O pau­zi­nho na en­gre­na­gem

Publico - Ipsilon - - Sumário -

De­pois de O So­bre­vi­ven­te, Ho­ri­zon­te Pro­fun­do e Pa­tri­ots Day, Pe­ter Berg e Mark Wahl­berg con­ti­nu­am um dos mais in­te­res­san­tes per­cur­sos do ci­ne­ma mains­tre­am ame­ri­ca­no. Jor­ge Mou­ri­nha

Mi­le 22

Mi­le 22 de Pe­ter Berg com Mark Wahl­berg, Lau­ren Cohan, Iko Uwais Che­ga­dos à sua qu­ar­ta co­la­bo­ra­ção, é de apon­tar a cu­ri­o­sa du­pla em que se têm tor­na­do Mark Wahl­berg e Pe­ter Berg: um ac­tor e um ci­ne­as­ta que dão cor­po a uma ideia do ame­ri­ca­no mé­dio na li­nha da fren­te das cri­ses, que “dá o cor­po ao ma­ni­fes­to” to­dos os di­as, he­róis anó­ni­mos e quo­ti­di­a­nos das guer­ras su­jas do com­ple­xo mi­li­tar-in­dus­tri­al. Foi as­sim com os Se­als da Ma­ri­nha no Afe­ga­nis­tão em O So­bre­vi­ven­te (2013), com os ope­rá­ri­os pe­tro­lí­fe­ros na Lui­si­a­na de Ho­ri­zon­te Pro­fun­do – De­sas­tre no Gol­fo (2016), com a po­lí­cia e os bom­bei­ros de Bos­ton em Pa­tri­ots Day – Uni­dos por Bos­ton (2016). Vol­ta a sê-lo ago­ra com Mi­le 22, que ao con­trá­rio dos an­te­ri­o­res não se ba­seia em fac­tos ve­rí­di­cos, e que acom­pa­nha um co­man­do se­cre­to da es­pi­o­na­gem ame­ri­ca­na en­car­re­gue de ex­trair de um país asiá­ti­co fic­ci­o­nal um po­lí­cia pro­cu­ra­do co­mo trai­dor por um go­ver­no cor­rup­to.

Por si só, não há na­da de es­pe­ci­al­men­te no­vo e ori­gi­nal em Mi­le 22, nem se­quer a ló­gi­ca de trai­ções e agen­tes du­plos clás­si­ca no ci­ne­ma de es­pi­o­na­gem, mas is­so tam­bém era ver­da­de nos fil­mes an­te­ri­o­res. O que in­te­res­sa a Berg é o de­sen­ro­lar me­tó­di­co da me­câ­ni­ca ope­ra­ci­o­nal e do pro­fis­si­o­na­lis­mo abs­trac­to, co­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.