O tro­glo­di­ta e o lo­bo bom

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Uma sin­gu­lar ten­ta­ti­va de aven­tu­ra pré-his­tó­ri­ca, am­bi­ci­o­sa e fa­lha­da. Jor­ge Mou­ri­nha

Alpha

Alpha de Al­bert Hughes, com Ko­di Smit-McPhee, Jóhan­nes Hau­kur Jóhan­nes­son Cu­ri­o­so co­mo se an­da a fa­lar tan­to da fal­ta de re­pre­sen­ta­ção das mi­no­ri­as em Hollywo­od mas nin­guém pa­re­ce ter re­pa­ra­do que es­te es­tra­nhís­si­mo can­di­da­to a block­bus­ter é as­si­na­do por um ci­ne­as­ta ne­gro, Al­bert Hughes, em tem­po de pri­mei­ra sur­ti­da a so­lo de­pois de meia-dú­zia de fil­mes a mei­as com o ir­mão Al­len ( A Ver­da­dei­ra His­tó­ria de Jack o Es­tri­pa­dor ou O Li­vro de Eli). Num mun­do ide­al, é cer­to, não se­ria ra­zão de es­pan­to, mas aju­da a per­ce­ber a sin­gu­la­ri­da­de des­te ob­jec­to am­bi­ci­o­so mas fa­lha­do, pas­sa­do nu­ma Europa pré- his­tó­ri­ca e fa­la­do nu­ma lin­gua­gem tro­glo­di­ta in­ven­ta­da.

Alpha con­ta a pri­mei­ra ca­ça­da do fi­lho de um che­fe tri­bal e a sua vi­a­gem de re­tor­no de­pois de ter si­do da­do por mor­to, du­ran­te a qual se tra­va de ami­za­de com um lo­bo sel­va­gem. Es­ta­mos al­gu­res en­tre a pro­cu­ra de re­a­lis­mo da Guer­ra do Fo­go de Je­an-Jac­ques An­naud e as aven­tu­ras clás­si­cas da Dis­ney, com o me­ni­no que se des­co­bre ho­mem e apren­de a na­ve­gar uma na­tu­re­za hos­til, mas é um equi­lí­brio que Hughes não con­se­gue nun­ca atin­gir, ape­sar do evi­den­te cui­da­do e res­pei­to co­lo­ca­do na pro­du­ção (o ge­né­ri­co fi­nal in­di­ca con­sul­to­res de pa­le­on­to­lo­gia, lin­gua­gem e his­tó­ria). A pri­mei­ra meia ho­ra, com a par­ti­da pa­ra a ca­ça­da, é ge­nui­na­men­te ins­pi­ra­da – mas a par­tir do mo­men­to em que Ke­da fi­ca so­zi­nho, Alpha co­me­ça a es­va­zi­ar-se.

Ko­di Smit-McPhee (o fi­lho de Vig­go Mor­ten­sen em A Es­tra­da) não con­se­gue nun­ca dar es­pes­su­ra ao miú­do, a sua pre­sen­ça é de­ma­si­a­do trans­pa­ren­te pa­ra sus­ten­tar a his­tó­ria; não é aju­da­do por um ar­co nar­ra­ti­vo per­fei­ta­men­te pre­vi­sí­vel, nem pela ban­da­so­no­ra de Mi­cha­el Ste­arns, de um con­ven­ci­o­na­lis­mo ar­re­pi­an­te. Fi­ca­mos ape­nas com o cui­da­do tra­ba­lho de fo­to­gra­fia de Mar­tin Gs­ch­la­cht e com a es­pec­ta­cu­la­ri­da­de da en­ce­na­ção de Hughes, e um fil­me que é vi­su­al­men­te des­lum­bran­te mas de uma be­le­za pu­ra­men­te vis­to­sa, es­té­ril, co­mo se es­ti­ves­se cons­ci­en­te de não ter mais na­da pa­ra ofe­re­cer. É pe­na, por­que há qual­quer coi­sa de ge­nui­na­men­te

Es­ti­car os ga­gues até à fron­tei­ra da de­sin­te­gra­ção – em O Es­pião que Me Tra­mou não re­sul­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.