Es­quer­da, di­rei­ta... fa­do!

Publico - Ipsilon - - Sumário - Nuno Pacheco

Ka­tia Guer­rei­ro e José Má­rio Bran­co fi­ze­ram um dis­co jun­tos, num en­con­tro im­pro­vá­vel en­tre uma voz (a de­la) e um mé­to­do (o de­le). Sem­pre, o re­sul­ta­do da ex­pe­ri­ên­cia, che­ga ho­je às lo­jas. E se mu­si­cal­men­te ti­ra bom par­ti­do des­te “en­con­tro má­gi­co”, co­mo ela lhe cha­ma, se­lou no fa­do uma ami­za­de.

Até ao fim, sem­pre. Não é uma fra­se, é a sequên­cia dos tí­tu­los dos mais re­cen­tes dis­cos de Ka­tia Guer­rei­ro. Mas sin­te­ti­za a te­na­ci­da­de que tem mar­ca­do os pas­sos des­ta fa­dis­ta. Até Ao Fim, lançado em 2014, foi pro­du­zi­do por Ti­a­go Bet­ten­court (ex-To­ran­ja). E Sem­pre, que che­ga às lo­jas es­ta sex­ta-fei­ra, tem pro­du­ção de José Má­rio Bran­co. Uma co­la­bo­ra­ção im­pro­vá­vel, até por ra­zões ide­o­ló­gi­cas: ele ir­re­du­ti­vel­men­te de es­quer­da, ela pu­bli­ca­men­te mais iden­ti­fi­ca­da com a di­rei­ta. Mas re­sul­tou, e Ka­tia ex­pli­ca co­mo:

“Des­de o Até Ao Fim que es­ta­va com von­ta­de de con­vi­dar o José Má­rio Bran­co para pro­du­zir um dis­co meu. Mas ti­nha al­gum re­ceio de le­var uma ne­ga, por va­ri­a­dís­si­mas ra­zões, no­me­a­da­men­te ide­o­ló­gi­cas. Ti­nha a ideia de ele ser um ho­mem mais fe­cha­do nes­tas coi­sas e po­der ter al­guns pre­con­cei­tos em relação a mim.” Chegou, an­tes dis­so, a pedir-lhe um te­ma, que ele lhe en­vi­ou. “Só que a coi­sa de­mo­rou, co­me­çá­mos a tra­ba­lhar no Até Ao Fim, o te­ma já não veio a tem­po e aca­bei por não o uti­li­zar no dis­co.” O pró­prio Ti­a­go Bet­ten­court já lhe ti­nha su­ge­ri­do tal con­vi­te, quan­do ela o abor­dou pe­la pri­mei­ra vez. “Na al­tu­ra em que eu fiz o con­vi­te ao Ti­a­go, ele dis­se-me: ‘es­tás ma­lu­ca, eu nun­ca fiz dis­so, só pro­du­zi os meus dis­cos; por­que é que não con­vi­das o José Má­rio Bran­co?’ E eu res­pon­di: ‘Por­que ele nun­ca vai acei­tar.’ ‘Es­tás a ser pre­con­cei­tu­o­sa.’ ‘Não sou eu que sou pre­con­cei­tu­o­sa, acho é que ele nun­ca vai acei­tar tra­ba­lhar co­mi­go.’ In­sis­ti com o Ti­a­go e ele pro­du­ziu o dis­co; mas fi­quei sem­pre com aque­le bi­chi­nho, a von­ta­de de tra­ba­lhar com o José Má­rio, pe­la enor­me ad­mi­ra­ção que te­nho por ele.” E em 2015, quan­do ela co­me­çou a pen­sar num no­vo dis­co, ar­ris­cou mes­mo con­vi­dá-lo, mas sem su­ces­so. “Em 2015 co­me­cei a pe­gar nas mi­nhas coi­sas, nas mi­nhas pes­qui­sas, e fiz um pri­mei­ro con­vi­te. Que não cor­reu bem, por­que não nos en­ten­de­mos.”

