Es­ta­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca An­tó­nio Guer­rei­ro Ava­li­ar e pu­nir as uni­ver­si­da­des

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Se, do sis­te­ma de ava­li­a­ção das uni­ver­si­da­des, na­da sou­ber­mos para além das fre­quen­tes no­tí­ci­as dos jor­nais sobre os ran­kings, ne­nhu­ma dú­vi­da ja­mais le­van­ta­ría­mos sobre a ci­en­ti­fi­ci­da­de e a ob­jec­ti­vi­da­de da ava­li­a­ção. Tudo, aí, pa­re­ce tão trans­pa­ren­te e hi­e­rar­qui­zá­vel co­mo nas clas­si­fi­ca­ções des­por­ti­vas. Mas, mes­mo ig­no­ran­do os de­ba­tes e as con­tro­vér­si­as em tor­no dos mé­to­dos de ava­li­a­ção, o sim­ples bom sen­so é su­fi­ci­en­te para nos in­ter­ro­gar­mos: o que sig­ni­fi­ca clas­si­fi­car, co­mo acon­te­ce num ran­king re­cen­te, a Uni­ver­si­da­de Nova de Lis­boa no 439º lu­gar? Não se­rá an­tes o 440º? Ou, nu­ma hi­pó­te­se mais be­ne­vo­len­te, não se­rá o seu mé­ri­to igual ou até mai­or em relação à uni­ver­si­da­de do 438º lu­gar? Não é di­fí­cil perceber que se cum­pre aqui a “uto­pia pa­nóp­ti­ca”, de uma vi­são to­tal e si­mul­tâ­nea, na qu­al o sa­ber ava­li­a­ti­vo é um sa­ber ci­ber­né­ti­co sis­te­má­ti­co de con­tro­lo. A cul­tu­ra quan­ti­ta­ti­va da ava­li­a­ção (apre­sen­ta­da co­mo ne­ces­sá­ria e ine­vi­tá­vel, ex­pres­sa não ape­nas em ran­kings, mas tam­bém em ín­di­ces bi­bli­o­mé­tri­cos) adop­tou em gran­de me­di­da os ins­tru­men­tos al­go­rít­mi­cos. E em­bo­ra os ran­kings se­jam com evi­dên­cia um me­ca­nis­mo de go­ver­na­ção das uni­ver­si­da­des e da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, eles têm ou­tras con­sequên­ci­as per­ver­sas: são pro­fe­ci­as que se au­to-re­a­li­zam. É sem dú­vi­da ne­ces­sá­rio sub­me­ter a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e as uni­ver­si­da­des à ava­li­a­ção para as­se­gu­rar cri­té­ri­os ra­zoá­veis de aplicação dos re­cur­sos pú­bli­cos e para es­ti­mu­lar a com­pe­ti­ção, em ní­veis sau­dá­veis. Se dis­ser­mos que a ava­li­a­ção é um pro­ces­so “po­lí­ti­co”, não é ne­ces­sa­ri­a­men­te para ne­gar que a po­lí­ti­ca, ide­al­men­te, vi­sa os be­ne­fí­ci­os da po­lis, da co­lec­ti­vi­da­de. Mas, co­mo é sa­bi­do, se uma do­se de com­pe­ti­ção é útil e uma ava­li­a­ção do tra­ba­lho pro­du­zi­do é in­dis­pen­sá­vel, já há mui­to tem­po que nes­te do­mí­nio os li­mi­a­res de ra­zo­a­bi­li­da­de fo­ram to­dos su­pe­ra­dos. E is­so tem da­do lu­gar a dis­cus­sões, po­lé­mi­cas e de­ba­tes que ali­men­tam uma abun­dan­te bi­bli­o­gra­fia. O ci­en­tis­ta suí­ço Ri­chard R. Ernst, que foi Pré­mio No­bel da Quí­mi­ca em 1991, fez uma vez es­ta de­cla­ra­ção co­lé­ri­ca: “O meu de­se­jo pes­so­al é o de en­vi­ar to­da a bi­bli­o­me­tria e os seus di­li­gen­tes ser­vi­do­res para o mais es­cu­ro e om­ní­vo­ro bu­ra­co ne­gro co­nhe­ci­do em to­do o uni­ver­so, de mo­do a li­ber­tar para sem­pre a aca­de­mia des­ta pes­ti­lên­cia”. Não é nas ci­ên­ci­as du­ras, mas nas ci­ên­ci­as hu­ma­nas e so­ci­ais, aque­las em que os mé­to­dos e os pro­ces­sos de ava­li­a­ção são mais con­tes­ta­dos. A crí­ti­ca mais fre­quen­te é a de que a “quan­ti­fi­ca­ção” das ci­ên­ci­as hu­ma­nas se­gun­do o mo­de­lo das ci­ên­ci­as du­ras é ina­de­qua­da, um er­ro com efei­tos ma­lé­fi­cos pe­sa­dos para o cam­po das ou­tro­ra cha­ma­das “hu­ma­ni­da­des”, ain­da que se re­co­nhe­ça que a ve­lha di­co­to­mia en­tre es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos e es­tu­dos hu­ma­nis­tas per­deu a sua ac­tu­a­li­da­de. O pa­ra­dig­ma das du­as cul­tu­ras é ho­je uma re­lí­quia do pas­sa­do. O que é mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo nos ran­kings das uni­ver­si­da­des es­ta­be­le­ci­dos por agên­ci­as é que eles são mui­tos e con­tra­di­zem-se uns aos ou­tros, o que é nor­mal e mos­tra à evi­dên­cia que, nes­te do­mí­nio, as quan­ti­fi­ca­ções de­pen­dem dos mé­to­dos de ava­li­a­ção e, no fun­do, tra­du­zem ape­nas uma ver­da­de es­ta­tís­ti­ca que tem um va­lor mui­to re­la­ti­vo. Nes­te jor­nal, uma no­tí­cia de 28 de Maio des­te ano di­zia, no tí­tu­lo: “Uni­ver­si­da­des na­ci­o­nais em al­ta no mai­or ran­king mun­di­al” (aque­le que tem a si­gla CWUR). A 6 de Ju­nho, ou­tra no­tí­cia, no mes­mo jor­nal, era as­sim in­ti­tu­la­da: “Uni­ver­si­da­des portuguesas em que­da qua­se ge­ne­ra­li­za­da no ran­king QS”. O pro­ble­ma não es­tá em sa­ber qu­al dos dois ran­kings é o ver­da­dei­ro, ou qu­al dos dois é o mais ver­da­dei­ro; o pro­ble­ma é que se­ja vis­to co­mo ci­en­tí­fi­co o que é pu­ra ide­o­lo­gia. para o ca­ti­vei­ro e para uma mor­te pi­or que a mor­te: a da ser­vi­dão que ani­qui­la a sua dig­ni­da­de e con­di­ção hu­ma­na. Uma si­tu­a­ção di­la­ce­ran­te e pa­ra­do­xal à qu­al as pri­si­o­nei­ras troi­a­nas hão-de dar ex­pres­são, nu­ma su­ges­tão sub­til­men­te ca­mo­ni­a­na. O so­ne­to cu­jos dois pri­mei­ros ver­sos são “Tan­to de meu es­ta­do me acho in­cer­to,/ que em vivo ar­dor tre­men­do estou de frio” pa­re­ce per­pas­sar pe­las pa­la­vras das ca­ti­vas: “Mas ai, eu sin­to e lem­bro e, es­tra­nha­men­te, sob es­se sol de Ve­rão tre­mo de frio” (p. 31). Es­sa tem­pe­ra­tu­ra con­tra­di­tó­ria e ex­cru­ci­an­te é a ima­gem elo­quen­te e de­ci­si­va do des­ti­no amar­gu­ra­do de Íli­on. À so­be­ra­nia su­ce­de o ca­ti­vei­ro.

