To­do o ci­ne­ma é po­lí­ti­co, to­da a po­lí­ti­ca é ci­ne­ma

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Spi­ke Lee con­ta uma his­tó­ria ve­rí­di­ca de há 40 anos que tem tu­do a ver com os nos­sos di­as, mas fá-lo in­vo­can­do com um vir­tu­o­sis­mo de­ses­pe­ra­do to­do um sé­cu­lo de ci­ne­ma ame­ri­ca­no. Por Jor­ge Mou­ri­nha

Mal-

Mo’ Bet­ter Blu­es/Quan­to Mais Me­lhor

Jun­gle Fe­ver/A Fe­bre

Mal­colm

He Got Ga­me, In­si­de Man/In­fil-

Ahis­tó­ria do ci­ne­ma faz-se dis­to: es­co­lher um fil­me pa­ra abrir ou­tro fil­me, re­co­nhe­cer um fil­me co­mo re­fe­rên­cia de ou­tro fil­me, vi­rar tu­do do aves­so pa­ra re­es­cre­ver a his­tó­ria, mos­trar que to­do o ci­ne­ma é po­lí­ti­co e to­da a po­lí­ti­ca é ci­ne­ma. BlacKkK­lans­man — o In­fil­tra­do é Spi­ke Lee a dis­far­çar-se de ci­ne­as­ta clás­si­co pa­ra me­lhor cum­prir o seu des­ti­no de agen­te in­fil­tra­do: é uma his­tó­ria ve­rí­di­ca da Amé­ri­ca dos anos 1970 que po­dia ser trans­fe­ri­da pa­ra a Amé­ri­ca dos anos 2010, con­ta­da com a eco­no­mia de um po­li­ci­al­sé­rie-B dos anos 1970 (tal co­mo fei­to por gen­te co­mo Don Si­e­gel) em cru­za­men­to com os gran­des mo­men­tos da blax­ploi­ta­ti­on. BlacKkK­lans­man é Lee a ex­pli­car que abor­dar te­mas “quen­tes” co­mo o ra­cis­mo sob a ló­gi­ca do ci­ne­ma de gé­ne­ro po­de tam­bém in­tro­du­zir uma di­men­são de ur­gên­cia ac­ti­vis­ta, po­lí­ti­ca, pe­da­gó­gi­ca. BlacKkK­lans­man é um fil­me que re­me­te pa­ra os anos de ou­ro da no­va Hollywo­od, de um Scor­se­se que fil­ma­va No­va Ior­que co­mo nin­guém mas tam­bém de um Ra­fel­son ou de um Ashby ou de um Bog­da­no­vi­ch que da­vam vida a tu­do o que não era a cidade.

E é uma his­tó­ria ve­rí­di­ca: ba­sei­a­se nas me­mó­ri­as de Ron

Stallworth, um po­lí­cia ne­gro de Co­lo­ra­do Springs que con­se­guiu, atra­vés de vá­ri­os con­tac­tos te­le­fó­ni­cos, ins­cre­ver-se na fi­li­al lo­cal da or­ga­ni­za­ção su­pre­ma­cis­ta bran­ca Ku Klux Klan, aca­ban­do por che­gar a con­tac­tar o “che­fe de fi­la” Da­vid Du­ke e des­co­brir uma cons­pi­ra­ção con­tra ac­ti­vis­tas ne­gros. O tru­que con­sis­tia em ser Stallworth a man­ter to­dos os con­tac­tos te­le­fó­ni­cos e en­vi­ar um agen­te cau­ca­si­a­no, Flip Zim­mer­mann, aos en­con­tros em pes­soa — um “des­do­bra­men­to” de per­so­na­li­da­de que Lee pin­ta ao mes­mo tem­po co­mo co­mé­dia de en­ga­nos e tragédia exis­ten­ci­al (por­que Zim­mer­mann é um ju­deu não pra­ti­can­te que a sua mis­são aca­ba por “acor­dar” pa­ra as com­ple­xi­da­des da xe­no­fo­bia). BlacKkK­lans­man é por is­so uma his­tó­ria pa­ra os nos­sos di­as em que a xe­no­fo­bia ga­nha ter­re­no mun­di­al­men­te, e so­bre­tu­do pa­ra uma Amé­ri­ca on­de a pre­si­dên­cia Trump trou­xe ao de ci­ma um ra­cis­mo que só apa­ren­te­men­te ti­nha de­sa­pa­re­ci­do.

