A tec­no­lo­gia de­sa­fia a cri­a­ção

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Em re:mem­ber, o quarto ál­bum a so­lo de Óla­fur Ar­nalds, há dois pi­a­nos que to­cam so­zi­nhos. O ob­jec­ti­vo é o de sur­pre­en­der o ar­tis­ta na ar­te que ele pró­prio in­ven­tou. Pedro Es­te­ves

re:mem­ber Óla­fur Ar­nalds Mer­cury KX Com qua­tro ál­buns a so­lo em car­tei­ra, Óla­fur Ar­nalds, 31 anos de ida­de, é já um co­nhe­ci­do e con­cei­tu­a­do com­po­si­tor de mú­si­ca mi­ni­mal, e da­qui­lo a que po­de­mos cha­mar de “nova mú­si­ca clás­si­ca”, mas os seus in­te­res­ses e com­pe­tên­ci­as vão mui­to para além dis­so. As in­cur­sões do mul­ti­ins­tru­men­tis­ta is­lan­dês pas­sam tam­bém pe­la ele­tró­ni­ca (di­vi­de o pal­co com Ja­nus Ras­mus­sen na du­pla Ki­as­mos, por exem­plo), por inú­me­ras co­la­bo­ra­ções com ar­tis­tas de re­no­me ( Nils Frahm e Ro­dri­go Leão, para re­fe­rir ape­nas dois) e pe­la pro­du­ção de ban­das e ar­tis­tas do uni­ver­so pop.

re:mem­ber é a re­pre­sen­ta­ção des­ses di­fe­ren­tes ca­mi­nhos. É o ar­tis­ta a re­en­con­trar-se, a con­den­sar tudo aqui­lo que lhe in­te­res­sa e, não me­nos im­por­tan­te, a ten­tar sair da “cai­xa” que fi­ze­ram para ele. As pa­la­vras são do pró­prio, e po­dem ser ou­vi­das no ví­deo que apre­sen­ta o quarto ál­bum a so­lo.

Ha­bi­tu­a­do des­de sem­pre ao im­pro­vi­so e à ex­pe­ri­men­ta­ção, Óla­fur Ar­nalds cri­ou em re:mem­ber um de­sa­fio di­fe­ren­te. Cri­ar é mes­mo a pa­la­vra cer­ta, uma vez que é de­le a in­ven­ção de um soft­ware cha­ma­do Stra­tus — fei­to em co­la­bo­ra­ção com o pro­gra­ma­dor Hall­dór Eld­járn.

Tra­ta-se de um pro­gra­ma que, a par­tir das no­tas to­ca­das num sin­te­ti­za­dor Mo­og Pi­a­no Bar, pro­ces­sa e en­via da­dos para ou­tros dois pi­a­nos, cri­an­do es­tru­tu­ras mu­si­cais mais ou me­nos ale­a­tó­ri­as. Ou se­ja, o sis­te­ma pro­duz no­tas e sequên­ci­as di­fe­ren­tes da es­tru­tu­ra ha­bi­tu­al, obri­gan­do o com­po­si­tor a cri­ar a par­tir do fac­tor sur­pre­sa, con­tra­ri­an­do a in­tui­ção mu­si­cal. Des­te mo­do, a má­qui­na tor­na-se um ele­men­to de­sa­fi­a­dor, por­que tro­ca as vol­tas ao pre­vi­sí­vel.

Es­te pro­ces­so apa­ren­te­men­te caó­ti­co foi de­vi­da­men­te ar­ru­ma­do por Óla­fur Ar­nalds, não há nes­te dis­co qu­al­quer si­nal de desordem, pe­lo con­trá­rio. O mo­te é da­do na aber­tu­ra pe­lo te­ma-tí­tu­lo re:mem­ber, são 6 mi­nu­tos que pa­re­cem o re­sul­ta­do da so­ma de dois mo­men­tos dis­tin­tos, mas que são a pri­mei­ra con­sequên­cia das vol­tas tro­ca­das pe­lo al­go­rit­mo. Mas is­so só se per­ce­be de­pois de co­nhe­ci­da a his­tó­ria des­te ál­bum.

Os ar­ran­jos de cordas da Lon­don Re­cor­ding Or­ches­tra con­fe­rem o to­que “clás­si­co” que cons­ti­tui a es­pi­nha dor­sal do dis­co. Elas pon­tu­am com uma sim­pli­ci­da­de ex­tre­ma em they sink, par­ti­ci­pam da fu­são com a ba­ti­da ele­tró­ni­ca que co­nhe­ce­mos de Ki­as­mos em in­con­sist, e são a co­la que li­ga a com­ple­xi­da­de so­no­ra de un­dir e de ek­ki hug­sa.

A dú­zia de ins­tru­men­tais que com­põem re:mem­ber são mais um pro­du­to da for­ça cri­a­ti­va do ar­tis­ta is­lan­dês, que es­co­lheu a tec­no­lo­gia para api­men­tar o de­sa­fio. Vol­ta a ser mú­si­ca fei­ta por ca­ma­das, e vol­ta a ter um re­sul­ta­do ora sim­ples e bri­lhan­te, ora com­ple­xo e pró­prio para di­as es­cu­ros. Bem a pro­pó­si­to, to­me no­ta: Óla­fur Ar­nalds re­gres­sa a Por­tu­gal em Mar­ço de 2019 para um con­cer­to no Co­li­seu de Lis­boa.

A dú­zia de ins­tru­men­tais que com­põem re:mem­ber são mais um pro­du­to da for­ça cri­a­ti­va do ar­tis­ta is­lan­dês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.