Mú­si­ca para ver a dois com os The Bla­ze

Publico - Ipsilon - - Sumário - Ví­tor Be­lan­ci­a­no

Ne­les a cul­tu­ra vi­su­al é in­dis­so­ciá­vel da mú­si­ca, as­si­nan­do tan­to a com­po­si­ção dos te­mas co­mo a fei­tu­ra dos mag­ní­fi­cos vi­de­o­cli­pes que mais pa­re­cem cur­tas-me­tra­gens to­ca­das por um hu­ma­nis­mo des­con­cer­tan­te. Os fran­ce­ses The Bla­ze aca­bam de lan­çar o ál­bum Dan­cehall.

Um dos gran­des ad­mi­ra­do­res da du­pla fran­ce­sa Bla­ze é o ci­ne­as­ta ame­ri­ca­no Bar­ry Jen­kins, re­a­li­za­dor de fil­mes co­mo o os­ca­ri­za­do on­light (2016) ou

For Me­lan­choly (2008). Ao que pa­re­ce tudo te­rá acon­te­ci­do quan­do ace­deu ao vi­de­o­cli­pe da can­ção tory, atra­vés do Twit­ter do ci­ne­as­ta fran­cês Ro­main Gra­vas, que é si­mul­ta­ne­a­men­te um dos re­a­li­za­do­res de ví­de­os mu­si­cais mais re­co­nhe­ci­dos dos úl­ti­mos anos (M.I.A., Jus­ti­ce, Ja­mie xx, Kanye West).

Em de­cla­ra­ções re­cen­tes ao

York Ti­mes, Bar­ry Jen­kins con­fes­sa­va que ha­via ti­do to­da uma ex­pe­ri­ên­cia com o ví­deo, enal­te­cen­do o seu uni­ver­so e o movimento co­re­o­grá­fi­co da câ­ma­ra, aca­ban­do por vê-lo pos­te­ri­or­men­te mais de 100 ve­zes. Não foi o úni­co. O ano pas­sa­do no fes­ti­val de Cri­a­ti­vi­da­de de Can­nes, o prin­ci­pal even­to in­ter­na­ci­o­nal da in­dús­tria de co­mu­ni­ca­ção e pe­ran­te a sur­pre­sa ge­ral, o jú­ri re­sol­veu en­tre­gar-lhes um dos mais im­por­tan­tes ga­lar­dões do cer­ta­me, pe­lo mes­mo vi­de­o­cli­pe. Quer di­zer, cha­mar­lhe vi­de­o­cli­pe pa­re­ce pou­co.

Os qua­tro vi­de­o­cli­pes até ago­ra re­a­li­za­dos pe­la du­pla pa­re­cem-se mais com mi­cro­fil­mes. No caso de so­mos trans­por­ta­dos para a Ar­gé­lia, um ho­mem re­gres­sa a ca­sa, ao seio fa­mi­li­ar, aos ami­gos, com pes­so­as de va­ri­as ge­ra­ções abra­çan­do-se. Nem sem­pre é cla­ro o que os mo­ve, mas fi­ca-se to­tal­men­te imer­so na­que­le am­bi­en­te, nu­ma ce­le­bra­ção emo­ci­o­nal de la­ços e afec­tos, aber­ta às mais di­ver­sas in­ter­pre­ta­ções, mis­to de vi­ri­li­da­de e vul­ne­ra­bi­li­da­de mas­cu­li­na, to­ca­da por um con­ta­gi­an­te per­fu­me a li­ber­da­de. Al­go que es­tá sem­pre pre­sen­te nas his­tó­ri­as do duo, que nos res­ti­tu­em per­so­na­gens que é mui­to ra­ro ver em vi­de­o­cli­pes.

