É um his­tó­ri­co, mas ain­da não pas­sou à His­tó­ria

Publico - Ipsilon - - Su­má­rio - Gon­ça­lo Fro­ta

Paul McCart­ney ti­nha 27 anos quan­do os Be­a­tles se se­pa­ra­ram. Com mai­or ou me­nor do­sa­gem do in­gre­di­en­te Yo­ko Ono na re­cei­ta pa­ra o de­sas­tre, a ver­da­de é que o des­con­for­to en­tre os qua­tro mú­si­cos há que se vi­nha anun­ci­an­do. Não se­ria fá­cil so­bre­vi­ver en­quan­to gru­po ao des­gas­te pro­vo­ca­do pe­la po­pu­la­ri­da­de des­me­su­ra­da e ir­ra­ci­o­nal da­que­la épo­ca, aos gri­tos do pú­bli­co que so­ter­ra­vam o som dos ins­tru­men­tos nos con­cer­tos, às cons­tan­tes di­gres­sões que ter­mi­na­ram de­vi­do a es­sa mes­ma in­ca­pa­ci­da­de prá­ti­ca de se­rem uma ban­da de pal­co sem se ou­vi­rem uns aos ou­tros, ao fo­co co­lo­ca­do em ab­so­lu­to na vi­da de es­tú­dio, na per­cen­ta­gem das com­po­si­ções de ca­da um que che­ga­vam ao ali­nha­men­to fi­nal de ál­bum após ál­bum e na ca­da vez mais com­pli­ca­da con­vi­vên­cia das for­ças cri­a­ti­vas de Len­non e McCart­ney.

Já em 1967, re­cor­de­mos, quan­do os Be­a­tles pre­pa­ra­vam a gra­va­ção de Sgt. Pep­per’s Lo­nely He­arts Club Band, John Len­non ha­via ale­ga­da­men­te de de­ses­pe­rar com um blo­queio cri­a­ti­vo, en­quan­to ao seu la­do Paul McCart­ney apa­re­cia com canções mag­ní­fi­cas sem acu­sar fal­ta de idei­as. A day in the li­fe, es­sa obra-pri­ma ex­tra­or­di­ná­ria da dis­co­gra­fia do quar­te­to, sur­gi­ria, pre­ci­sa­men­te, a par­tir de um ex­cer­to em que Len­non, a lu­tar con­tra a pá­gi­na em branco, se vol­ta­va pa­ra a re­a­li­da­de (” I re­ad the news to­day, oh boy”.) na ten­ta­ti­va de en­con­trar al­go de con­cre­to a que dar voz, seg­men­to co­la­do por Ge­or­ge Mar­tin em es­tú­dio a um ou­tro pe­da­ço de música cri­a­do por McCart­ney.

O bai­xis­ta e vo­ca­lis­ta ti­nha, en­tão, 27 anos em 1970, quan­do os Be­a­tles se­gui­ram ca­mi­nhos dis­tin­tos. Em cur­tís­si­mos se­te anos os fab four ti­nham re­vo­lu­ci­o­na­do por com­ple­to o ideá­rio pop/rock e in­ven­ta­do a mais ab­so­lu­ta e re­sis­ten­te ma­triz da música po­pu­lar glo­bal que co­nhe­ce­mos até ho­je. Che­ga­dos a um ál­bum de es­tag­na­ção (no sen­ti­do de con­so­li­dar e não apon­tar no­vos ca­mi­nhos) co­mo Let it Be — úl­ti­mo a ser pu­bli­ca­do, mas pe­núl­ti­mo a ser gra­va­do —, tal­vez não hou­ves­se mes­mo for­ma de con­ti­nu­ar. Tal­vez ape­nas te­nha­mos si­do pou­pa­dos a uma de­ca­dên­cia em di­rec­to ou uma ban­da de gé­nio a ser ci­lin­dra­da pe­la ar­ma­di­lha da re­pe­ti­ção.

Em­bo­ra Len­non ti­ves­se já ba­ti­do com a por­ta, foi o co­mu­ni­ca­do de im­pren­sa de McCart­ney, o pri­mei­ro ál­bum a so­lo do bai­xis­ta dos qua­tro de Li­ver­po­ol, a des­ven­dar a rup­tu­ra, em Abril de 1970. McCart­ney foi lan­ça­do com es­cas­sas se­ma­nas de in­ter­va­lo de Let it Be e no co­mu­ni­ca­do, de que cons­ta­va uma en­tre­vis­ta ao mú­si­co re­a­li­za­da por Pe­ter Brown (da Ap­ple), Paul re­ve­la­va que aque­le ges­to edi­to­ri­al se tra­ta­va do iní­cio de uma car­rei­ra a so­lo e que o fac­to de não ser as­si­na­do pe­los

Não se es­pe­re de uma ex­tra­va­gân­cia com­pa­rá­vel à de

Mas so­bre­tu­do no úl­ti­mo ter­ço, McCart­ney ati­ra-se a canções bem mais ar­ris­ca­das do que a sua re­pu­ta­ção de “Be­a­tle con­ser­va­dor” fa­ria su­por O ex-Be­a­tle não me­teu os pa­péis pa­ra a re­for­ma nem se afun­dou nu­ma pol­tro­na a ver pas­sar os di­as. Egypt Sta­ti­on, 17º ál­bum a so­lo, diz-nos que a sua len­da ain­da es­tá a ser es­cri­ta.