E di­ze­mos apa­ren­te­men­te por­que o ras­go de gé­nio de Lee é o de ir bus­car pre­ci­sa­men­te a ima­gem que a Amé­ri­ca tan­to gos­ta de dar de si — a do ci­ne­ma, a do ci­ne­ma clás­si­co — pa­ra mos­trar co­mo o ra­cis­mo sem­pre es­te­ve presente. BlacKkK­lans­man abre com o cé­le­bre pla­no de grua dos sol­da­dos fe­ri­dos de Atlan­ta de E Tu­do o Ven­to Le­vou que aca­ba na ban­dei­ra es­far­ra­pa­da dos es­ta­dos da Con­fe­de­ra­ção su­lis­ta cu­ja se­ces­são de­sen­ca­de­ou a Guerra Ci­vil; in­vo­ca aber­ta­men­te a es­ti­li­za­ção da blax­ploi­ta­ti­on dos anos 1970 co­mo apro­pri­a­ção dos có­di­gos tra­di­ci­o­nais do po­li­ci­al pa­ra um pú­bli­co es­pe­cí­fi­co, “ex­te­ri­or” às con­ven­ções. E, num dos seus mo­men­tos mais ex­tra­or­di­ná­ri­os, pe­ga no Nas­ci­men­to de uma Na­ção de D. W. Grif­fith, obra se­mi­nal dos tem­pos do mu­do que de­fen­dia aber­ta­men­te a se­gre­ga­ção ra­ci­al, re­ce­bi­do co­mo “do­cu­men­tá­rio” pe­los de­fen­so­res da su­pre­ma­cia bran­ca e co­mo in­ci­ta­ção ao ódio por par­te dos afro-ame­ri­ca­nos es­pe­zi­nha­dos.

Nes­sa ce­na, cris­ta­li­za-se o pro­gra­ma for­mal de BlacKkK­lans­man, en­tre os gri­tos de “po­der bran­co” com que o KKK re­ce­be o fil­me de Grif­fith e o “po­der ne­gro” com que os jo­vens uni­ver­si­tá­ri­os exi­gem se­rem ci­da­dãos de cor­po in­tei­ro: mos­trar co­mo a his­tó­ria da Amé­ri­ca é tam­bém a his­tó­ria do ci­ne­ma ame­ri­ca­no. Pe­ran­te is­so, fran­ca­men­te, é de so­me­nos pro­tes­tar que BlacKkK­lans­man po­dia ter 15 mi­nu­tos a me­nos, que a par­ti­tu­ra de Te­ren­ce Blan­chard es­tá fo­ra do tom do fil­me, que o rit­mo abran­da aqui e ali — tu­do ni­nha­ri­as que não afec­tam mi­ni­ma­men­te a di­men­são enor­me, fu­ri­o­sa, de um ci­ne­as­ta que tem coi­sas pa­ra di­zer e não se vai ca­lar en­quan­to não as dis­ser. E que não ha­ja dú­vi­das que há ci­ne­ma em BlacKkK­lans­man: ci­ne­ma que é clás­si­co na for­ma e na cons­tru­ção mas re­so­lu­ta­men­te mo­der­no na ma­nei­ra co­mo re­con­fi­gu­ra es­se clas­si­cis­mo, co­mo Go­dard a in­vo­car a Mo­no­gram em O

Acos­sa­do pa­ra dar o pon­ta­pé de saí­da pa­ra a Nou­vel­le Va­gue. BlacKkK­lans­man não é pon­ta­pé de saí­da de na­da. Não pre­ci­sa. Exis­te. Is­so che­ga. BlacKkK­lans­man — O In­fil­tra­do BlacKkK­lans­man de Spi­ke Lee com John Da­vid Washing­ton, Adam Dri­ver, Lau­ra Har­ri­er

O ras­go de gé­nio de Lee é o de ir bus­car pre­ci­sa­men­te a ima­gem que a Amé­ri­ca tan­to gos­ta de dar de si — a do ci­ne­ma, a do ci­ne­ma clás­si­co — pa­ra mos­trar co­mo o ra­cis­mo sem­pre es­te­ve presente

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.