À flor da pe­le

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

prio o dis­se: ia ao la­do ne­gro da sua al­ma e ti­ra­va es­tas ima­gens e pu­nha-as na pas­se­rel­le.”

De co­lec­ção em co­lec­ção, a vi­da vai se­guin­do. As ca­pi­tais da mo­da são su­as, to­ca nas es­tre­las. Mas de­le não fa­lam no filme os seus ami­gos cé­le­bres co­mo Ka­te Moss, os seus cli­en­tes es­tre­la co­mo Sa­rah Jes­si­ca Par­ker. A au­sên­cia de uma Madonna é pre­sen­ça da pun­gên­cia. “Des­de o pri­mei­ro dia qui­se­mos evi­tar o que cha­ma­mos ‘os co­men­ta­do­res’. Os his­to­ri­a­do­res, ca­pa­zes de fa­lar de quão ma­ra­vi­lho­sos são [os bi­o­gra­fa­dos], mas que não os co­nhe­cem. Não pre­ci­sá­va­mos dos sus­pei­tos do cos­tu­me. Se ti­vés­se­mos uma úni­ca An­na Win­tour ou uma Suzy Men­kes, is­so te­ria dis­tan­ci­a­do o es­pec­ta­dor”, diz Bo­nhô­te so­bre as pa­pi­sas da Con­dé Nast.

Ao in­vés te­mos a ir­mã Ja­net, cu­jo ma­ri­do abu­sou de­la e do pró­prio McQueen, o so­bri­nho e dis­cí­pu­lo Gary, os ami­gos da pri­mei­ra ho­ra e os que só os bas­ti­do­res dos des­fi­les e dos ate­li­ers re­co­nhe­cem. “Ja­net ti­nha mais 13 anos do que ele e qua­se o cri­ou. O ma­ri­do de­la vi­o­lou-o. Ela não sa­bia. Ela car­re­ga es­sa cul­pa. O fac­to de ter acei­ta­do pas­sar qua­tro ho­ras a dar-nos tan­to de­le faz-nos sen­tir que tí­nha­mos uma gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de”, sus­pi­ra Ian Bo­nhô­te.

No fim, re­cor­de-se, ha­ve­rá lá­gri­mas, e eles es­tão ali pa­ra “par­ti­lhar al­gum do far­do e al­guns da­que­les se­gre­dos obs­cu­ros”, des­co­briu o re­a­li­za­dor. Re­fe­re-se sem­pre a Ale­xan­der McQueen, no­me de mar­ca, co­mo Lee, no­me de ca­sa. Hou­ve quem se zan­gas­se — a pró­pria Ja­net McQueen, “é tão co­mo o Lee, uns di­as odi­a­va-nos, nou­tros es­ta­va fi­xe con­nos­co” —, hou­ve quem ex­pi­as­se al­gu­ma dor. “A cer­ta al­tu­ra é al­go tão ne­gro, co­mo se es­ti­vés­se­mos num po­ço e não há luz. Lee nun­ca li­dou com os gran­des assuntos da sua vi­da, ter si­do abu­sa­do, mas mes­mo ter si­do um ra­paz gay gor­do. Acho que nun­ca se acei­tou ver­da­dei­ra­men­te, ao seu as­pec­to.”

Co­mo se fil­ma Ale­xan­der McQueen quan­do já tan­to se sa­be de­le? In­do com ele. “Ele en­con­tra­va a be­le­za no es­cu­ro, en­con­tra­va o be­lo no feio. Não ha­via co­ol com o Lee.”

