“O fa­do, na mú­si­ca, é a coi­sa mais pa­re­ci­da com o te­a­tro”

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Dei- Can­tor, com­po­si­tor, ar­ran­ja­dor, or­ques­tra­dor, pro­du­tor, ho­mem de se­te ofí­ci­os que têm pas­sa­do pe­la mú­si­ca, pe­lo ci­ne­ma e pe­lo te­a­tro, José Má­rio Bran­co tem um mé­to­do e uma mar­ca que vai dei­xan­do nos dis­cos que di­ri­giu ou or­ques­trou des­de os anos 1970 ( José Afon­so, José Jor­ge Le­tria, GAC, Ja­ni­ta Sa­lo­mé, Amélia Mu­ge, Gai­tei­ros de Lis­boa, Can­to No­no, Sa­mu­el ou o pro­jec­to Ben­ja­mim com Ma­ria João). No fa­do, gé­ne­ro do qu­al se apro­xi­mou nos anos 1980, tra­ba­lhou pri­mei­ro com Car­los do Car­mo (pro­du­ziu e fez a di­rec­ção mu­si­cal do dis­co Um Ho­mem No País, de 1983) e de­pois com Ca­ma­né, cu­ja car­rei­ra acom­pa­nha des­de o pri­mei­ro dis­co, tam­bém co­mo pro­du­tor e di­rec­tor mu­si­cal.

Quan­do Ka­tia Guer­rei­ro lhe te­le­fo­nou pe­la pri­mei­ra vez, ex­pres­sou-lhe to­das as su­as re­ser­vas. Não por qu­al­quer aver­são pes­so­al ou po­lí­ti­ca, diz, mas por ques­tões pu­ra­men­te mu­si­cais. Mas ela não de­sis­tiu, in­sis­tiu. E te­le­fo­nou-lhe umas se­ma­nas de­pois. “Gos­tei mui­to des­se ges­to”, diz José Má­rio Bran­co. “Aca­bei o te­le­fo­ne­ma a ex­pli­car quais eram as fa­ses se­guin­tes do pro­ces­so e a di­zer que ía­mos tra­ba­lhar, mas com uma con­di­ção: ‘no pri­mei­ro mo­men­to em que qu­al­quer um de nós achar que não es­tá a ser bom con­ti­nu­ar, fi­ca­mos por aqui’.” O pro­ces­so, idên­ti­co ao usa­do no tra­ba­lho com Ca­ma­né, não é fá­cil. “Em que é que eu sou in­tra­tá­vel, no sen­ti­do pro­sai­co da pa­la­vra? É que eu estou a fa­zer uma coi­sa, que é o que o ci­ne­as­ta faz quan­do fil­ma ou o en­ce­na­dor quan­do en­ce­na, que é tra­ba­lhar em fun­ção de um re­sul­ta­do fi­nal. Te­nho de ter o dis­co to­do na ca­be­ça. Na fa­se ins­tru­men­tal estou mui­to pre­o­cu­pa­do com as no­ti­nhas to­das cer­tas, mas quan­do a fa­se é me­ter vo­zes te­nho en­tão aí de fi­li­gra­nar o tra­ba­lho.” Nu­ma fo­lha, José Má­rio Bran­co mos­tra um qua­dro on­de cru­za os no­mes das can­ções a gra­var (na ver­ti­cal), sub­me­ten­do ca­da uma de­las a ou­tras co­lu­nas en­ci­ma­das por vá­ri­os graus de exi­gên­cia: Afi­na­ção, Vo­gais, Atitude, Voz e res­pi­ra­ção, Es­ti­la­do, Di­vi­são, Va­zi­os (emo­ci­o­nais). E só quan­do to­das as co­lu­nas ti­ve­rem um vis­to é que a can­ção es­tá pron­ta para o dis­co.

O pri­mei­ro con­tac­to en­tre am­bos foi po­si­ti­vo, mas a apro­xi­ma­ção deu-se no tra­ba­lho. “Há um la­do, não di­rec­ta­men­te ar­tís­ti­co, que fun­ci­o­nou mui­tís­si­mo bem. A Ma­nu­e­la [de Frei­tas] foi lo­go de iní­cio con­quis­ta­da pe­la sim­pa­tia da Ka­tia, uma pes­soa mui­to bo­ni­ta por den­tro e por fo­ra, com uma con­ver­sa mui­to agra­dá­vel, mui­to sã. Eu não fui as­sim tão de cho­fre, mas sim pe­la atitude de­la no de­cor­rer dos en­sai­os: co­me­cei a perceber que ela ia para ca­sa tra­ba­lhar mui­to e no en­saio se­guin­te che­ga­va aqui com um pas­so da­do, não a 100 por cen­to mas qua­se! E foi is­so que me fez ir gos­tan­do de­la ca­da vez mais.”

