Um bi­lhe­te de ida e vol­ta aos fil­mes can­ta­dos de Már­cia

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Gon­ça­lo Fro­ta

Vai e Vem, quar­to ál­bum da can­to­ra, é fei­to de can­ções que não pre­ci­sam de mu­nir-se de gran­des efei­tos pa­ra nos con­quis­tar em ple­no en­quan­to pro­jec­tam in­se­gu­ran­ças e me­dos.

Não é no mo­men­to em que aca­ba de der­ra­mar uma letra por ci­ma de uma pro­gres­são de acor­des ou no se­gun­do a se­guir a re­gis­tar um te­ma em es­tú­dio que Már­cia tem uma ideia ab­so­lu­ta­men­te cla­ra da­qui­lo que trans­por­ta em ca­da can­ção. Es­sa cer­te­za cos­tu­ma che­gar, mais tar­de, no ins­tan­te em que fe­cha a mis­tu­ra e, com to­dos os ele­men­tos em equi­lí­brio, as palavras ga­nham uma cor­res­pon­dên­cia vi­su­al. “Quan­do a mis­tu­ra es­tá boa”, diz a can­to­ra, “ve­jo a can­ção.” E “ver a can­ção” sig­ni­fi­ca que na sua ca­be­ça se or­ga­ni­za uma sequên­cia de ima­gens, um vi­de­o­clip pri­va­do, um pe­que­no filme que con­ta uma his­tó­ria ou es­ta­be­le­ce um am­bi­en­te. Em Amor con­for­me, um dos te­mas fi­nais do seu quar­to ál­bum, Vai e Vem, es­sa ima­gem é a de uma mu­lher, al­gu­res no seu re­du­to do­més­ti­co, a la­men­tar a sen­sa­ção de aban­do­no que a cor­rói, en­quan­to fe­cha os olhos e se imagina a eva­dir-se da­que­le es­pa­ço de in­ti­mi­da­de cas­ti­ga­dor e su­fo­can­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.