A vi­da e obra do cri­a­dor de mo­da bri­tâ­ni­co é tra­ta­da em McQueen me­nos co­mo uma bi­o­gra­fia tra­di­ci­o­nal e mais co­mo um re­tra­to ín­ti­mo, emo­ci­o­nal. Por Jor­ge Mou­ri­nha

De­sig­ner que co­me­çou por ser au­to-di­dac­ta, agent pro­vo­ca­teur da mo­da in­ter­na­ci­o­nal, show­man per­fec­ci­o­nis­ta, Ale­xan­der McQueen cum­priu na ín­te­gra o le­ma hi­per-ro­mân­ti­co e hi­per-cí­ni­co da ce­le­bri­da­de eter­na: li­ve fast, die young, le­a­ve a go­o­dlo­o­king corp­se. McQueen viveu de­pres­sa, qua­se até ao es­go­ta­men­to; mor­reu jovem, sui­ci­dan­do-se aos 40 anos de ida­de; dei­xou atrás um ca­dá­ver re­quin­ta­do, com a ca­vei­ra que lhe ser­viu de lo­gó­ti­po não oficial a pai­rar so­bre as su­as co­lec­ções con­tro­ver­sas. No do­cu­men­tá­rio que de­di­cam à vi­da e obra do cri­a­dor de mo­da, Ian Bo­nhô­te e Pe­ter Et­ted­gui re­cor­rem a uma pro­fu­são de ma­te­ri­al de arquivo que ilus­tra a so­fre­gui­dão de um pu­to do East End de Lon­dres que não sa­bia mui­to bem o que fa­zer da vi­da e que en­con­trou na mo­da, mais do que uma car­rei­ra, uma ex­pres­são ou uma terapia.

Di­vi­di­do em cin­co ca­pí­tu­los or­ga­ni­za­dos à vol­ta das co­lec­ções mais sig­ni­fi­ca­ti­vas e con­tro­ver­sas da sua car­rei­ra, McQueen trans­cen­de a sim­ples ló­gi­ca do do­cu­men­tá­rio bi­o­grá­fi­co tra­di­ci­o­nal com as su­as ca­be­ças fa­lan­tes e as ima­gens de arquivo; tem um pon­to de vis­ta “emo­ci­o­nal” so­bre McQueen, que es­bo­ça atra­vés de um tra­ta­men­to cro­no­ló­gi­co sol­to cru­za­do com en­tre­vis­tas que re­ve­lam a pes­soa por trás da per­so­na. Ami­gos e co­le­gas de­fen­dem que o cri­a­dor pro­cu­rou man­ter vi­va a cha­ma e a lou­cu­ra dos seus pri­mei­ros anos co­mo de­sig­ner mes­mo de­pois de as­su­mir a di­rec­ção cri­a­ti­va da Gi­ven­chy, e que foi es­sa ne­ces­si­da­de de re­con­ci­li­ar ne­gó­cio e ar­te, cri­a­ti­vi­da­de e dis­ci­pli­na, res­pon­sa­bi­li­da­de e di­ver­são, que di­la­ce­rou McQueen. Pon­tu­a­do pe­la mú­si­ca de Mi­cha­el Ny­man, com­po­si­tor- fé­ti­che do de­sig­ner, e mon­ta­do com a com­pe­tên­cia ina­ta­cá­vel e in­te­li­gen­te da me­lhor pro­du­ção bri­tâ­ni­ca, McQueen avan­ça me­nos in­te­res­sa­do em as­si­na­lar os mar­cos tem­po­rais da sua car­rei­ra e mais em per­ce­ber o que ia na ca­be­ça de um cri­a­dor ge­ni­al mas trans­tor­na­do. Bo­nhô­te e Et­ted­gui não ce­le­bram uma vi­da tan­to co­mo pro­cu­ram de­se­nhar o pos­sí­vel re­tra­to ín­ti­mo de Lee Ale­xan­der McQueen, e é nes­sa apro­xi­ma­ção em­pá­ti­ca pa­ra com o cri­a­dor de mo­da, que su­bli­nha as emo­ções à flor da pe­le, que o seu filme se er­gue aci­ma do vul­gar de Li­neu do do­cu­men­tá­rio bi­o­grá­fi­co. Uma sur­pre­sa. McQueen McQueen

De Ian Bo­nhô­te, Pe­ter Et­ted­gui Do­cu­men­tá­rio, Bi­o­gra­fia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.