O nos­so cor­po é aqui­lo que qui­ser­mos

Publico - Ipsilon - - Sumário - Ma­ri­a­na Du­ar­te

Es­te do­min­go, em Ser­ral­ves, va­mos ver a ar­tis­ta e com­po­si­to­ra

Fa­ti­ma Al Qa­di­ri co­mo nun­ca a vi­mos an­tes. No pro­gra­ma O Mu­seu co­mo Per­for­man­ce, apre­sen­ta Sha­ne­e­ra: o dis­co, a per­for­man­ce, a per­so­na­gem. Uma party ani­mal hi­per-ma­qui­lha­da, atra­vés da qual ques­ti­o­na a per­for­ma­ti­vi­da­de de gé­ne­ro e ce­le­bra a li­ber­da­de se­xu­al.

Foi no mí­ni­mo sur­pre­en­den­te, no má­xi­mo mui­to, mui­to bi­zar­ro, per­ce­ber que aque­la pes­soa hi­per-ma­qui­lha­da na ca­pa do úl­ti­mo dis­co de Fa­ti­ma Al Qa­di­ri era a pró­pria Fa­ti­ma Al Qa­di­ri. Ba­tom ama­re­lo-la­ran­ja, som­bra pra­te­a­da apli­ca­da sem mo­de­ra­ção, bri­lhan­tes do pes­co­ço até à rou­pa. Olhar ma­ta­dor. Nun­ca a tí­nha­mos vis­to as­sim, nun­ca a tí­nha­mos se­quer ima­gi­na­do as­sim. Ela, pro­va­vel­men­te, tam­bém não. “É uma for­ma de ex­tre­ma de fe­mi­ni­li­da­de que eu evi­tei du­ran­te to­da a mi­nha vida”, diz ao Íp­si­lon a com­po­si­to­ra, pro­du­to­ra de mú­si­ca elec­tró­ni­ca e ar­tis­ta vi­su­al nas­ci­da no Se­ne­gal e cri­a­da no Kuwait, ac­tu­al­men­te a vi­ver em Ber­lim. “Gos­to de ves­tir rou­pas de homem. Uso ba­tom du­as ve­zes por ano, má­xi­mo dos má­xi­mos [ri­sos]. Foi uma trans­for­ma­ção com­ple­ta pa­ra mim.”

Es­ta trans­for­ma­ção tem um no­me: Sha­ne­e­ra, que é si­mul­ta­ne­a­men­te o al­ter ego fem­me di­a­bó­li­co e ex­tra­va­gan­te de Fa­ti­ma Al Qa­di­ri e o tí­tu­lo do seu mais re­cen­te EP, lan­ça­do em 2017 pe­la Hy­per­dub, edi­to­ra de Ko­de9 que al­ber­ga ou­tros mú­si­cos al­ta­men­te re­co­men­dá­veis, co­mo Bu­ri­al, Lau­rel Ha­lo e Jes­sy Lan­za. É com es­te dis­co e com es­ta per­so­na que a ar­tis­ta se apre­sen­ta no au­di­tó­rio do Mu­seu de Ser­ral­ves, es­te do­min­go às 22h30, no en­cer­ra­men­to da qu­ar­ta edi­ção do pro­gra­ma O Mu­seu co­mo Per­for­man­ce. Vai ser mui­to di­fe­ren­te da sua úl­ti­ma pas­sa­gem por Por­tu­gal, em 2016, no Fes­ti­val Ne­o­pop. Por­que as coi­sas es­tão di­fe­ren­tes. Com es­te tra­ba­lho, Fa­ti­ma Al Qa­di­ri viu-se “pe­la pri­mei­ra vez” co­mo uma per­for­mer. “Sem­pre me vi en­quan­to com­po­si­to­ra, nos bas­ti­do­res. Ago­ra es­tou a ac­tu­ar, es­tou em pal­co. Foi pre­ci­so me­ta­de des­te ano pa­ra per­ce­ber co­mo fa­zer es­ta per­for­man­ce; co­mo pas­sar is­to pa­ra uma coi­sa ao vi­vo.”

Fa­ti­ma pôs “mui­to tra­ba­lho nis­to” — in­cluin­do ho­ras e ho­ras a ver tu­to­ri­ais de ma­qui­lha­gem — e “mui­ta an­si­e­da­de”. Mas aca­bou tu­do bem. “É tão di­fe­ren­te de tu­do o que fiz an­tes e é mui­to de­sa­fi­an­te psi­co­lo­gi­ca­men­te, fi­si­ca­men­te e tec­ni­ca­men­te.” Nun­ca a tí­nha­mos vis­to as­sim, di­zía­mos, e tam­bém nun­ca a tí­nha­mos ou­vi­do as­sim: as cin­co can­ções de Sha­ne­e­ra são ver­da­dei­ros ban­gers pa­ra a pis­ta de dan­ça, ti­ro e qu­e­da, po­vo­a­das por um he­do­nis­mo feé­ri­co e lu­ci­fe­ri­no, sem­pre on­du­lan­te, sem­pre si­nu­o­so. É vo­lú­pia que la­te­ja nos can­tos es­cu­ros de uma fes­ta on­de o re­ló­gio pa­rou. É ex­cen­tri­ci­da­de e jú­bi­lo bem ca­li­bra­dos por “ba­ti­das oci­den­tais” (mol­da-se as ba­ti­das gra­ní­ti­cas do gri­me e os so­cal­cos do trap), “me­lo­di­as ára­bes” com vo­zes a con­di­zer e “ins­tru­men­tos de per­cus­são do Gol­fo [Pér­si­co]”, mui­tos de­les as­so­ci­a­dos à mú­si­ca kha­le­e­ji, mas sem pre­ten­sões de re­gis­to et­no­grá­fi­co (ela gos­ta de es­tar cá e lá, sus­pen­sa en­tre mun­dos). “Foi mui­to di­ver­ti­do fa­zer um dis­co to­tal­men­te pa­ra dan­çar. Acho que nun­ca ti­nha fei­to na­da as­sim, e is­so foi ou­tro de­sa­fio téc­ni­co pa­ra mim”, as­si­na­la a au­to­ra. “Não há uma can­ção que se­ja mais cal­ma.” Is­to é o es­pí­ri­to Sha­ne­e­ra a acon­te­cer. “Ela tem mon­tes de ener­gia. É uma party ani­mal do mal, sa­bes?”

