Nes­ta ex­po­si­ção não há sa­las es­con­di­das

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Re­tros­pec­ti­va com 180 obras do fo­tó­gra­fo nor­te-ame­ri­ca­no Ro­bert

Map­plethor­pe mar­ca a ren­trée do Mu­seu de Serralves.

Em Ou­tu­bro de 2017, o Mu­seu de Ar­tes de São Pau­lo, no Bra­sil, inaugurou a ex­po­si­ção His­tó­ri­as da Se­xu­a­li­da­de com uma con­di­ção: só os mai­o­res de 18 anos a po­di­am vi­si­tar. To­dos aque­les abai­xo des­sa fai­xa etá­ria fi­ca­vam à por­ta, acompanhados ou não de vi­si­tan­tes mais “adul­tos”. De­pois de mui­tos advogados con­sul­ta­dos, os 18 anos pas­sa­ram ape­nas para in­di­ca­ti­vos. Em Abril pas­sa­do, a Fun­da­ção Ca­lous­te

Gul­ben­ki­an, em Lis­boa, de­ci­diu res­guar­dar den­tro de cai­xas, e com um avi­so, a obra

Re­li­cá­rio de Cla­ra Me­né­res e três es­cul­tu­ras de João

Cu­ti­lei­ro. As pe­ças fa­zi­am par­te da ex­po­si­ção Pós-Pop. Fo­ra do lu­gar-co­mum e re­pro­du­zi­am se­xos mas­cu­li­nos, o que te­rá pre­ci­pi­ta­do o ex­tre­mo­so cui­da­do da fun­da­ção. Es­tes dois epi­só­di­os dis­tin­tos apre­sen­tam se­me­lhan­ças em ter­mos de atitude. Em­bo­ra se­ja pre­ma­tu­ro fa­lar da emer­gên­cia de uma ten­dên­cia con­ser­va­do­ra nos mu­seus, são am­bos exem­pla­res de uma ten­ta­ção das ins­ti­tui­ções cul­tu­rais: a de con­fun­dir a sua mis­são edu­ca­ti­va com o con­tro­lo au­to­ri­tá­rio e con­des­cen­den­te do olhar e da ex­pe­ri­ên­cia das obras.

Na re­tros­pec­ti­va de­di­ca­da ao fo­tó­gra­fo nor­te-ame­ri­ca­no

Ro­bert Map­plethor­pe (1946-1989) que abre na pró­xi­ma quin­ta-fei­ra no Mu­seu de Ar­te Con­tem­po­râ­nea de Serralves, no Por­to, não ha­ve­rá res­guar­do, nem, acres­cen­ta João Ri­bas, “cen­su­ra, obras ta­pa­das, sa­las es­pe­ci­ais ou qu­al­quer ti­po de res­tri­ção a vi­si­tan­tes de acor­do com a fai­xa etá­ria”. Ape­nas um avi­so sen­sa­to e in­for­ma­ti­vo, co­lo­ca­do à en­tra­da da pri­mei­ra sa­la, para a exis­tên­cia de cer­tos con­teú­dos. Afi­nal, as sen­si­bi­li­da­des são múl­ti­plas e re­ais. “É um procedimento mu­se­o­ló­gi­co re­cor­ren­te e tra­di­ci­o­nal nes­te mu­seu. Já ti­nha si­do as­sim nou­tras ex­po­si­ções, co­mo a de Nan Gol­din em 2002. Mas, co­mo nes­sa oca­sião, não se­rá re­ser­va­da uma sa­la à par­te para as fo­to­gra­fi­as de te­or mais se­xu­al”, es­cla­re­ce. Re­su­min­do, o vi­si­tan­te tem a li­ber­da­de de en­trar ou não, de ver ou não. “Tra­ta-se de con­ce­ber o mu­seu co­mo ins­ti­tui­ção li­vre de pos­si­bi­li­tar um en­con­tro com a obra que

Ro­bert Map­plethor­pe de­sen­vol­veu du­ran­te vin­te anos. De­fen­de-se o di­rei­to de as pes­so­as po­de­rem ter es­sa ex­pe­ri­ên­cia. Um mu­seu não po­de con­di­ci­o­nar, se­pa­rar ou de­li­mi­tar o aces­so às obras. De di­zer o que as pes­so­as po­dem ver ou não. Não creio que ha­ja nes­ta po­si­ção na­da de par­ti­cu­lar­men­te ex­tra­or­di­ná­rio.”

Os nus ou as ima­gens de prá­ti­cas se­xu­ais es­tão in­te­gra­dos nou­tras sé­ri­es, acom­pa­nhan­do a or­ga­ni­za­ção cro­no­ló­gi­ca da ex­po­si­ção, e ca­be ao es­pec­ta­dor a res­pon­sa­bi­li­da­de ou a de­ci­são de con­di­ci­o­nar ou me­di­ar o aces­so às fo­to­gra­fi­as, no caso, por exem­plo, de es­tar acom­pa­nha­do de me­no­res de ida­de. Fo­ra is­so, é as­se­gu­ra­da a li­ber­da­de do es­pec­ta­dor se con­fron­tar com as obras do ar­tis­ta num es­pa­ço que tem co­mo prin­cí­pio, pre­ci­sa­men­te, tor­nar a ar­te pú­bli­ca. João Ri­bas cha­ma a aten­ção para o fac­to de a ex­po­si­ção com­pre­en­der uma gran­de plu­ra­li­da­de de mo­ti­vos e gé­ne­ros. “À vol­ta de 80 por cen­tro dos tra­ba­lhos se­lec­ci­o­na­dos não cor­res­pon­de às te­má­ti­cas de na­tu­re­za mais se­xu­al. Por ou­tro la­do, há um tra­ba­lho de cu­ra­do­ria, aten­to à ar­qui­tec­tu­ra do es­pa­ço, à relação com as di­fe­ren­tes to­na­li­da­des das sa­las, à sin­gu­la­ri­da­de da obra de Ro­bert Map­plethor­pe que não é ape­nas fo­to­grá­fi­ca. O que pos­so di­zer é: ve­nham ver. Es­ta ex­po­si­ção tem que ser ex­pe­ri­en­ci­a­da”. Sem can­ce­las, es­con­de­ri­jos, sa­las es­cu­ras. Ou ca­de­a­dos. J.M.

Ro­bert Map­plethor­pe, Pat­ti Smith (1975)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.