Es­ta­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca An­tó­nio Gu­er­rei­ro Uma his­tó­ria que­er do nos­so tem­po

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Éu­ma his­tó­ria exem­plar que con­cen­tra, de for­ma abre­vi­a­da, al­gu­mas fi­gu­ra­ções com­ple­xas do nos­so tem­po. Re­du­zi­da a uma mor­fo­lo­gia es­que­má­ti­ca, é uma his­tó­ria que se re­pe­te des­de a fun­da­ção do mun­do: um pro­fes­sor apai­xo­na­se pe­lo alu­no ou, pe­lo me­nos, tem uma gran­de atrac­ção por ele e ten­ta en­vol­vê-lo nes­sa for­ça, dei­xan­do ves­tí­gi­os dos seus avan­ços: men­sa­gens, te­le­fo­ne­mas, sms’s. Mas con­ta­da nos seus por­me­no­res, ela re­ve­la uma enor­me com­ple­xi­da­de e sus­ci­ta ques­tões que só no nos­so tem­po co­me­ça­ram a exis­tir por­que an­tes nem se ti­nham da­do as con­di­ções de pos­si­bi­li­da­de da sua for­mu­la­ção. Di­ga-se, en­tão, que o pro­fes­sor em cau­sa é uma mu­lher que se cha­ma Avi­tal Ro­nell, tem 66 anos, ocu­pa uma po­si­ção de pres­tí­gio na Uni­ver­si­da­de de

No­va Ior­que, é fi­ló­so­fa, the­o­rist, fe­mi­nis­ta, lés­bi­ca, au­to­ra de li­vros que atra­ves­sa­ram com al­gum im­pac­to o Atlân­ti­co, até por­que se ins­cre­vem no do­mí­nio da cha­ma­da “fi­lo­so­fia con­ti­nen­tal” (foi ami­ga e dis­cí­pu­la de Der­ri­da, o que, pa­ra al­guns, é co­mo se per­ten­ces­se a um gang); e o alu­no cha­ma-se Nim­rod Reit­man, tem 34 anos e é gay. Acu­sou a pro­fes­so­ra de as­sé­dio se­xu­al, de per­se­gui­ção e de re­ta­li­a­ção (sob a for­ma de sa­bo­ta­gem das ten­ta­ti­vas que es­te fez pa­ra ar­ran­jar em­pre­go), de­sen­ca­de­an­do as­sim uma in­ves­ti­ga­ção pe­di­da pe­la uni­ver­si­da­de que le­vou à sus­pen­são de to­das as ac­ti­vi­da­des aca­dé­mi­cas da pro­fes­so­ra, por um ano. En­tre­tan­to, o alu­no mo­veu um pro­ces­so à uni­ver­si­da­de e à pro­fes­so­ra, exi­gin­do com­pen­sa­ções avul­ta­dos pe­los ma­le­fí­ci­os que lhe cau­sa­ram. O ca­so foi tor­na­do pú­bli­co quan­do a in­ves­ti­ga­ção ain­da es­ta­va sob se­gre­do e não ha­via ain­da aces­so a ne­nhu­ma do­cu­men­ta­ção: 51 fi­gu­ras in­ter­na­ci­o­nais de gran­de pres­tí­gio, a mai­or par­te pro­ve­ni­en­te dos mei­os aca­dé­mi­cos, as­si­na­ram uma car­ta, da­ta­da de 11 de Maio, em que de­cla­ra­va o seu apoio a Avi­tal Ro­nell, usan­do co­mo cau­ção a au­to­ri­da­de e a im­por­tân­cia des­ta mu­lher, en­quan­to fi­ló­so­fa. A car­ta, as­si­na­da, en­tre ou­tros, por Ju­dith Bu­tler, foi acu­sa­da de ser um do­cu­men­to in­com­pa­tí­vel com as idei­as que os seus as­si­nan­tes sem­pre de­fen­de­ram. No li­mi­te, tra­tar-se-ia de fa­zer da ví­ti­ma o per­pe­tra­dor e vi­ce-ver­sa. O New York Ti­mes, a 13 de Agos­to, in­ti­tu­la­va as­sim um ar­ti­go so­bre es­te ca­so: “What Hap­pens to #MeToo When a Fe­mi­nis­te Is the Ac­cu­sed?”. Do la­do dos es­tu­dan­tes, uma úni­ca voz veio cor­ro­bo­rar a acu­sa­ção: uma mu­lher trans­gen­der, An­drea Long Chu, que foi as­sis­ten­te de Avi­tal Ro­nell du­ran­te um se­mes­tre, es­cre­veu num twe­et que acha­va as ale­ga­ções do estudante plau­sí­veis.