De­se­nhos ani­ma­dos e ten­dên­ci­as de mo­da

O ter­mo Sha­ne­e­ra sur­giu por brin­ca­dei­ra en­tre o gru­po de ami­gos de Fa­ti­ma Al Qa­di­ri, no Kuwait. É uma pro­nun­ci­a­ção er­ra­da e an­gli­ci­za­da da pa­la­vra ára­be “sha­nee’a”, que sig­ni­fi­ca “es­can­da­lo­so, per­ver­so, abo­mi­ná­vel”. Fa­ti­ma e os ami­gos apro­pri­a­ram-se des­te ter­mo e sub­ver­te­ram a car­ga ne­ga­ti­va que lhe es­tá as­so­ci­a­da, dan­do-lhe uma rou­pa­gem que­er, be­nig­na, ce­le­bra­tó­ria. “Sha­ne­e­ra é uma per­so­na­gem que é uma es­pé­cie de rainha mal­va­da. É co­mo um es­pí­ri­to do mal que te pos­sui, mas da me­lhor ma­nei­ra pos­sí­vel. Qual­quer pes­soa po­de ac­ti­var a Sha­ne­e­ra den­tro de si.” Ape­sar de a ar­tis­ta usar pro­no­mes fe­mi­ni­nos quan­do se re­fe­re a Sha­ne­e­ra — sem­pre que po­de, faz ques­tão de “fe­mi­ni­zar” a lín­gua —, o ter­mo re­fe­re-se, na ver­da­de, a uma per­so­na que de­sa­fia os pa­drões bi­ná­ri­os e na­tu­ra­li­za­dos da iden­ti­da­de e da ex­pres­são de gé­ne­ro, de­ses­ta­bi­li­zan­do a cishe­te­ro­nor­ma.

“Te­nho es­ta­do fas­ci­na­da por es­ta per­so­na há mui­to tem­po”, re­ve­la Fa­ti­ma. Es­sa “ob­ses­são” (a pri­mei­ra de mui­tas de que nos fa­la, sem­pre en­tre ri­sa­das ge­ne­ro­sas e pi­a­das bem me­ti­das) co­me­çou com os de­se­nhos ani­ma­dos. “Mui­tos vi­lões são um bo­ca­do camp. São um bo­ca­do fe­mi­ni­nos, o que é su­per in­te­res­san­te. O exem­plo mais presente na mi­nha vida é o Ja­far [de Ala­di­no]. Ele é 100% Sha­ne­e­ra. A voz, o vi­su­al, o tra­ço do de­se­nho; to­do o con­jun­to.” Ou­tra ob­ses­são que le­vou Fa­ti­ma a de­li­ne­ar es­te al­ter ego foi uma ten­dên­cia de ma­qui­lha­gem exa­ge­ra­da que fez fu­ror en­tre mui­tas mu­lhe­res do Kuwait no iní­cio dos anos 2000 e que ser­viu de ins­pi­ra­ção di­rec­ta pa­ra o look da ca­pa do dis­co e das per­for­man­ces. “Era a lou­cu­ra”, re­cor­da a ar­tis­ta. Es­ta­va em to­do o la­do, dos sa­lões de ca­be­lei­rei­ro às ru­as, até aos sec­to­res mais bu­ro­crá­ti­cos do país. “Nun­ca me vou es­que­cer da­que­la vez em que ater­rei no aeroporto do Kuwait e em que mos­trei o meu pas­sa­por­te a uma agen­te do de­par­ta­men­to de imi­gra­ção que es­ta­va com es­te ti­po de ma­qui­lha­gem. Qua­se que me pas­sei! Es­ta­va tão im­pres­si­o­na­da com o fac­to de ser ok uma pes­soa que vê os pas­sa­por­tes po­der es­tar as­sim.”

“O é, na ver­da­de, uma per­for­man­ce de gé­ne­ro exa­ge­ra­da. Mas a per­for­ma­ti­vi­da­de ex­tre­ma de gé­ne­ro é, mui­tas ve­zes, a nor­ma no Kuwait”, apon­ta Fa­ti­ma Al Qa­di­ri

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.