Rim­baud: pri­mei­ro po­e­ta de uma ci­vi­li­za­ção ain­da por sur­gir

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Uma edi­ção que não se­rá exa­ge­ro con­si­de­rar his­tó­ri­ca reú­ne to­da a po­e­sia de Rim­baud e as su­as car­tas. Pela pri­mei­ra vez tra­duz-se en­tre nós, de for­ma in­te­gral, a obra do po­e­ta má­xi­mo da mo­der­ni­da­de. Hu­go Pin­to San­tos

Obra Com­ple­ta

Arthur Rim­baud

(Trad. Mi­guel Ser­ras Pe­rei­ra e João Moi­ta e Pref. Fran­cis­co Va­le) Re­ló­gio D’Água “De Rim­baud, da sua obra e seus fei­tos, con­ti­nua a es­tar tu­do di­to, já que to­das as exe­ge­ses são pos­sí­veis e al­gu­mas se­rão, até, de acon­se­lhar.” Dis­se-o Má­rio Ce­sa­riny ( As Mãos na Água a Ca­be­ça no Mar, As­sí­rio & Al­vim, 2015), que foi tra­du­tor e co­nhe­ce­dor ilu­mi­na­do de Rim­baud. Tra­du­tor “mí­ti­co” e, lo­go, “su­pre­mo”, de acor­do com a sua má­xi­ma, rou­ba­da a No­va­lis (que Ce­sa­riny, igual­men­te, ver­teu…). Ci­en­te co­mo pou­cos da “alu­ci­na­ção das pa­la­vras” (p.367) da es­cri­ta rim­bal­di­a­na, da sua “al­qui­mia do ver­bo” (p.367), é pos­sí­vel que Ce­sa­riny con­ti­nue a ser um dos mais pre­cla­ros gui­as pa­ra quem, com to­da a cer­te­za, des­pre­za­ria a ideia de um ci­ce­ro­ne. E al­go que Ce­sa­riny, de res­to, nun­ca quis ser. Por­que, com Rim­baud, nun­ca se es­tá ao la­do da li­te­ra­tu­ra, nem da or­dem, mas do ca­os e da po­e­sia co­mo ex­pres­são má­xi­ma da vi­da. Tu­do co­me­ça por nun­ca se es­tar “ao seu la­do” — mas con­tra, em du­ro em­ba­te. Sem­pre na imi­nên­cia de um gol­pe, pe­ran­te o pe­ri­go cons­tan­te de de­fla­grar um in­cên­dio. Mas nem se­quer se “es­tá”. Tu­do é ou­tra coi­sa — “A ver­da­dei­ra vi­da es­tá au­sen­te. Não es­ta­mos no mun­do” (p.357), es­cre­veu o po­e­ta em Uma Tem­po­ra­da no In­fer­no. Es­ta edi­ção da obra de Rim­baud, que não he­si­ta­ría­mos em cha­mar his­tó­ri­ca, tem um pre­fá­cio, da au­to­ria do edi­tor Fran­cis­co Va­le, in­ti­tu­la­do, pre­ci­sa­men­te, “A Vi­da Es­tá nou­tro La­do”.

Co­mo Va­le su­bli­nha, a obra de Rim­baud não dei­xa­rá de an­te­ci­par o que vi­ria a ser a sua aven­tu­ro­sa e dis­per­si­va vi­da de­pois de aban­do­nar a po­e­sia

Au­to-re­tra­to de Rim­baud em Ha­rar (Etió­pia) em 1883

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.