As es­pi­as aci­den­tais

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Uma ten­ta­ti­va de co­mé­dia de es­pi­o­na­gem sin­gu­lar­men­te de­sen­gra­ça­da. Jor­ge Mou­ri­nha

O Es­pião que Me Tra­mou

The Spy who Dum­ped Me de Su­san­na Fo­gel, com Mi­la Ku­nis, Ka­te McKin­non, Jus­tin The­roux A his­tó­ria do es­pião – ou da es­pia – aci­den­tal é uma nar­ra­ti­va clás­si­ca da co­mé­dia ame­ri­ca­na, so­bre­tu­do quan­do cru­za­da com a ideia de um ro­man­ce cos­mo­po­li­ta – O Es­pião que Me Tra­mou ins­cre­ve-se nes­sa li­nha­gem ao co­lo­car Mi­la Ku­nis, pa­ca­ta cai­xa de mer­ce­a­ria de Los An­ge­les, num im­bró­glio in­ter­na­ci­o­nal à con­ta do na­mo­ra­do que en­tre­tan­to lhe deu tam­pa e afi­nal era da CIA.

Co­mo es­ta­mos no sé­cu­lo XXI e o fil­me é co- es­cri­to e re­a­li­za­do por uma mu­lher, Su­san­na Fo­gel, a coi­sa as­su­me uma di­men­são girl-power, com Ku­nis e a sua me­lhor ami­ga, Ka­te McKin­non, a de­ci­di­rem pro­var que não se­nho­ra, não são ne­nhu­mas pa­tós de Los An­ge­les e con­se­guem aguen­tar­se à bron­ca com ope­ra­ci­o­nais de Pa­ris, Pra­ga, Ber­lim e Vi­e­na. Is­to pa­ra já não fa­lar da gran­de vi­lã do fil­me (uma Na­dia Co­ma­ne­ci psi­có­ti­ca que os maus da fi­ta sol­tam atrás de­las) e de uma ir­re­co­nhe­cí­vel Gil­li­an An­der­son, a Scully dos Fi­chei­ros Secretos, no pa­pel da che­fa do MI6, que uma das mo­çoi­las de­fi­ne co­mo “Ju­di Den­ch da vi­da re­al”.

Por­tan­to, O Es­pião que Me Tra­mou tem a ca­be­ça no sí­tio cer­to – mas é só. O se­gre­do de uma boa co­mé­dia, sa­be­mo-lo to­dos, é o ti­ming, o rit­mo, a le­ve­za e a na­tu­ra­li­da­de com que tu­do é ar­ti­cu­la­do, mas a es­té­ti­ca da “co­mé­dia do des­con­for­to” que se tor­nou na de­fi­ni­ção de ori­gem de mui­ta da pro­du­ção ame­ri­ca­na ac­tu­al apos­ta em es­ti­car os ga­gues até à fron­tei­ra da de­sin­te­gra­ção. Quan­do re­sul­ta, é bom, mas aqui não re­sul­ta: Fo­gel tem mais sen­ti­do de rit­mo pa­ra as ce­nas de ac­ção do que pa­ra a co­mé­dia, não é ca­paz de pôr ré­de­as a uma McKin­non em ro­da li­vre nem de mar­car a di­fe­ren­ça nu­ma fór­mu­la que já es­tá por de­mais gas­ta. Pa­ra um fil­me que até não tem uma má pre­mis­sa, O Es­pião que Me Tra­mou é sin­gu­lar­men­te de­sen­gra­ça­do e, cri­me su­pre­mo no que é su­pos­to ser uma co­mé­dia, cha­to até à quin­ta ca­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.