José Má­rio ci­ta, a pro­pó­si­to, o Siddhartha de Her­mann Hes­se: “O que eu apren­di com es­se li­vro é que os mes­tres não exis­tem, qu­em exis­te são os dis­cí­pu­los. Os mes­tres são re­fe­rên­ci­as para um ca­mi­nho, que não é fei­to com o mes­tre nem pe­lo mes­tre, é fei­to pe­lo dis­cí­pu­lo sozinho, que vai ca­mi­nhan­do. Es­te foi um caso tí­pi­co des­se gé­ne­ro: ela fez o seu ca­mi­nho. On­de não sa­bia, ha­via uma in­di­ca­ção, uma ex­pli­ca­ção, uma su­ges­tão. É um ti­que que eu te­nho de há mui­tos anos, quan­do di­ri­jo al­guém em es­tú­dio: nun­ca dou uma in­di­ca­ção que não ex­pli­que porquê. Para dar a pos­si­bi­li­da­de ao ‘for­man­do’ de as­si­mi­lar a su­ges­tão ou de apre­sen­tar, se for o caso, os seus con­tra-ar­gu­men­tos.”

José Má­rio Bran­co, 76 anos fei­tos em Maio, viu edi­ta­do es­te ano um dis­co du­plo de Iné­di­tos, com can­ções com­pos­tas e gra­va­das en­tre 1967 e 1999 e foi ho­me­na­ge­a­do no pas­sa­do dia 8 de Se­tem­bro pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to. O seu tra­ba­lho mais re­cen­te, en­tre os mui­tos que tem fei­to, foi a pro­du­ção e di­rec­ção mu­si­cal do dis­co ago­ra lançado de Ka­tia Guer­rei­ro, Sem­pre. On­de, mais uma vez, pôs à pro­va o seu mé­to­do cri­a­ti­vo: “A guer­ra gran­de, nes­ta ar­te co­mo nou­tras, é a in­com­pa­ti­bi­li­da­de to­tal en­tre ex­pres­são e exi­bi­ção. Apren­di is­so no te­a­tro, com a Ma­nu­e­la, com o João Mota, com o [Adol­fo] Gut­kin: on­de há ex­pres­são não po­de ha­ver exi­bi­ção, on­de há exi­bi­ção não po­de ha­ver ex­pres­são. São in­com­pa­tí­veis. Foi um tra­ba­lho len­to, para in­te­ri­o­ri­zar o pro­ces­so cri­a­ti­vo, cri­ti­car tudo que fos­se efei­to. Eu tra­ba­lho mui­to a fa­zer per­gun­tas: por­que é que can­tas­te as­sim e não as­sa­do? Por­que é que ali fi­zes­te is­to? O que é que es­ta­vas a sen­tir? É por­que eles es­tão a con­tar uma his­tó­ria às pes­so­as. E se é uma his­tó­ria pes­so­al, vi­vi­da, es­tão com as emo­ções ao ru­bro; se não é, es­tão a fa­zer co­mo os ac­to­res, a mo­bi­li­zar me­mó­ri­as de coi­sas pa­re­ci­das que vi­ve­ram: o que é amar uma pes­soa, o que é mor­rer uma pes­soa, o que é odi­ar, ma­tar, tudo. Vai-se bus­car — Sta­nis­lavs­ki! — o mé­to­do para que tudo o que se fa­ça se­ja o mais pos­sí­vel ver­da­de. E o fa­do, na mú­si­ca, é a coi­sa mais pa­re­ci­da com o te­a­tro. É uma ar­te de pre­sen­ça com um gran­de des­po­ja­men­to. O Ca­ma­né tem di­to es­ta coi­sa bo­ni­ta aos jor­na­lis­tas: ‘quan­do estou a can­tar, es­que­ço-me de mim’.” N.P.

José Má­rio Bran­co diz que on­de há exi­bi­ção

não há ex­pres­são. E com Ka­tia Guer­rei­ro o

mé­to­do deu fru­tos, pro­vei­to­sos para am­bos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.