Ac­ção Pa­ra­le­la António Gu­er­rei­ro O mu­seu, a nu, pe­los seus ce­li­ba­tá­ri­os

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Quan­do um mu­seu se dobra pa­ra den­tro de si e ex­põe as su­as en­tra­nhas, a coi­sa não é bo­ni­ta de se ver. Is­so acon­te­ce ex­cep­ci­o­nal­men­te — deu-se ago­ra em Ser­ral­ves — não por­que os gran­des mu­seus cons­truí­dos no úl­ti­mo meio sé­cu­lo (pe­lo me­nos, des­de o nas­ci­men­to do Cen­tro Ge­or­ges Pom­pi­dou, em 1978) não se­jam uma má­qui­na sump­tuá­ria de au­to-ex­po­si­ção, mas por­que os pro­dí­gi­os de ar­qui­tec­tu­ra ex­pos­tos à con­tem­pla­ção ex­ta­si­a­da dos vi­si­tan­tes tem um efei­to mui­to útil de ecrã: tu­do pe­la con­tem­pla­ção, na­da pe­la con­tes­ta­ção. O efei­to de ecrã es­ten­de-se a tu­do o que se pas­sa lá den­tro, tan­to nos ga­bi­ne­tes de ges­tão co­mo nas sa­las de ex­po­si­ção: o mu­seu, em si, tor­nou-se a sua pró­pria fi­na­li­da­de e a sua vo­ca­ção é mui­to mais ex­por-se do que ex­por. Mas às ve­zes há um aci­den­te que es­ba­te a opa­ci­da­de do ecrã. Foi o que acon­te­ceu ago­ra em Ser­ral­ves; foi o que acon­te­ceu, por exem­plo, quan­do um co­la­bo­ra­dor im­por­tan­te do Gug­ge­nheim de No­va Ior­que, Paul Wer­ner, se de­mi­tiu e es­cre­veu um pe­que­no li­vro-pan­fle­to, Mu­seum, Inc.: In­si­de The Glo­bal Art World (2006), em que des­cre­via os me­ca­nis­mos per­ver­sos da Fun­da­ção, nos tem­pos eu­fó­ri­cos da es­pe­cu­la­ção fi­nan­cei­ra que iria re­sul­tar na cri­se de 2008. En­tre­tan­to, cons­truiu-se o Gug­ge­nheim de Bil­bau e o gran­di­o­so “na­vio” da Fun­da­ção Louis Vuit­ton, em Paris, am­bos do ar­qui­tec­to Frank Gehry, am­bos mo­de­los su­pre­mos da au­to­no­mia es­té­ti­ca da for­ma-mu­seu, am­bos tem­plos da fu­são da ar­qui­tec­tu­ra com a in­dús­tria do lu­xo e a ar­te con­tem­po­râ­nea; en­tre­tan­to, abriu uma fran­chi­sing do Lou­vre” em Abu Dha­bi, um edi­fí­cio das ará­bi­as. E o Mu­seu Ju­deu de Ber­lim, pro­jec­ta­do por Da­ni­el Li­bes­kind, quan­do foi inau­gu­ra­do, em 2001, ti­nha re­ce­bi­do 350 mil vi­si­tan­tes en­quan­to es­te­ve va­zio (e va­zio de­via per­ma­ne­cer, pa­ra sem­pre, de­fen­deu en­tão mui­ta gen­te). São es­tes mu­seus que pro­du­zem a ar­te e não o con­trá­rio; eles cri­am o con­tem­po­râ­neo. Es­tes no­vos mu­seus di­na­mi­zam as ci­da­des, são lu­ga­res de pe­re­gri­na­ção nos percursos tu­rís­ti­cos, ca­pa­zes até de res­ga­tar uma ci­da­de da sua de­ca­dên­cia, co­mo acon­te­ceu em Bil­bau. Se o co­mu­nis­mo re­co­nhe­ceu o po­ten­ci­al ide­o­ló­gi­co da ar­te e sou­be co­mo uti­li­zá-lo pa­ra os seus fins, o ca­pi­ta­lis­mo, abri­ga­do por trás da apa­ren­te neu­tra­li­da­de da eco­no­mia de mer­ca­do, ex­plo­ra o po­ten­ci­al eco­nó­mi­co que ad­vém da atrac­ção que exer­cem es­ses tem­plos fe­ti­chi­za­dos, em com­pe­ti­ção uns com os ou­tros, nu­ma es­ca­la na­ci­o­nal ou in­ter­na­ci­o­nal, pe­lo lu­gar num ran­king que tem co­mo pri­mei­ro cri­té­rio o nú­me­ro de vi­si­tan­tes. Não im­por­ta se es­tes mu­seus es­ma­gam as obras de ar­te nas su­as pa­re­des e, tan­to na sua con­cep­ção co­mo na sua ló­gi­ca de fun­ci­o­na­men­to, anu­lam to­da a par­te de som­bra que elas, em prin­cí­pio, têm; o que im­por­ta é que eles são em­pre­en­di­men­tos de au­to-glo­ri­fi­ca­ção ou pa­ra ser­vir a gló­ria de quem os con­ce­be e os en­co­men­da. A sump­tu­o­si­da­de des­tes mu­seus em tor­no dos quais gra­vi­ta o mun­do da ar­te con­tem­po­râ­nea cria ilu­sões acer­ca dos po­de­res e das ri­que­zas dos ar­tis­tas. O artista búl­ga­ro Lu­che­zar Boyad­ji­ev, num pro­jec­to cha­ma­do “GastART­bei­ter” (no­me for­ma­do a par­tir da pa­la­vra ale­mã Gas­tar­bei­ter, que de­sig­na o tra­ba­lha­dor es­tran­gei­ro com uma per­mis­são tem­po­rá­ria de tra­ba­lho, ao qual é atri­buí­da a con­di­ção de con­vi­da­do e não de imi­gran­te), con­ta­bi­li­zou tu­do o que as instituições da Eu­ro­pa oci­den­tal gas­ta­ram com ele no es­pa­ço de al­guns anos, em vi­a­gens, ex­po­si­ções, re­si­dên­ci­as de artista, con­fe­rên­ci­as, etc. Nas su­as con­tas, o mon­tan­te é de cer­ca de 100 mil dó­la­res. Mas, em con­tras­te, ele não dis­põe de ne­nhu­ma re­ser­va de di­nhei­ro nem de bens, vi­ve pró­xi­mo da in­di­gên­cia no tem­po em que não es­tá sob a tu­te­la das instituições que o con­vi­dam.

Reduzir o re­cen­te conflito en­tre o di­rec­tor ar­tís­ti­co de Ser­ral­ves e a ad­mi­nis­tra­ção da Fun­da­ção a um ca­so — ain­da em boa par­te por es­cla­re­cer — de “cen­su­ra” exer­ci­da so­bre al­gu­mas fo­to­gra­fi­as de Mapplethorpe, é fi­car por um epi­só­dio que tem atrás de si ques­tões mui­to mais vas­tas e pro­fun­das. O que es­tá em cau­sa não é ape­nas uma dis­cu­tí­vel ques­tão de mo­ral ou de mo­ra­lis­mo. Mais do que is­so, de­ve­mos per­ce­ber que no mo­de­lo de mu­seu a que as­pi­ra Ser­ral­ves nem há lu­gar pa­ra a cen­su­ra por­que não há na­da a cen­su­rar. É o mu­seu idí­li­co, co­mo o par­que.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.