pa­la­vras, jun­tan­do mais uma ca­ma­da de ex­pres­são num de­se­jo cres­cen­te de que a sua mú­si­ca re­pre­sen­tas­se idei­as e não ape­nas su­ces­sões bem ar­qui­tec­ta­das de no­tas. Sa­bia que ti­nha mui­to pa­ra di­zer e não que­ria per­der-se em am­bi­gui­da­des. “Co­mo sou mui­to ob­ses­si­va”, re­cor­da ao Íp­si­lon, “fi­quei ob­ce­ca­da com a ideia de co­mo de­via ser li­ber­ta­dor uma pes­soa abrir os pul­mões, sol­tar a voz e emi­tir um som que não tem fim, cheio de al­ma e po­de­ro­so. E sen­ti que não po­dia pa­rar até que con­se­guis­se fa­zê-lo. Nem sa­bia se se­ria ca­paz, mas nun­ca me pas­sou pela ca­be­ça de­sis­tir.”

Quan­do se fa­la em edu­car a voz, a es­co­lha do ver­bo re­me­te pa­ra o tra­ba­lho exaus­ti­vo que a in­gle­sa le­vou a ca­bo a par­tir do mo­men­to em que de­ci­diu que que­ria can­tar as su­as com­po­si­ções. A ideia não era so­ar sim­ples­men­te afi­na­da ou de­mons­trar ca­pa­ci­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra in­ter­pre­tar um par de stan­dards blu­es-jazz sem se es­pa­lhar ver­go­nho­sa­men­te e fa­zer uma fi­gu­ra ri­dí­cu­la. Nes­se pe­río­do em que pas­sa­va ho­ras a co­nhe­cer, ex­plo­rar e for­çar o seu apa­re­lho vo­cal ti­nha por mo­de­los Édith Pi­af e Ni­na Si­mo­ne. Coi­sa pou­ca, por­tan­to. Daí que quan­do, por fim, atin­giu o ní­vel mí­ni­mo que ti­nha de­fi­ni­do pa­ra si mes­ma e ar­ris­cou mos­trar em pú­bli­co as su­as cri­a­ções, as su­as can­ções cru­as, de pa­ren­tes­co fá­cil de es­ta­be­le­cer com a PJ Har­vey de Dry e Rid of Me, a voz es­cu­ta­da por ci­ma da as­pe­re­za da gui­tar­ra to­ma­va ca­mi­nhos de qua­li­da­de ope­rá­ti­ca que acres­cen­ta­vam um mis­té­rio e um en­can­to pou­co vul­ga­res no li­vro de es­ti­lo pop-rock.

E se foi es­ta his­tó­ria a ren­der-lhe elo­gi­os des­me­su­ra­dos — co­mo aque­le que sal­tou da bo­ca de Bri­an Eno: “É a me­lhor coi­sa a apa­re­cer de­pois de Pat­ti Smith” — e a fa­zer do ál­bum ho­mó­ni­mo de 2011 uma das es­trei­as de can­to­res-com­po­si­to­res mais me­mo­rá­veis des­de Gra­ce, de Jeff Buc­kley — com es­te par­ti­lha­va a tal mes­tria vo­cal ines­pe­ra­da que le­gi­ti­ma­va ci­tar De­bus­sy ou Ra­vel co­mo in­fluên­ci­as sem pro­vo­car um ata­que de ri­so —, aqui­lo que cor­ria por de­bai­xo da ir­re­sis­tí­vel nar­ra­ti­va era a ca­pa­ci­da­de

Após uma au­sên­cia de cin­co anos, a can­to­ra e com­po­si­to­ra in­gle­sa re­gres­sa com ál­bum em que quer pas­sar de pre­sa a ca­ça­do­ra — pa­ra ir atrás de ser quem qui­ser den­tro do seu cor­po. Em Ou­tu­bro, apre­sen­ta-se em Por­to e Lisboa.

Pa­ra che­gar até aqui aca­ba­ria por se re­ve­lar fun­da­men­tal ter­se apai­xo­na­do e se­gui­do a sua na­mo­ra­da pa­ra Fran­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.