Pôr o Alen­te­jo no ma­pa

Publico - Ipsilon - - Sumário -

No co­ra­ção do Alen­te­jo mos­tra-se ar­te con­tem­po­râ­nea afri­ca­na. Luí­sa So­a­res de Oli­vei­ra

Drawing Afri­ca on the Map De­se­nho, Ins­ta­la­ção.

Mar­le­ne Du­mas, Wil­li­am Ken­trid­ge, Moshekwa Lan­ga, Ga­reth Nyan­do­ro, Bahia Shehab VI­LA DE FRADES. Quin­ta do Qu­et­zal. 2ª, 4ª, 5ª e do­min­go, das 10h às 18h. 6ª e sábado, das 10h às 23h. Até 31 de Mar­ço de 2019.

O ce­ná­rio é idí­li­co e ines­pe­ra­do — uma fun­da­ção com um cen­tro de ex­po­si­ções de ar­te con­tem­po­râ­nea no cen­tro da pla­ní­cie alen­te­ja­na, a mi­lhas de dis­tân­cia de qu­al­quer cen­tro ar­tís­ti­co eu­ro­peu de re­no­me. A Fun­da­ção Qu­et­zal, dos co­le­ci­o­na­do­res ho­lan­de­ses Ce­es e In­ge de Bruin, é aqui pro­pri­e­tá­ria de uma her­da­de pro­du­to­ra de vi­nho, de um res­tau­ran­te de lu­xo e des­te es­pa­ço, que tem cu­ra­do­ria da filha do casal, Ave­li­ne de Bruin. A colecção que am­bos reu­ni­ram é dis­cre­ta e pou­co co­nhe­ci­da, co­mo é ha­bi­tu­al na cul­tu­ra do nor­te da Eu­ro­pa. Vai-se mos­tran­do pon­tu­al­men­te em ex­po­si­ções por to­do o mun­do, sem que exis­ta, por exem­plo, um mu­seu ou um ca­tá­lo­go pu­bli­ca­do sobre es­te acer­vo que, ao que se diz, in­clui tra­ba­lhos de mais de 500 ar­tis­tas.

Drawing Afri­ca on the Map, co­mo o tí­tu­lo dei­xa adi­vi­nhar, in­clui tra­ba­lhos em de­se­nho de ar­tis­tas nas­ci­dos no con­ti­nen­te afri­ca­no. O tí­tu­lo pos­sui um du­plo sen­ti­do que re­for­ça sub­til­men­te a pre­sen­ça des­ta dis­ci­pli­na ar­tís­ti­ca com o in­te­res­se que a ar­te con­tem­po­râ­nea oriun­da des­te con­ti­nen­te tem sus­ci­ta­do um pou­co por to­do o mun­do nos úl­ti­mos anos. A ex­po­si­ção, que acom­pa­nhou o fes­ti­val Évo­ra

Áfri­ca que de­cor­reu na­que­la ci­da­de de Maio a 25 de Agos­to (e que tam­bém in­cluía uma ex­po­si­ção de ar­tis­tas con­tem­po­râ­ne­os afri­ca­nos), pro­lon­ga no tem­po um dos ob­jec­ti­vos des­se fes­ti­val: dar a co­nhe­cer um con­jun­to de prá­ti­cas ar­tís­ti­cas que, se não re­le­vam pro­pri­a­men­te do as­su­mir vo­lun­ta­ri­o­so de uma iden­ti­da­de es­pe­cí­fi­ca, ne­gam a au­to­no­mia do ob­jec­to ar­tís­ti­co de ge­ne­a­lo­gia mo­der­nis­ta e eu­ro­cên­tri­ca a fa­vor de uma nar­ra­ti­vi­da­de so­ci­al, po­lí­ti­ca ou an­tro­po­ló­gi­ca.

Ape­sar da om­ni­pre­sen­ça do de­se­nho, es­ta nar­ra­ti­vi­da­de po­de, ou não, trans­bor­dar para ou­tras dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas. Ga­reth Nyan­do­ro, por exem­plo, cu­ja obra sus­ci­tou a de­fi­ni­ção do con­cei­to da ex­po­si­ção e a es­co­lha dos ou­tros ar­tis­tas, apre­sen­ta aqui uma in­di­vi­du­al in­ti­tu­la­da Ku4: um con­jun­to de pe­ças com­ple­xas que as­su­mem o for­ma­to da ins­ta­la­ção. Uma ca­ba­na pre­cá­ria, cai­xas de fo­lha que se abrem para mos­trar ima­gens, uma su­pos­ta ofi­ci­na de re­pa­ra­ção de bi­ci­cle­tas e mes­mo um gran­de de­se­nho mu­ral que ocu­pa uma pa­re­de da sa­la mis­tu­ram téc­ni­cas de im­pres­são ele­men­ta­res, co­mo a frot­ta­ge e a de­cal­co­ma­nia, com um fa­zer ar­te­sa­nal, in­tui­ti­vo, “po­bre” por­que apoi­a­do na re­cu­pe­ra­ção de ma­te­ri­ais usa­dos. Não es­tá lon­ge das im­pres­sões vi­su­ais pro­por­ci­o­na­das pe­los gran­des su­búr­bi­os, fa­ve­las e bair­ros de la­ta que nas­cem me­tas­ta­ti­ca­men­te jun­to das gran­des me­tró­po­les do ter­cei­ro mun­do, e as­su­me es­sa es­té­ti­ca que na­da tem a ver com a ar­te que se vê ha­bi­tu­al­men­te nos mu­seus.