Egypt Sta­ti­on Paul McCart­ney Uni­ver­sal Mu­sic Be­a­tles sig­ni­fi­ca­va que era “ape­nas uma pau­sa”. Mas lo­go a se­guir ex­pli­ca­va que es­sa pau­sa era mo­ti­va­da por “di­ver­gên­ci­as pes­so­ais, co­mer­ci­ais, mu­si­cais” e de­cla­ra­va a sua ab­so­lu­ta des­cren­ça em qual­quer re­ac­ti­va­ção da par­ce­ria cri­a­ti­va com Len­non.

Os me­ros seis anos que dis­tam en­tre Ple­a­se Ple­a­se Me e Whi­te Al­bum, que es­ti­cam pa­ra lá do ima­gi­ná­vel a li­nha tem­po­ral da in­ge­nui­da­de pop de I wan­na hold your hand ao pre­nún­cio do he­avy me­tal que é Hel­ter Skel­ter ou à apli­ca­ção de téc­ni­cas de co­la­gem ins­pi­ra­das por Stockhau­sen em Re­vo­lu­ti­on 9, se­ri­am su­fi­ci­en­tes pa­ra ga­ran­tir a Paul McCart­ney um lu­gar de lu­xo na His­tó­ria da música po­pu­lar. Mas se­ria im­pen­sá­vel que, uma vez ter­mi­na­da a aven­tu­ra com os Be­a­tles, qual­quer um dos qua­tro mú­si­cos achas­se que es­ta­va na al­tu­ra de se re­ti­rar e go­zar os lou­ros con­quis­ta­dos. Mes­mo aos 76 anos, ago­ra que McCart­ney lan­ça o seu 17º ál­bum a so­lo, a ideia de re­fre­ar a sua na­tu­re­za cri­a­ti­va per­ma­ne­ce afas­ta­da.

Paul McCart­ney, com oi­to ne­tos no cur­rí­cu­lo de vi­da pes­so­al, ar­gu­men­ta­va no úl­ti­mo nú­me­ro da re­vis­ta in­gle­sa Mo­jo que “o avô não po­de sim­ples­men­te fi­car sen­ta­do na sua pol­tro­na com um gran­de char­ro ace­so e uma gar­ra­fa de te­qui­la”. Mas a ha­ver al­guém cu­ja ne­ces­si­da­de ab­so­lu­ta de acres­cen­tar tí­tu­los à dis­co­gra­fia é es­cu­sa­da, es­se al­guém é cer­ta­men­te o ex- Be­a­tles. A me­nos que ‘Mac­ca’ te­nha da­do es­pe­ci­al re­le­vân­cia ao fac­to de, em 2015, nu­ma al­tu­ra em que fa­zia es­tron­do a no­tí­cia de que Kanye West e McCart­ney ti­nham gra­va­do jun­tos o te­ma Only one, ter-se dis­se­mi­na­do o twe­et em que um fã do rap­per es­cre­via: “quem raio é Paul McCart­ney ???!?? é por is­so que ado­ro o Kanye, por lan­çar al­gu­ma luz so­bre ar­tis­tas des­co­nhe­ci­dos”.

É na­tu­ral que, pa­ra uma ge­ra­ção cres­ci­da num pa­ra­dig­ma em que o hip-hop se tor­nou o no­vo mains­tre­am, a fi­gu­ra len­dá­ria de um no­me ci­mei­ro na his­tó­ria do rock pou­co pos­sa im­por­tar. Em sen­ti­do in­ver­so, não fal­ta­rão miúdos a pe­gar nu­ma gui­tar­ra que ig­no­rem quem fo­ram/são Afri­ka Bam­ba­a­taa, Grand­mas­ter Flash ou Su­garhill Gang. Acon­te­ce que es­se en­con­tro en­tre Kanye e Paul te­ve um po­ten­ci­al de re­ve­la­ção que não se fi­cou pe­los se­gui­do­res do rap­per com o ego mais in­su­fla­do do fir­ma­men­to pop ac­tu­al. Na mes­ma en­tre­vis­ta à Mo­jo, McCart­ney re­ve­la que a ex­pe­ri­ên­cia de es­tú­dio com West lhe abriu a por­ta pa­ra um ti­po de ex­pe­ri­men­ta­ção no­vo na sua lon­ga e ino­va­do­ra vi­da ar­tís­ti­ca. Afi­nal, em 2018, o ho­mem dos Be­a­tles ain­da es­tá a des­co­brir abor­da­gens de es­tú­dio iné­di­tas no seu per­cur­so — e, lem­bre­mos, os Be­a­tles pós- Re­vol­ver pas­sa­ram a ser uma ban­da de es­tú­dio e que ex­plo­rou de for­ma atu­ra­da e im­pen­sá­vel até en­tão as pos­si­bi-

Com oi­to ne­tos no cur­rí­cu­lo de vi­da pes­so­al, ar­gu­men­ta­va no úl­ti­mo nú­me­ro da re­vis­ta in­gle­sa Mo­jo que “o avô não po­de sim­ples­men­te fi­car sen­ta­do na sua pol­tro­na com um gran­de char­ro ace­so e uma gar­ra­fa de te­qui­la”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.