A flor mal­sã

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A se­gun­da lon­ga de San­dro Agui­lar é me­nos uma nar­ra­ti­va, mais um pe­sa­de­lo emo­ci­o­nal pa­re­des-mei­as com o fan­tás­ti­co, uma his­tó­ria de gen­te sem saí­da con­ta­da de mo­do pu­ra­men­te sen­so­ri­al. As­som­bro­so, ines­go­tá­vel fil­me.

Gen­te per­di­da, sem sa­ber para on­de vai, sem sa­ber o que quer ou o que os es­pe­ra. O que po­dem eles fa­zer con­tra o des­ti­no? Há um aci­den­te. Um fu­ne­ral. Um ho­mem que já não é bem-vin­do. O seu ca­mi­nho cru­za uma mu­lher e o seu fi­lho, am­bos com me­do; um ou­tro ho­mem (ma­ri­do, ex-ma­ri­do?), ca­ça­dor, al­guém que cria me­do. An­dam à vol­ta uns dos ou­tros, co­mo ani­mais en­jau­la­dos num zo­o­ló­gi­co. (E às tan­tas a mu­lher é ve­te­ri­ná­ria.) Há al­go de mal­são a tra­ba­lhar em Ma­ripha­sa, al­go de ma­lig­no, de mais as­sus­ta­dor do que qu­al­quer fil­me de ter­ror. Mas há tam­bém um con­for­to es­tra­nho: o de sa­ber­mos que es­ta gen­te é co­mo nós. Tal­vez se­ja­mos nós — gen­te per­di­da, trans­tor­na­da, que já não sa­be mais para on­de se vi­rar, gen­te per­di­da, as­sus­ta­da, à bei­ra de ex­plo­dir, à bei­ra de li­ber­tar al­go. O quê? Não sa­be­mos, San­dro Agui­lar não no-lo diz. Pre­fe­re dei­xar-nos ali a boi­ar nes­te plas­ma lí­qui­do, nes­te flui­do am­nió­ti­co de vi­das com me­do, de pe­sa­de­los noc­tur­nos, sem­pre de noi­te, sem­pre às es­cu­ras, sob o sig­no do san­gue.

Ma­ripha­sa é ape­nas a se­gun­da lon­ga de Agui­lar nu­ma car­rei­ra fei­ta qua­se in­tei­ra­men­te, e por de­li­be­ra­ção, no for­ma­to cur­to. À ima­gem da pri­mei­ra, A Zo­na, de 2008, e da gran­de mai­o­ria das su­as cur­tas, é um jo­go de “unir os pon­tos” para des­co­brir a ima­gem, sob o sig­no de uma plan­ta que não exis­te (a “ma­ripha­sa” do tí­tu­lo, “um an­tí­do­to para uma trans­for­ma­ção que, a ocor­rer, te­rá con­sequên­ci­as ter­rí­veis”, nas pa­la­vras do seu au­tor) e que abre o fil­me às por­tas do ci­ne­ma fan­tás­ti­co. O que in­te­res­sa, con­tu­do, é que tudo o que pa­re­ce opa­co no pa­pel en­cai­xa e faz sen­ti­do no ecrã, mes­mo que se­ja um sen­ti­do que não se ex­pli­ca (e que o fil­me não tenta se­quer ex­pli­car) mas que se sen­te aqui den­tro. Ma­ripha­sa não é um fil­me, é um es­ta­do de al­ma, ne­gro, en­vol­ven­te con­tu­do inex­pli­cá­vel, abs­trac­to e con­tu­do sem­pre a in­tri­gar-nos para o ten­tar­mos re­sol­ver — as­som­bro­so no mo­do co­mo a sua nar­ra­ti­va não se cons­trói mas na prá­ti­ca flo­res­ce ex­clu­si­va­men­te a par­tir de frag­men­tos com li­ga­ções apa­ren­te­men­te té­nu­es, ex­tra­or­di­ná­rio no mo­do co­mo tudo é su­ge­ri­do mais do que ex­pli­ca­do, dei­xa­do ao es­pec­ta­dor fa­zer as li­ga­ções que bem en­ten­der. Vi­mos Ma­ripha­sa três ve­zes, em to­das elas a sua flor mal­sã abriu de for­mas di­fe­ren­tes, em to­das elas vi­mos ou­tro fil­me ven­do o mes­mo fil­me. Ma­ripha­sa não se es­go­ta, nun­ca. São ra­ros os fil­mes as­sim.

(E nun­ca mais va­mos ou­vir We’ve Got To­night da mes­ma ma­nei­ra.) J.M.

ALE­XAN­DRA SIL­VA

Há al­go de mal­são a tra­ba­lhar em Ma­ripha­sa, al­go de ma­lig­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.