Um pri­mei­ro fas­cí­nio

Mas quis o aca­so que em 2016 am­bos se en­con­tras­sem na ro­da­gem de um fil­me que con­ti­nua por es­tre­ar, Al­fa­ma em Si, de Diogo Va­re­la Sil­va (ne­to de Ce­les­te Ro­dri­gues). Mais: no fil­me, Ka­tia foi di­ri­gi­da por José Má­rio Bran­co. “Quan­do ele co­me­ça a fa­lar co­mi­go e a di­ri­gir-me, tí­nha­mos dois te­mas para tra­ba­lhar para o fil­me, fi­quei fas­ci­na­da com a for­ma co­mo ele me pe­dia o que pre­ten­dia dos te­mas. Sem me di­zer ‘can­ta as­sim ou can­ta as­sa­do’, con­tou-me uma his­tó­ria e pe­diu-me para eu en­trar num de­ter­mi­na­do am­bi­en­te emo­ci­o­nal. Que foi o que acon­te­ceu, gra­vei à pri­mei­ra. E era is­so mes­mo que eu que­ria: que al­guém me aju­das­se a re­cu­pe­rar a mi­nha sen­si­bi­li­da­de e sim­pli­ci­da­de a can­tar, sem en­trar na­que­la eu­fo­ria das in­ter­pre­ta­ções em pal­co que nos le­vam a um cer­to his­tri­o­nis­mo. Eu que­ria vol­tar para o es­tú­dio ou­tra vez, que­ria vol­tar a re­co­lher-me.”

Ka­tia ti­nha aca­ba­do de ser mãe pe­la se­gun­da vez (de­pois de Ma­fal­da, nas­ci­da em 2012, chegou João Má­rio em 2016) e es­ta­va ain­da a ama­men­tar quan­do par­ti­ci­pou no fil­me. E José Má­rio Bran­co, vá­ri­as ve­zes avô, en­can­tou-se com o be­bé. Por is­so, quan­do Ka­tia re­co­me­çou a pen­sar no no­vo dis­co e ga­nhou co­ra­gem para lhe te­le­fo­nar ou­tra vez (“Zé Má­rio, fala Ka­tia Guer­rei­ro”), ou­viu do ou­tro la­do: “‘Olá me­ni­na. Co­mo é que tu es­tás? E o João Má­rio? En­tão a que se de­ve es­te te­le­fo­ne­ma?’ E ela: ‘Não va­le a pe­na es­tar com ro­dei­os; que­ro con­vi­dá-lo para pro­du­zir o meu no­vo dis­co.’ Ele faz um si­lên­cio se­pul­cral e diz: ‘Ó Ka­tia, mas eu sou in­su­por­tá­vel!’ E eu res­pon­di: ‘Da sua fa­ma não te­nho me­do ne­nhum. A ver­da­de é que tra­ba­lhá­mos jun­tos [no fil­me] e a for­ma co­mo o Zé Má­rio fala co­mi­go é o que eu pro­cu­ro para fa­zer es­te dis­co.’ Ti­ve­mos uma con­ver­sa de uma ho­ra, fa­lá­mos sobre mui­ta coi­sa, a for­ma co­mo pen­sa­mos e sen­ti­mos o fa­do, as coi­sas que es­tão bem e as que es­tão mal, o ca­mi­nho que o fa­do es­tá a le­var, e a nos­sa von­ta­de de res­pei­tar a tra­di­ção, fa­zen­do den­tro da tra­di­ção coi­sas no­vas e bo­ni­tas, na abor­da­gem, nos ar­ran­jos, na di­rec­ção mu­si­cal, in­ter­pre­ta­ti­va e emo­ci­o­nal. E es­tá­va­mos com­ple­ta­men­te de acor­do. O que foi mui­to sur­pre­en­den­te. Para ele, so­bre­tu­do.”

“Can­tar é so­nho vi­vi­do”

O que com­bi­na­ram? Não di­zer que ele es­ta­va a pro­du­zir um dis­co de­la, mas que iam ex­pe­ri­men­tar fa­zer um dis­co jun­tos. Se não re­sul­tas­se, ia ca­da um para seu la­do. E as­sim foi: ho­ras de con­ver­sa com José Má­rio Bran­co e Ma­nu­e­la de Frei­tas, tro­ca de ma­te­ri­ais (Ka­tia le­vou os seus apon­ta­men­tos e trou­xe de ca­sa de­les um ca­der­no com po­e­mas sem au­to­ri­as iden­ti­fi­ca­das, “um exercício ex­tra­or­di­ná­rio”) e de­pois tra­ba­lhar nas es­co­lhas. “O en­can­ta­men­to mú­tuo que se de­sen­vol­veu não foi ime­di­a­to. Hou­ve mui­tas con­ver­sas, mui­tas ho­ras de tra­ba­lho, mui­tas dis­cus­sões, se é es­te po­e­ma ou não é es­te po­e­ma, as es­co­lhas do fa­do tra­di­ci­o­nal (e aí o Pedro de Cas­tro es­te­ve sem­pre pre­sen­te, aju­dou-nos imen­so). O en­con­tro teve es­te sa­bor de an­si­e­da­de, por­que não sa­bía­mos co­mo é que a coi­sa ia cor­rer, mas a de­ter­mi­na­da al­tu­ra tudo fluiu. Mas sem es­ta­be­le­cer pra­zos. An­tes de ir­mos para es­tú­dio, tí­nha­mos 33 te­mas. Re­du­zi­mos para 23. E gra­vá­mos 21.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.