As­sim, e com es­tas nar­ra­ti­vas, é co­mo se o es­cri­tor chi­le­no nos qui­ses­se dar mais uma cha­ve para abrir ou­tro dos seus al­ça­pões: o do nas­ci­men­to de al­gu­mas das su­as per­so­na­gens (al­guns tex­tos po­de­rão ter si­do es­cri­tos ao mes­mo tem­po que Bo­laño tra­ba­lha­va nou­tros li­vros). Ve­mos apa­re­cer Ar­tu­ro Be­la­no, que se tor­na­rá no al­ter-ego do au­tor, e que apa­re­ce­rá em Os De­tec­ti­ves Sel­va­gens (Qu­et­zal, 2017); e não fal­tam re­fe­rên­ci­as a mui­tos ou­tros li­vros: o avião de O Ter­cei­ro Rei­ch, o Mes­sers­ch­mitt, “a joi­a­zi­nha da Luftwaf­fe”, e o seu pi­lo­to Hans Mar­seil­le, ain­da o te­nen­te Hoff­man que sur­ge em Es­tre­la Dis­tan­te ( bem co­mo uma epí­gra­fe em que se diz que um avião es­cre­via men­sa­gens no céu); ou ain­da a per­so­na­gem “o ver­me”, que sur­gi­rá di­fe­ren­te num con­to de Cha­ma­das Te­le­fó­ni­cas. De­pois há per­so­na­gens mais am­bí­guas, co­mo o po­e­ta Cher­ni­a­kovs­ki ou a dou­to­ra Amal­fi­ta­no, que re­me­tem igual­men­te para me­mó­ri­as de ou­tros li­vros, en­tre os quais A Li­te­ra­tu­ra Na­zi nas Amé­ri­cas.