Em Abril do ano pas­sa­do quan­do es­cre­ve­mos sobre o seu EP de es­treia, des­ta­cá­va­mos pre­ci­sa­men­te os dois vi­de­o­cli­pes ( Vi­ri­le e Ter­ri­tory) pe­los quais fi­ca­ram co­nhe­ci­dos na fa­se ini­ci­al do seu per­cur­so, cha­man­do a aten­ção para o fac­to de ne­les a cul­tu­ra vi­su­al ser in­dis­so­ciá­vel da mú­si­ca, as­si­nan­do tan­to a com­po­si­ção dos te­mas co­mo a fei­tu­ra dos seus ví­de­os.

E ago­ra eis que lan­çam o seu pri­mei­ro ál­bum, Dan­cehall, já de­pois de te­rem pi­sa­do al­guns dos mais so­nan­tes pal­cos de fes­ti­vais por es­se mun­do fo­ra, do Co­a­chel­la nos Es­ta­dos Uni­dos a Pa­re­des de Cou­ra, em Agos­to pas­sa­do. Co­mo se­ria de es­pe­rar, tan­to os ví­de­os que se se­gui­ram (re­a­li­za­ram mais três), co­mo as can­ções que fo­ram com­pon­do aca­bam por pe­gar nas li­nhas de­sen­vol­vi­das ini­ci­al­men­te. É uma so­no­ri­da­de elec­tró­ni­ca fí­si­ca a que pro­põem, mas em vez de dan­ça eu­fó­ri­ca para mul­ti­dões, o que te­mos é po­e­sia, hu­ma­nis­mo, sen­si­bi­li­da­de à flor da pe­le.

Eles di­zem que é mú­si­ca para dan­çar a dois. Faz sen­ti­do. É uma so­no- ri­da­de elec­tró­ni­ca emo­ci­o­nal a que pro­põem, fei­ta de di­nâ­mi­cas rít­mi­cas pró­xi­mas do hou­se, de es­pi­rais hip­nó­ti­cas, de vo­zes al­te­ra­das di­gi­tal­men­te e ele­men­tos at­mos­fé­ri­cos. Exis­te qu­al­quer coi­sa de in­tros­pec­ti­vo nas su­as can­ções mas tam­bém de épi­co, mai­or do que a vida, exac­ta­men­te co­mo nos ví­de­os. Qu­em pro­cu­ra mo­vi­men­tos ex­plo­ra­tó­ri­os não se­rá aqui que os en­con­tra­rá. O que exis­te é a de­fi­ni­ção de um es­pa­ço so­no­ro e vi­su­al com iden­ti­da­de pre­ci­sa que con­se­gue ge­rar uma co­mu­ni­ca­ção es­ti­mu­lan­te.

Os Bla­ze são os pri­mos Guil­lau­me Al­ric, 35 anos, e Jo­nathan Al­ric, de 29 anos. O pri­mei­ro cres­ceu em Di­jon, ten­do es­tu­da­do fo­to­gra­fia, an­tes de co­me­çar a fa­zer mú­si­ca co­mo May­be Hubb, ins­pi­ra­do por al­guns dos mes­tres do gé­ne­ro co­mo Lee Per­ry, King Tubby ou Mad Pro­fes­sor. O se­gun­do cres­ceu na Nor­man­dia, mas tam­bém an­dou pe­la Cos­ta do Mar­fim e Pe­ru. Os dois não eram mui­to pró­xi­mos até que Jo­nathan, que es­ta­va nu­ma es­co­la de ci­ne­ma, ne­ces­si­tou de mú­si­ca para um dos seus pro­jec­tos fíl­mi­cos co­mo es­tu­dan­te e so­li­ci­tou a aju­da de Guil­lau­me. Foi aí que per­ce­be­ram que par­ti­lha­vam mui­tas afi­ni­da­des mu­si­cais e vi­su­ais.

Is­so foi há cer­ca de se­te anos. Des­de o iní­cio que tan­to se in­te­res­sa­ram pe- Dan­cehall The Bla­ze Ani­mal 63

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.