Ele­var aci­ma do quo­ti­di­a­no

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um diário de vi­a­gem que trans­cen­de os lu­ga­res e as con­si­de­ra­ções so­bre os mes­mos, e se trans­for­ma num exer­cí­cio es­cri­to de des­co­ber­ta pes­so­al. Jo­sé Ri­ço Di­rei­ti­nho

Na Rús­sia com Ril­ke

Lou An­dre­as-Sa­lo­mé

(trad. de Ana Fal­cão Bas­tos) Re­ló­gio D’Água Es­te “diário de vi­a­gem” da ro­man­cis­ta (tam­bém psi­ca­na­lis­ta, fi­ló­so­fa e po­e­ti­sa) Lou An­dre­as-Sa­lo­mé (1861-1937), ini­cia- se em fi­nais de Abril de 1900, em Mos­co­vo, e ter­mi­na, vá­ri­as ci­da­des rus­sas de­pois (com pas­sa­gem por al­guns lu­ga­res fin­lan­de­ses), em Agos­to do mes­mo ano. Loui­se von Sa­lo­mé (no­me ci­vil) nasceu em São Pe­ters­bur­go e vi­veu a in­fân­cia e a ju­ven­tu­de no seio de uma co­mu­ni­da­de de emi­gra­dos ale­mães na Rús­sia (a mãe era de ori­gem ale­mã e di­na­mar­que­sa, e o pai um ge­ne­ral do Es­ta­doMai­or do czar Ale­xan­dre II). Após a mor­te do pai, e de­pois de ter es­tu­da­do te­o­lo­gia, filosofia e li­te­ra­tu­ra com um pas­tor ho­lan­dês (que mui­to a mar­cou in­te­lec­tu­al­men­te), emi­grou com a mãe pa­ra Zu­ri­que (on­de exis­tia a úni­ca uni­ver­si­da­de eu­ro­peia que acei­ta­va mu­lhe­res, e aí se dou­to­rou em Filosofia). Aos 21 anos co­nhe­ceu Ni­etzs­che e um ou­tro fi­ló­so­fo ale­mão, Paul Rée: man­ti­ve­ram du­ran­te al­gum tem­po um tri­ân­gu­lo amo­ro­so. Dez anos de­pois de se ter ca­sa­do com o lin­guis­ta Fri­e­dri­ch Carl An­dre­as (com quem se man­te­ria ca­sa­da du­ran­te mais de qua­ren­ta anos), co­nhe­ceu o po­e­ta e es­cri­tor Rai­ner Ma­ria Ril­ke — es­ta re­la­ção amo­ro­sa du­rou três anos, mas a ami­za­de en­tre am­bos du­rou a vi­da to­da. Da­ta des­sa épo­ca a vi­a­gem à Rús­sia com Ril­ke — que ape­nas uma vez é men­ci­o­na­do no diário, e ape­nas com a ini­ci­al ‘ R’, as res­tan­tes re­fe­rên­ci­as es­con­dem- se por de­trás de um ‘nós’ anó­ni­mo.

Lo­go des­de o início, o que emer­ge des­tas pá­gi­nas não é a des­cri­ção (por ve­zes por­me­no­ri­za­da) das pai­sa­gens, dos lu­ga­res vi­si­ta­dos ou dos ob­jec­tos ex­pos­tos em mu­seus e igre­jas, mas a lei­tu­ra so­ci­al (e não só) que Lou An­dre­as-Sa­lo­mé faz das con­di­ções em que, por exem­plo, al­gu­mas obras de ar­te fo­ram pro­du­zi­das. Há ain­da uma ou­tra sin­gu­la­ri­da­de: a ma­nei­ra co­mo ela se pro­jec­ta — pa­re­cen­do ten­tar qua­se sem­pre des­co­brir- se, e ele­var- se aci­ma do quo­ti­di­a­no — nu­ma di­men­são re­li­gi­o­sa que trans­cen­de os ob­jec­tos des­cri­tos, a cri­a­ção ar­tís­ti­ca, e os pró­pri­os ar­tis­tas. Cons­ci­en­te do ac­to cri­a­ti­vo e da sua na­tu­re­za, An­dre­as-Sa­lo­mé en­tre­ga- se a exer­cí­ci­os de es­cri­ta que pa­re­cem ema­nar de uma von­ta­de cla­ra de ci­men­tar pa­ra si pró­pria uma cer­ta ma­tu­ri­da­de que sen­tia es­tar a che­gar du­ran­te aque­la vi­a­gem (que era tam­bém uma vi­a­gem de re­gres­so a um tem­po vi­vi­do na­que­la Rús­sia, que ha­via anos ti­nha dei­xa­do — por ve­zes, pa­re­ce es­cre­ver co­mo se a ame­dron­tas­se olhar pa­ra trás, pe­lo sen­ti­men­to de per­da que daí ad­vém). “Aqui­lo a que tan­tas ve­zes cha­má­mos o pa­ga­nis­mo da ar­te tal­vez se­ja a re­li­gião an­ti­ga e au­tên­ti­ca que ela en­cer­ra e que só en­con­tra­mos na pi­e­da­de da nos­sa in­fân­cia e no des­lum­bra­men­to da con­tem­pla­ção: na cons­ci­ên­cia de que o ex­te­ri­or e o in­te­ri­or são o mes­mo e de que to­da a fé as­sen­ta nes­sa uni­da­de.” Des­ta ma­nei­ra, as su­as pre­o­cu­pa­ções so­bre cren­ça, re­li­gião, Deus, ar­te, pre­con­cei­tos so­ci­ais, ple­ni­tu­de de vi­da e mo­ral, acom­pa­nham to­das as pá­gi­nas des­te diário.

