Rui Men­des e Be­a­triz Ba­tar­da num pal­co con­ta­mi­na­do pe­la vida

Publico - Ipsilon - - Sumário -

FAo lon­go de um mês, o Te­a­tro

Na­ci­o­nal D. Ma­ria II, em Lis­boa, aco­lhe Te­a­tro, de Pas­cal Ram­bert. Rui Men­des e Be­a­triz Ba­tar­da en­con­tram-se nu­ma sa­la de en­sai­os e tra­vam um com­ba­te com a efe­me­ri­da­de.

oi as­sim com Ema­nu­el­le Béart ou Isa­bel­le Hup­pert. Com Sta­nis­las Nor­dey, Ma­ri­na Hands ou os im­po­nen­tes elen­cos do Te­a­tro da Ar­te de Mos­co­vo e da Co­mé­die-Fran­çai­se. É nos cor­pos dos seus ac­to­res que Pas­cal Ram­bert en­tre­vê as pe­ças que quer es­cre­ver. Não par­te pro­pri­a­men­te com idei­as fi­xas ou con­cei­tos ge­rais da­qui­lo que pre­ten­de abor­dar. Só ao olhar os ges­tos, os mo­vi­men­tos, os tra­ços, as ru­gas, as ale­gri­as e as tris­te­zas, a vida que se des­pren­de da­que­les para qu­em es­cre­ve­rá, só en­tão a in­tui­ção lhe su­ge­re ca­mi­nhos e lhe for­ne­ce pe­que­nas pis­tas que, de­pois, fe­cha­do em ca­sa ou num quarto de ho­tel, se des­ve­lam e ga­nham a di­men­são de um tex­to de pal­co.

Não foi di­fe­ren­te, por­tan­to, quan­do Ti­a­go Ro­dri­gues, “há dois ou três anos”, re­cor­da Ram­bert ao Íp­si­lon, o con­vi­dou a es­cre­ver uma pe­ça para o Te­a­tro Na­ci­o­nal D. Ma­ria II. Ao acei­tar a en­co­men­da des­se tex­to — em ce­na de 15 de Se­tem­bro a 14 de Ou­tu­bro, ru­man­do ao São João, Por­to de 18 a 28 de Ou­tu­bro —, pe­diu ao di­rec­tor ar­tís­ti­co da sa­la lis­bo­e­ta que, na sua pri­mei­ra vin­da à ci­da­de, lhe apre­sen­tas­se ac­to­res. E, sem sa­ber bem porquê, quis ver-se diante de “um ac­tor com mais ida­de”. Ti­a­go apre­sen­tou-lhe Rui Men­des, na al­tu­ra a rai­ar os 80 anos, e não foi pre­ci­so mui­to para o au­tor sa­ber que ti­nha en­con­tra­do a pon­ta do no­ve­lo que iria co­me­çar a de­sen­le­ar. Ao con­tar-lhe o seu per­cur­so e fa­lar-lhe dos seus pais, Rui aca­bou por tro­pe­çar em mais um de­grau da família e ex­pli­car que tam­bém o seu avô fo­ra ac­tor e ac­tu­a­ra na ma­jes­tá­ti­ca sa­la do Ros­sio.

Pas­cal pa­rou-o ime­di­a­ta­men­te. Não pre­ci­sa­va de ou­vir mais. Sou­be lo­go ali que Te­a­tro, a pe­ça que iria es­cre­ver para es­tre­ar em Lis­boa com um elen­co por­tu­guês — de­pois de ter apre­sen­ta­do Ac­tri­ce, com Ma­ri­na Hands, no úl­ti­mo Fes­ti­val de Al­ma­da, e ter acom­pa­nha­do a es­treia do de­vas­ta­dor com­ba­te de bo­xe con­ju­gal que é Fi­nal do Amor, nu­ma en­ce­na­ção de Vic­tor de Oli­vei­ra, na Cul­tur­gest, em 2016 —, co­me­ça­ria pe­la pa­la­vra “avô”. O que não sa­bia ain­da com ab­so­lu­ta cla­re­za era que a en­tra­da em pal­co de Rui Men­des, an­tes se­quer de ini­ci­ar um lon­go mo­nó­lo­go que é pre­ci­pi­ta­do pe­la ma­te­ri­a­li­za­ção da pa­la­vra “avô” na sua bo­ca, ha­via de fa­zer-se num pal­co des­car­na­do, fa­zen­do do ac­tor um en­ce­na­dor que che­ga àque­le mes­mo pal­co, mi­nu­tos an­tes do en­saio que irá di­ri­gir.

Quan­do Rui diz “avô”, é co­mo se uma por­ta para vá­ri­as di­men­sões se es­can­ca­ras­se num só movimento. É o pas­sa­do da sa­la que ir­rom­pe pe­la ce­na, são os fan­tas­mas que o ha­bi­tam que as­so­mam atrás das cor­ti­nas, são os ac­to­res que por ali pas­sa­ram du­ran­te anos, os tex­tos que fo­ram di­tos sobre aque­las tá­bu­as que pa­re­cem vi­brar nas pa­re­des do te­a­tro, num des­per­tar das his­tó­ri­as que es­tão pre­sas den­tro da­que­le es­pa­ço. E é uma in­ti­mi­da­de que se es­ta­be­le­ce en­tre ne­to e avô, um a pro­cu­rar o ou­tro,

Be­a­triz Ba­tar­da e Rui Men­des num dos en­sai­os de Te­a­tro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.