Uma ques­tão de hon­ra

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A Filha do Po­cei­ro é um fil­me sobre a hon­ra, a hon­ra de “gé­ne­ro” e a hon­ra de “clas­se”. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

A Filha do Po­cei­ro

La Fil­le du Pui­sa­ti­er

De Mar­cel Pag­nol

Com Rai­mu, Jo­set­te Day, Fer­nan­del, Fer­nand Char­pin De­pois de A Mu­lher do Pa­dei­ro, che­ga ao ci­clo de ci­ne­ma clás­si­co fran­cês ou­tro fil­me de Mar­cel Pag­nol, A Filha do Po­cei­ro, re­a­li­za­do dois anos mais tar­de, em 1940. O ano, cla­ro, da in­va­são ale­mã de Fran­ça, da rá­pi­da der­ro­ta mi­li­tar fran­ce­sa e sub­se­quen­te Ocu­pa­ção. O fil­me, con­ta a “pe­que­na his­tó­ria” da sua ro­da­gem, foi fei­to com a guer­ra co­mo pa­no de fun­do, ha­ven­do re­la­tos de co­mo vá­ri­os pla­nos ti­ve­ram que ser re­pe­ti­dos por­que o equi­pa­men­to de gra­va­ção so­no­ra re­gis­ta­va as ex­plo­sões e os dis­pa­ros de uma fren­te de com­ba­te que dis­ta­va pou­cas de­ze­nas de qui­ló­me­tros do lo­cal das fil­ma­gens. Mas, mais do que ape­nas “pe­que­na his­tó­ria”, a guer­ra é tra­zi­da para den­tro do fil­me — as per­so­na­gens mas­cu­li­nas par­tem para o ser­vi­ço mi­li­tar, e o mo­men­to da ren­di­ção fran­ce­sa é as­si­na­la­do pe­la trans­mis­são ra­di­o­fó­ni­ca do dis­cur­so de ar­mis­tí­cio do Ma­re­chal Pé­tain (que, em re­mon­ta­gens pos­te­ri­o­res a 1944 e à Li­ber­ta­ção, Pag­nol subs­ti­tuiu pe­lo dis­cur­so, de si­nal con­trá­rio, pro­fe­ri­do na mes­ma al­tu­ra por De Gaul­le, ape­lan­do, de Lon­dres, à re­sis­tên­cia — mas a có­pia que vai ser mos­tra­da no Ni­mas cor­res­pon­de à ver­são ori­gi­nal, é Pé­tain que ou­vi­mos).

Mas dis­cu­tir o lu­gar do fil­me, e a sua pe­cu­li­ar mis­tu­ra de fa­ta­lis­mo e com­ba­ti­vi­da­de, no con­tex­to da der­ro­ta fran­ce­sa e da Ocu­pa­ção, da­ria pa­nos para man­gas que não são para aqui. O que im­por­ta des­de lo­go é di­zer que é uma obra-pri­ma, e que os es­pec­ta­do­res que se dei­xa­ram ca­ti­var por Pag­nol com A Mu­lher do Pa­dei­ro não sai­rão, por cer­to, de­cep­ci­o­na­dos. Se a pro­pó­si­to des­se fil­me re­fe­ri­mos que, no seu re­tra­to de co­mu­ni­da­de, ele nos pa­re­cia es­tra­nha­men­te “for­di­a­no”, A Filha do Po­cei­ro des­per­ta-nos uma com­pa­ra­ção igual­men­te “exó­ge­na”: pen­sa­mos em Mi­zo­gu­chi e no for­ma­lis­mo so­ci­al ja­po­nês tal co­mo ele o des­cre­veu, es­pe­ci­al­men­te no que to­ca aos es­ta­tu­tos de ho­mens e mulheres e à for­ma co­mo eles são in­te­ri­o­ri­za­dos e vi­vi­dos com um sen­ti­do de ho­no­ra­bi­li­da­de par­ti­cu­lar­men­te acen­tu­a­do — em úl­ti­ma aná­li­se, A Filha do Po­cei­ro é um fil­me sobre a hon­ra, a hon­ra de “gé­ne­ro” e a hon­ra de “clas­se”. To­da a sequên­cia fi­nal é co­mo uma ne­go­ci­a­ção di­plo­má­ti­ca de “re­pa­ra­ções” en­tre as du­as fa­mí­li­as pro­ta­go­nis­tas, a “família do po­cei­ro” (os po­bres) e a “família do ba­zar” (os abas­ta­dos), mas to­dos es­tes te­mas es­tão lá, des­de o prin­cí­pio, a en­for­mar as mo­ti­va­ções e as ac­ções das per­so­na­gens. Se to­dos vi­vem ob­ce­ca­dos com a “coi­sa cer­ta” a fa­zer, o mo­men­to cru­ci­al, a “fa­lha” que ali­men­ta a nar­ra­ti­va, é a relação se­xu­al en­tre a filha do po­cei­ro ( Jo­set­te Day, que vi­ria a ser, anos mais tar­de, a “Bela” de Coc­te­au) e o “fi­lho do ba­zar”, que dá em gra­vi­dez pré-nup­ci­al (des­cri­ta du­ma ma­nei­ra que é ao mes­mo tem­po mui­to ex­plí­ci­ta e mui­to elíp­ti­ca, nu­ma fran­que­za ape­sar de tudo sur­pre­en­den­te) e se tor­na na “man­cha” que co­bre to­das as per­so­na­gens e as du­as fa­mí­li­as. A elip­se, já ago­ra, é a fi­gu­ra es­ti­lís­ti­ca fun­da­men­tal do fil­me: pra­ti­ca­men­te não há “ac­ções” para além do dis­cur­so oral (to­ma­do co­mo “ac­ção” em si mes­mo), e o que acon­te­ce é qua­se sem­pre da­do por re­la­to pos­te­ri­or (as­sim, o mo­men­to da “que­da na ten­ta­ção” en­tre os dois jo­vens, da­do num mag­ní­fi­co gran­de pla­no de Jo­set­te Day a re­flec­tir sobre o que aca­bou de acon­te­cer en­tre eles, com uma gra­ça as­som­bra­da que, di­ría­mos, só é

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.