Há, em to­da es­ta his­tó­ria, uma ex­cep­ci­o­nal den­si­da­de de ele­men­tos que­er. É di­fí­cil ver nu­ma his­tó­ria de ale­ga­do as­sé­dio se­xu­al de um jo­vem gay por uma mu­lher lés­bi­ca a in­ver­são pu­ra e sim­ples da vi­o­lên­cia his­tó­ri­ca in­fli­gi­da à mu­lher pe­lo po­der se­xu­al mas­cu­li­no. As­sim co­mo é di­fí­cil ver aqui aque­les mons­tros (tão re­pre­sen­ta­dos na li­te­ra­tu­ra, no ci­ne­ma e nas mi­to­lo­gi­as por­no) de uma fe­mi­ni­li­da­de ca­rac­te­ri­za­da por uma exi­gên­cia ili­mi­ta­da de pra­zer se­xu­al. Por ou­tro la­do, es­te “homem-ob­jec­to” tam­bém não é o pó­lo si­mé­tri­co da an­ti­ga “mu­lher-ob­jec­to”. Es­ta, no fun­do, era so­be­ra­na, en­quan­to es­te é um su­jei­to des­po­ja­do, nu, ór­fão do de­se­jo. Nem su­jei­to nem ver­da­dei­ra­men­te ob­jec­to. Es­ta his­tó­ria de as­sé­dio se­xu­al que tem co­mo pro­ta­go­nis­ta Avi­tal Ro­nell mos­tra, nos seus tra­ços gro­tes­cos de ca­ri­ca­tu­ra, que não há ho­je lu­gar pa­ra um pen­sa­men­to — e pa­ra uma prá­ti­ca — da se­du­ção. Por­que na se­du­ção tu­do par­te do ob­jec­to, é o ob­jec­to que se­duz e o pri­vi­lé­gio do su­jei­to in­ver­te-se. Se a estratégia re­tó­ri­ca da se­du­ção é anu­la­da, tu­do pas­sa a ser li­te­ra­li­za­ção da vi­o­lên­cia se­xu­al. Nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, to­da li­te­ra­tu­ra do amor e da paixão é uma coi­sa do pas­sa­do. “A cidade ca­la­da co­mo um bo­ca­do de lua den­tro de um aquá­rio.” (p. 9) A se­gun­da ca­rac­te­rís­ti­ca é mui­tas ve­zes efi­caz e va­lo­ro­sa — “O au­to­mó­vel fa­zen­do a es­tra­da mui­to de­va­gar, co­la­do à ber­ma, co­mo um mío­pe a ler no es­cu­ro.” (p. 113); “Os dois avan­çan­do de olhos no chão co­mo se, pa­ra fa­zer o ca­mi­nho, ti­ves­sem de o ler pri­mei­ro.” (p. 236) — mas a sua ocor­rên­cia, sen­do tão in­sis­ten­te, aca­ba tor­nan­do-se, por ve­zes, de­co­ra­ti­va.