Du­ran­te es­ta vi­a­gem com Ril­ke, e lo­go no início, em Maio, am­bos vi­si­ta­ram Tols­toi, “um pe­que­no cam­po­nês en­fei­ti­ça­do, um ser mágico”, que lhes pro­vo­cou “uma im­pres­são tão es­tra­nha e es­pi­ri­tu­al, tão im­pres­si­o­nan­te e co­mo­ve­do­ra, co­mo se se tra­tas­se de al­guém que já não per­ten­cia a es­te mun­do”. Es­ta vi­si­ta a Tols­toi, e o pas­seio que de­ram com ele, trou­xe a An­dre­as-Sa­lo­mé re­cor­da­ções da sua in­fân­cia, e com is­so a des­co­ber­ta do mo­ti­vo da me­lan­co­lia que sem­pre a as­sal­ta­va ao par­tir pa­ra o cam­po. São es­tas bre­ves no­tas que por ve­zes dão ao tex­to — ou a al­gu­mas pá­gi­nas – uma es­pé­cie de ja­ne­la pa­ra uma “in­ti­mi­da­de” que, na mai­o­ria das ve­zes, es­tá dis­far­ça­da com a cor­ti­na de um pen­sa­men­to fi­lo­só­fi­co mais pro­fun­do, so­bre­tu­do na úl­ti­ma par­te do li­vro, mas que não dei­xam de ser di­va­ga­ções que têm a au­to­ra sem­pre co­mo ob­jec­to prin­ci­pal.

São vá­ri­as as di­a­tri­bes que

Lou An­dre­as-Sa­lo­mé faz à igre­ja rus­sa, nun­ca pou­pan­do nas pa­la­vras pa­ra a des­cre­ver. Mais do que os ri­tu­ais cum­pri­dos pe­lo po­vo, a cren­ça ce­ga e a sub­mis­são dos po­bres, de­sa­gra­da-lhe a di­men­são for­te­men­te po­lí­ti­ca e cons­ci­en­te dos ho­mens da igre­ja. “Quan­do se vê a for­ma co­mo es­te po­vo pro­cu­ra con­so­lo e cu­ra pa­ra os seus ma­les nas pi­as de água ben­ta su­jas e nos san­tos bei­ja­dos até mais não, com­pre­en­de- se de re­pen­te que to­da es­ta en­ti­da­de es­pi­ri­tu­al não é ape­nas um sím­bo­lo que so­bre­vi­ve, man­ten­do vi­vo pa­ra a gen­te hu­mil­de o sen­ti­do do trans­cen­den­te na vi­da quo­ti­di­a­na, mas, aci­ma de tu­do, uma instituição vi­va, di­ri­gi­da por ho­mens, or­ga­ni­za­da e man­ti­da com ob­jec­ti­vos hu­ma­nos, po­lí­ti­cos e de po­der, que des­via uma quan­ti­da­de de re­cur­sos fi­nan­cei­ros e es­pi­ri­tu­ais de fon­tes nu­tri­ti­vas mais vá­li­das. Pri­var dis­to o po­vo tal­vez se­ja ar­ris­ca­do, mas man­ter es­te es­ta­do de coi­sas po­de ser ain­da mais pe­ri­go­so.”