Em Nyan­do­ro ra­di­cam as du­as ou­tras sa­las da ex­po­si­ção, to­das elas com obras per­ten­cen­tes à colecção de Bruin-Heijn. Nu­ma de­las, Wil­li­am Ken­trid­ge, o ar­tis­ta sul-afri­ca­no que há cer­ca de um ano mos­trou um fan­tás­ti­co tra­ba­lho em ví­deo na Ano­ze­ro, a bi­e­nal de ar­te de Coim­bra, as­si­na um con­jun­to de pe­que­nos fil­mes em ani­ma­ção en­ce­nan­do os seus dois al­ter-ego: Fe­lix Tei­tel­baum, um ar­tis­ta, e Soho Ecks­tein, um ho­mem de ne­gó­ci­os. Os fil­mes, to­dos eles mui­to cur­tos e da­ta­dos de en­tre 1989 e 2011, contam pe­que­nas his­tó­ri­as on­de as for­mas prin­ci­pais — a ca­be­ça do ca­pi­ta­lis­ta, por exem­plo, ou um ga­to pre­to, com­pa­nhia do Sr. Ecks­tein — se vão me­ta­mor­fo­se­an­do gra­ças ao pró­prio pro­ces­so da cons­tru­ção do fil­me ani­ma­do. O tra­ço, mui­to ex­pres­si­vo e evi­den­te, vai dei­xan­do apa­ren­te, sobre o pró­prio fun­do da ima­gem fil­ma­da, os er­ros, as emen­das e os apa­ga­dos que o au­tor foi fa­zen­do. De cer­to mo­do, du­pli­ca as in­ter­ro­ga­ções de Ken­trid­ge so­be o seu pró­prio lu­gar na so­ci­e­da­de sul-afri­ca­na de ho­je, as mes­mas que já po­día­mos adi­vi­nhar nou­tros tra­ba­lhos seus.

Uma se­gun­da sa­la reú­ne de­se­nhos e agua­re­las de Mar­le­ne Du­mas e Moshekwa Lan­ga: obras on­de se no­ta a im­pul­si­vi­da­de pró­pria ao de­se­nho, que não ape­nas exi­ge um tem­po de re­fle­xão sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te mais cur­to do que o da pin­tu­ra, co­mo im­pli­ca uma li­ber­da­de do fa­zer que não exis­te nou­tras dis­ci­pli­nas. De­se­nhar, afi­nal, co­me­ça sem­pre pe­lo tra­ça­do de uma li­nha no es­pa­ço, sem que nin­guém di­ga nun­ca ao ar­tis­ta, à par­ti­da, que li­nha ou que es­pa­ço são es­ses. Du­mas, tam­bém sul-afri­ca­na, vi­ve na Ho­lan­da há dé­ca­das, e per­ce­be­se pe­la quan­ti­da­de im­pres­si­o­nan­te de obras ex­pos­tas que a sua pro­xi­mi­da­de com o casal de co­lec­ci­o­na­do­res é es­trei­ta. Lan­ga pos­sui uma lin­gua­gem mais pró­xi­ma do oní­ri­co e do fan­tás­ti­co, para não men­ci­o­nar a ico­no­gra­fia das nar­ra­ti­vas tra­di­ci­o­nais afri­ca­nas que de­tec­ta­mos mui­to pró­xi­mas do seu tra­ba­lho que, con­tu­do, se­gun­do a cu­ra­do­ra, cons­ti­tui an­tes de tudo o mais uma pro­cu­ra iden­ti­tá­ria pes­so­al.

A úl­ti­ma pe­ça, as­si­na­da por Bahia Shehab, é de mon­ta­gem dis­cre­ta, tan­to que é pre­ci­so perguntar por ela para a ver­mos. Es­tá nu­ma pa­re­de al­ta, só vi­sí­vel em par­te ora do ex­te­ri­or, ora do cor­re­dor que dá aces­so às sa­las, e con­sis­te na co­la­gem de mil pe­ças de vi­nil re­pre­sen­tan­do ou­tras tan­tas for­mas de es­cre­ver o ca­rac­ter ára­be que sig­ni­fi­ca “não”. A ar­tis­ta pes­qui­sou em di­ver­sos con­tex­tos ge­o­grá­fi­cos, da Es­pa­nha à Chi­na, e reu­niu es­ta colecção de ca­li­gra­fi­as — que tam­bém exis­te em li­vro — que re­pre­sen­ta a re­cu­sa de to­das as idei­as fei­tas sobre a sua iden­ti­da­de, du­pli­ca­das aqui pe­la pa­la­vra que deu ori­gem às pri­ma­ve­ras ára­bes há al­guns anos. É uma pe­ça po­de­ro­sa que me­re­cia sem dú­vi­da me­lho­res con­di­ções de ex­po­si­ção.

A obra de Ga­reth Nyan­do­ro sus­ci­tou a de­fi­ni­ção do con­cei­to da ex­po­si­ção e a es­co­lha dos ou­tros ar­tis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.