A per­sis­tên­cia da me­mó­ria

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Pe­ter Din­kla­ge e El­le Fan­ning são os úl­ti­mos se­res hu­ma­nos na Ter­ra nes­te fil­me do­ce-amar­go so­bre re­a­pren­der a vi­ver. Jor­ge Mou­ri­nha

Ago­ra Es­ta­mos So­zi­nhos

I Think We’re Alo­ne Now

De Re­ed Mo­ra­no

Com Pe­ter Din­kla­ge, El­le Fan­ning “Já al­guém te dis­se que és um bo­ca­do es­qui­si­to?” “Já, mas es­tão to­dos mor­tos.” A con­ver­sa ten lu­gar en­tre um ho­mem e uma mu­lher que po­dem bem ser os úl­ti­mos se­res hu­ma­nos na Ter­ra, de­pois de um mis­te­ri­o­so apo­ca­lip­se que ma­tou to­da a gen­te. Del, o bi­bli­o­te­cá­rio que vai lim­pan­do a sua ci­da­de­zi­nha, en­ter­ran­do os mor­tos e re­co­lhen­do as su­as pi­lhas, não es­tá exac­ta­men­te fe­liz por ter com­pa­nhia en­quan­to pro­cu­ra man­ter uma ro­ti­na mais ou me­nos nor­mal. Gra­ce, a jo­vem que lhe apa­re­ceu vin­da sa­be-se lá de on­de, bem ten­ta fu­rar o seu mu­ro de pro­tec­ção, mas tem se­gre­dos pró­pri­os que só aos pou­cos se irão re­ve­lar. Du­as pes­so­as que não que­rem es­tar so­zi­nhas mas tam­bém não se que­rem abrir à ou­tra, a ten­ta­rem agar­rar-se a um mun­do que dei­xou de exis­tir.

Por­que é que es­se mun­do dei­xou de exis­tir não in­te­res­sa na­da ao ar­gu­men­tis­ta Mi­ke Ma­kowsky e ain­da me­nos à re­a­li­za­do­ra Re­ed Mo­ra­no (res­pon­sá­vel pe­los pri­mei­ros epi­só­di­os da sen­sa­ção The Hand­maid’s Ta­le). O que in­te­res­sa é o pre­sen­te, o en­con­tro en­tre o ta­ci­tur­no bi­bli­o­te­cá­rio que, por ser anão, era olha­do de es­gue­lha, e a miú­da que pa­re­ce ain­da tac­te­ar à pro­cu­ra do que sig­ni­fi­ca es­tar li­vre. Pa­re­cen­do que não, Ago­ra Es­ta­mos So­zi­nhos é um fil­me so­bre apren­der a vi­ver, so­zi­nho e com os ou­tros (an­tes ou de­pois do apo­ca­lip­se), cri­an­do um ce­ná­rio e de­pois dei­xan­do à sol­ta os seus dois ac­to­res pa­ra se des­co­bri­rem um ao ou­tro. O fil­me não pe­de a Pe­ter Din­kla­ge nem a El­le Fan­ning que se afas­tem das su­as zo­nas de con­for­to en­quan­to ac­to­res; pe­de-lhes, is­so sim, que vão mais fun­do, que as ex­plo­rem mais mi­nu­ci­o­sa­men­te, e não os in­co­mo­da en­quan­to o fa­zem.

Mes­mo quan­do abre a por­ta a sur­pre­sas (não di­re­mos na­da so­bre a úl­ti­ma meia-ho­ra), Mo­ra­no não o faz com o triun­fa­lis­mo de quem con­se­gue en­ga­nar o es­pec­ta­dor, mas sim com a na­tu­ra­li­da­de de quem nos quer re­cor­dar que há ou­tras his­tó­ri­as pos­sí­veis pa­ra lá da que es­co­lheu se­guir. Sim, Del e Gra­ce es­tão so­zi­nhos, mas es­ta­rão re­al­men­te? (O tí­tu­lo ori­gi­nal, evo­can­do um êxi­to pop dos anos 1980, é I Think We’re Alo­ne Now — “acho que já es­ta­mos so­zi­nhos”, o que a cer­te­za do tí­tu­lo por­tu­guês aca­ba por trair). Tal­vez es­te­jam sem­pre acom­pa­nha­dos pe­las su­as me­mó­ri­as, por­que des­sas nin­guém es­ca­pa (e es­se é, tam­bém, um dos te­mas do fil­me). Ago­ra Es­ta­mos So­zi­nhos é uma sur­pre­sa: um fil­me que se re­cu­sa a en­cai­xar em ga­ve­tas e gé­ne­ros, que dá es­pa­ço aos ac­to­res pa­ra ha­bi­tar uma his­tó­ria so­bre gen­te. Tu­do is­to em pou­co mais de ho­ra e meia, é obra.

Ago­ra Es­ta­mos So­zi­nhos: um fil­me so­bre apren­der a vi­ver, so­zi­nho e com os ou­tros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.