Mas Se­pul­cros de Cow­boys não se fi­ca por des­ven­dar al­guns la­dos mais des­co­nhe­ci­dos das per­so­na­gens de ou­tros li­vros. Há ne­le tam­bém o re­cor­rer con­ti­nu­a­do a um es­pa­ço ge­o­grá­fi­co narrativo co­nhe­ci­do, que al­ter­na en­tre o Chi­le e o Mé­xi­co, me­re­cen­do uma aten­ção es­pe­ci­al, a pro­vín­cia de So­no­ra, e o lu­gar de San­ta Teresa, que Bo­laño imor­ta­li­zou em 2666. Es­ta ge­o­gra­fia, por ve­zes am­bí­gua, re­me­te sem­pre para uma pre­sen­ça bi­o­grá­fi­ca. É as­sim que lo­go no co­me­ço da se­gun­da his­tó­ria (ou na se­gun­da sec­ção do li­vro, co­mo se quei­ra ler) Ar­tu­ro Be­la­no se apre­sen­ta di­zen­do que “não sa­bia se era chi­le­no ou me­xi­ca­no e tam­bém não me im­por­ta­va mui­to com is­so”. A bi­o­gra­fia li­te­rá­ria (e não ape­nas a au­to­bi­o­gra­fia) é um dos re­cur­sos es­ti­lís­ti­cos e nar­ra­ti­vos a que Bo­laño re­cor­re fre­quen­te­men­te; e em Se­pul­cros de Cow­boys, são vá­ri­os os tex­tos em que os pro­ta­go­nis­tas são po­e­tas.

Nes­te li­vro, as his­tó­ri­as, as su­as tra­mas, não se des­vi­am da­qui­lo que é ha­bi­tu­al em Bo­laño: o hor­ror da vi­o­lên­cia (de on­de não es­tá au­sen­te uma cer­ta me­lan­co­lia), o exí­lio por mo­ti­vos po­lí­ti­cos, os fa­lha­dos, e os an­tihe­róis. Para ele o tex­to li­te­rá­rio é uma fan­tas­ma­go­ria con­de­na­da aos pe­sa­de­los e às vi­sões; ne­le, o pas­sa­do, que é tra­zi­do pe­los ven­tos ne­gros da mi­sé­ria para o cam­po ri­tu­al do hor­ror, é a me­mó­ria em per­ma­nen­te cons­tru­ção (ou me­lhor, é an­tes uma es­pé­cie de cons­tru­ção do es­que­ci­men­to), é o ima­gi­ná­rio co­lec­ti­vo es­va­zi­a­do e em con­tí­nua re­for­mu­la­ção num es­pa­ço es­ti­lha­ça­do pe­las me­mó­ri­as in­di­vi­du­ais, sem mi­to­lo­gi­as nem he­róis, em que o épi­co se trans­for­mou em ele­gia. Para Bo­laño a li­te­ra­tu­ra era o duro ofí­cio de dar voz aos fan­tas­mas que ha­bi­tam a noi­te es­cu­ra da nos­sa al­ma, es­ses lu­ga­res on­de já mal se ou­vem can­ções e on­de ca­bem a lou­cu­ra e o hor­ror. Es­sa es­pé­cie de atrac­ção pe­lo va­zio do abis­mo, pe­la ver­ti­gem e pe­la que­da, es­tá pre­sen­te em to­da a sua obra (es­te li­vro não foge à re­gra). O que sem­pre o im­por­tou não foi o san­gue nem as ba­las, fo­ram as vi­das ba­nais das per­so­na­gens, com as su­as gran­des der­ro­tas, car­re­gan­do às cos­tas os ma­gros des­po­jos dos seus nau­frá­gi­os, fo­ram as vi­das ví­ti­mas das des­gra­ças, vi­das va­ga­bun­das e mar­gi­nais, fo­ram os or­gu­lho­sos anti-he­róis e as su­as mis­sões im­pos­sí­veis, e foi so­bre­tu­do es­sa in­ces­san­te bus­ca pe­la so­bre­vi­vên­cia a que to­das as su­as per­so­na­gens es­tão ir­re­me­di­a­vel­men­te con­de­na­das.

O es­cri­tor chi­le­no Ro­ber­to Bo­laño de­sa­pa­re­ci­do em 2003

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.