A ver­ten­te po­lí­ti­ca do po­vo rus­so, na­que­les anos, e os mo­vi­men­tos que pa­re­cem tor­nar já ine­vi­tá­vel a mu­dan­ça que se vi­ria a dar com a re­vo­lu­ção bol­che­vi­que de 1917, não pas­sa des­per­ce­bi­da a An­dre­as-Sa­lo­mé, pois são múl­ti­plas as re­fe­rên­ci­as que lhe faz, co­mo nes­te apa­ren­te pa­ra­do­xo: “Os rus­sos são fun­da­men­tal­men­te mais in­di­vi­du­a­lis­tas e, pre­ci­sa­men­te de­vi­do a is­so, têm uma men­ta­li­da­de mais co­mu­nis­ta: sen­tem- se fra­ter­nal­men­te iguais, por­que ca­da um tem pa­ra si um va­lor igual (…).” da Uni­ver­si­da­de No­va de Lisboa (e que, su­bli­nhe- se, ac­tu­a­li­zou pa­ra a pre­sen­te edi­ção, in­cor­po­ran­do, por exem­plo, o ca­tá­lo­go da ex­po­si­ção so­bre Al­ma­da Ne­grei­ros, de 2017). Por ou­tro la­do, e mais de­ci­si­va­men­te, por­que es­te li­vro, ao con­trá­rio do que o sub­tí­tu­lo po­de su­ge­rir (“Um pin­tor na Gran­de Guer­ra”), vai mui­to pa­ra lá das trin­chei­ras da Flan­dres, acom­pa­nhan­do a tra­jec­tó­ria ar­tís­ti­ca de Sou­sa Lopes até à sua mor­te, um pe­río­do on­de avul­tam tra­ba­lhos que na­da têm a ver com a “pin­tu­ra de guer­ra” (v.g., os pai­néis no Pa­lá­cio de São Ben­to), ain­da que ne­les eco­em o som e a fú­ria das te­las de gran­de for­ma­to que ho­je se en­con­tram no Mu­seu Mi­li­tar, em Lisboa, em re­sul­ta­do de uma ac­ção con­cer­ta­da e pro­fí­cua — mas po­lé­mi­ca — do pin­tor com o ar­qui­tec­to Jo­sé Luiz Mon­tei­ro. Me­re­cem re­al­ce, a es­te pro­pó­si­to, os óle­os A Ren­di­ção

(c. 1919-1920) e Re­mu­ni­ci­a­men­to da Ar­ti­lha­ria, de 1932.

Com­pre­en­de- se, pois, que a Gran­de Guer­ra cons­ti­tua o leit­mo­tiv des­te li­vro, que sur­ge na sequên­cia de vá­ri­os tra­ba­lhos de Car­los Sil­vei­ra so­bre Sou­sa

Lopes (a quem de­di­ca­ra já a sua dis­ser­ta­ção de li­cen­ci­a­tu­ra, em 1999) e, nu­ma pers­pec­ti­va mais la­ta, so­bre as artes de 1914-1918 e so­bre o fo­tó­gra­fo Ar­nal­do Gar­cez. Daí que, ao con­trá­rio do que se pos­sa su­por, es­te li­vro se­ja mui­to mais do que um sim­ples en­saio mo­no­grá­fi­co so­bre Sou­sa Lopes — o que, em si mes­mo, já re­pre­sen­ta­ria um tra­ba­lho de gran­de va­lia. Não se li­mi­tan­do a is­so, um dos gran­des mé­ri­tos des­ta obra re­si­de, por um la­do, no en­qua­dra­men­to da ac­ti­vi­da­de do pin­tor na cul­tu­ra vi­su­al da Pri­mei­ra Guer­ra e, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, no mo­vi­men­to pro­pa­gan­dís­ti­co, le­va­do a ca­bo em vá­ri­os lu­ga­res ( Rei­no Uni­do, Ca­na­dá, Es­ta­dos Uni­dos, Bél­gi­ca), ten­den­te à ins­tau­ra­ção de uma “ar­te ofi­ci­al” do conf li­to mun­di­al; por ou­tro la­do, es­ta é uma in­ves­ti­ga­ção de gran­de im­por­tân­cia pa­ra a com­pre­en­são do me­mo­ri­a­lis­mo de guer­ra e pa­ra as po­lí­ti­cas ofi­ci­ais ge­ra­das em seu re­dor, tó­pi­co so­bre o qual Jay Win­ter se de­bru­çou no inf lu­en­te Si­tes of Mour­ning. Si­tes of Me­mory. The Gre­at War in Eu­ro­pe­an Cul­tu­ral His­tory, de 1995, se­gui­do de per­to en­tre nós por Síl­via Cor­reia ( En­tre a Mor­te e Mi­to. Po­lí­ti­cas da me­mó­ria da I Guer­ra Mun­di­al, 2015). Car­los Sil­vei­ra mos­tra- se ple­na­men­te fa­mi­li­a­ri­za­do com es­tes con­tri­bu­tos his­to­ri­o­grá­fi­cos e o seu li­vro as­sen­ta em só­li­da, vas­ta e per­ti­nen­te bi­bli­o­gra­fia, na qual se no­tam es­cas­sas la­cu­nas, das quais as mais relevantes são os vá­ri­os es­cri­tos de João Me­di­na so­bre o pe­río­do

Ril­ke é ape­nas uma vez men­ci­o­na­do di­rec­ta­men­te no diário de vi­a­gem de Lou An­dre­as-Sa­lo­mé

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.