Os “fil­mes do ca­ra­ças” que não po­di­am ser dis­tri­buí­dos ga­nha­ram no­va ca­sa

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Nos pró­xi­mos seis me­ses, a Ci­ne­ma BOLD, sub-mar­ca que per­ten­ce à dis­tri­bui­do­ra Alam­bi­que e se de­di­ca a fil­mes de di­fí­cil dis­tri­bui­ção tra­di­ci­o­nal no mer­ca­do por­tu­guês, vai es­tre­ar seis fil­mes. Sem­pre nos ci­ne­mas UCI, no El Cor­te In­glés, em Lis­boa, e no Ar­rá­bi­daShop­ping, em Gaia, com ses­sões diá­ri­as à meia-noi­te, às 21h30 às quin­tas-fei­ras e às 19h aos do­min­gos. Os fil­mes fi­cam em sa­la um mês, fa­çam os es­pec­ta­do­res que fi­ze­rem, e as ses­sões de es­treia, às quin­tas­fei­ras, se­rão even­tos es­pe­ci­ais. Quan­do hou­ver pos­si­bi­li­da­de, os re­a­li­za­do­res apre­sen­ta­rão os seus fil­mes.

“As pes­so­as sa­bem que uma vez por mês há um fil­me ma­lu­co” pa­ra ver, ex­pli­ca ao Íp­si­lon Luís Apo­li­ná­rio, di­rec­tor da

Alam­bi­que. “Po­de ser do­cu­men­tá­rio, ani­ma­ção, co­mé­dia. Es­tá li­ga­do à fra­se ‘ain­da não vis­te tu­do’. Que­re­mos ter al­go que fa­ça a pes­soa di­zer: ‘aqui es­tá uma coi­sa em que ain­da não ti­nha pen­sa­do’.

O pri­mei­ro tí­tu­lo é Thel­ma, de Jo­a­chim Tri­er, so­bre uma ra­pa­ri­ga com po­de­res te­le­ci­né­ti­cos. Tem es­treia mar­ca­da pa­ra 4 de Ou­tu­bro. Se­rá com­ple­men­ta­do com a cur­ta A Es­tra­nha Ca­sa na Bru­ma, de Gui­lher­me Daniel, adap­ta­ção de H.P. Lo­ve­craft que ven­ceu o pré­mio de Me­lhor Cur­ta de Ter­ror Por­tu­gue­sa no MOTELX des­te ano. “Jo­a­chim Tri­er é um dos amo­res da Alam­bi­que”, as­su­me Apo­li­ná­rio. “É um fil­me a que acha­mos mui­ta gra­ça, mas es­tar a pro­mo­ver is­to de for­ma tra­di­ci­o­nal, pa­ra um público com mais de 50 anos, não vai cor­rer bem. Se ca­lhar con­se­guía­mos mais 200 ou 300 es­pec­ta­do­res, mas as pes­so­as que po­di­am ado­rar o fil­me não iam ver e ou­tras saíam um bo­ca­di­nho in­sa­tis­fei­tas”. Se­guem-se O In­ter­mi­ná­vel, dos ame­ri­ca­nos Jus­tin Ben­son e Aa­ron Mo­orhe­ad, fil­me de ter­ror que, diz o pro­gra­ma­dor, foi es­co­lhi­do por a BOLD es­tar aten­ta a “coi­sas es­qui­si­tas”. E “pro­va que é pos­sí­vel com tu­ta e meia fa­zer um fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca do ca­ra­ças”. Se­guem­se, nos me­ses de­pois, A Ár­vo­re da Dis­cór­dia, do is­lan­dês Hafs­teinn Gun­nar Si­gurðs­son, co­mé­dia ne­gra so­bre a dis­pu­ta en­tre vi­zi­nhos so­bre a som­bra que uma ár­vo­re faz — é “um gos­to pes­so­al” do dis­tri­bui­dor es­te “sen­ti­do de hu­mor nór­di­co cru­el” —, Bor­der, mis­tu­ra en­tre re­a­lis­mo e fan­ta­sia cen­tra­da nu­ma mu­lher de 40 anos a des­co­brir a sua iden­ti­da­de, com re­a­li­za­ção de Ali Ab­ba­si, que nas­ceu no Irão, vi­veu na Sué­cia e ago­ra se fi­xou na Di­nar­mar­ca (re­ce­beu o pré­mio Un Cer­tain Re­gard em Can­nes), Clí­max, de Gas­par Noé, so­bre a bad trip de uma tru­pe de dan­ça­ri­nos de hip-hop. Por fim, e es­ta­re­mos já em Mar­ço, Arc­tic, do bra­si­lei­ro Joe Pen­na, com Mads Mik­kel­sen, um des­po­ja­do fil­me is­lan­dês de so­bre­vi­vên­cia no Ár­ti­co, que “é pre­ci­so en­qua­drar”, pa­ra “não en­ga­nar o cli­en­te, por­que não é um fil­me de ac­ção tra­di­ci­o­nal”.

To­dos fi­ca­rão dis­po­ní­veis em VOD uma se­ma­na de­pois da es­treia e, pro­me­te o res­pon­sá­vel, “vão di­vi­dir o público e a im­pren­sa”. “São fil­mes de li­mi­te que dão a ideia da di­ver­si­da­de e do quão cri­a­ti­vo o ci­ne­ma con­ti­nua a ser”, re­ma­ta. Ro­dri­go No­guei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.