A po­e­sia — ou, me­lhor, o de­se­jo de­la e uma es­pé­cie de cren­ça na sua ca­pa­ci­da­de de em­pres­tar sen­ti­do ao mun­do — apa­ren­ta ser o te­ma do romance. A per­so­na­gem prin­ci­pal, Au­gus­to Reis, é um po­e­ta con­ve­ni­en­te­men­te mí­ti­co e sem obra es­cri­ta, que foi tam­bém pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio de Eco­no­mia Po­lí­ti­ca, ban­quei­ro e pró­xi­mo do po­der sa­la­za­ris­ta. É cla­ra a in­ten­ção, aliás con­se­gui­da, de com­ple­xi­fi­car a per­so­na­gem e, so­bre­tu­do, de sub­traí-la ao cli­ché poé­ti­co. Já o en­saio di­fu­so de jus­ti­fi­ca­ção da obra in­for­mal do ima­gi­na­do po­e­ta, ta­re­fa atri­buí­da a um seu ami­go je­suí­ta, pa­re­ceu­nos apres­sa­do e su­per­fi­ci­al. O an­ta­go­nis­ta, por as­sim di­zer, cha­ma-se Djal­ma dos San­tos e é um ne­gro po­bre da Ama­do­ra que, ain­da ado­les­cen­te, e ca­tan­do pa­pel com a mãe, des­co­bre uma fo­lha per­di­da con­ten­do uma ver­são im­pres­sa de um po­e­ma de Reis. A des­co­ber­ta de­sa­ta-lhe o de­se­jo de es­cre­ver po­e­mas e de se cru­zar um dia com o au­tor do Po­e­ma em ci­ma da ho­ra. Am­bos os de­se­jos se­rão aten­di­dos, fi­nal fe­liz que te­ma­ti­za, afi­nal, as vir­tu­des dos no­vos tem­pos. Uma ter­cei­ra per­so­na­gem, So­fia Bes­sa, re­a­li­za­do­ra em crise pes­so­al e pro­fis­si­o­nal, que che­ga aos po­e­mas “sem avi­so” de Reis atra­vés de Djal­ma, é so­bre­tu­do pre­tex­to pa­ra mi­mar a lin­gua­gem de um ar­gu­men­to fíl­mi­co e veí­cu­lo pa­ra al­gu­mas re­fle­xões so­bre o ci­ne­ma e a mu­dez das pa­la­vras. A nar­ra­ção é fei­ta por um nar­ra­dor om­nis­ci­en­te e au­sen­te, que faz bom uso do dis­cur­so in­di­rec­to li­vre, o que me­lhor per­mi­te ao au­tor es­pe­lhar no tex­to tan­to o ex­te­ri­or quan­to o in­te­ri­or das per­so­na­gens, cir­cuns­tân­ci­as his­tó­ri­cas e so­ci­ais e de­va­nei­os e fan­tas­mas pes­so­ais.

Sequên­ci­as par­ti­cu­lar­men­te bem con­ce­bi­das e re­a­li­za­das são a da mor­te do pai do pro­ta­go­nis­ta — “No quar­to do Ho­tel As­tó­ria, em Coim­bra, as coi­sas do pai es­tão di­fe­ren­tes. Pas­sa­ram ape­nas al­gu­mas ho­ras, mas as coi­sas já sa­bem da mor­te do do­no.” (p. 251) — e a da re­me­mo­ra­ção das fé­ri­as de ju­ven­tu­de de Reis, quan­do es­te avis­ta nu­ma pas­te­la­ria de Vi­la Re­al uma “ra­pa­ri­ga com no­me de país” (a sua fu­tu­ra mu­lher), pas­san­do de­pois os di­as a em­pan­tur­rar-se de co­vi­lhe­tes na es­pe­ran­ça de tor­nar a vê-la. Não sa­be o lei­tor o que se­ja um co­vi­lhe­te e quer sa­ber?: “É um pas­tel úni­co no país, na Eu­ro­pa, no mun­do. Uma ta­ci­nha de mas­sa, ao mes­mo tem­po sub­til e for­te co­mo um po­e­ma de Li Bai, que se en­ro­la so­bre si pró­pria co­mo um ver­so de Mal­lar­mé e que no in­te­ri­or guar­da a re­ve­la­ção de uma car­ne tão sa­bo­ro­sa co­mo uma pa­la­vri­nha de Manuel Ban­dei­ra.” (pp. 185- 6)

O pro­gra­ma de A Gar­ga­lha­da de Au­gus­to Reis é, po­rém, am­bi­va­len­te, ne­le ca­ben­do tan­to o re­a­lis­mo so­ci­al da des­cri­ção da vida de Djal­ma dos San­tos na Ama­do­ra, quan­to a di­gres­são có­mi­ca so­bre uma fu­ga abor­ta­da de Reis após o 25 de Abril, ou o epi­só­dio pa­ró­di­co-ro­mân­ti­co de um pe­di­do de ca­sa­men­to re­jei­ta­do por So­fia. Es­ta am­pli­tu­de nem sem­pre é vir­tu­o­sa. Ou se­rá que o lu­gar­co­mum é, por ve­zes, o me­lhor ini­mi­go de si pró­prio?

A ac­ção do romance mais re­cen­te de Ja­cin­to Lu­cas Pi­res tem iní­cio no dia 25 de Abril de 1974

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.