Pe­la es­tra­da fo­ra

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

A apro­xi­ma­ção de du­as pes­so­as, o pro­gres­si­vo bai­xar da guar­da de am­bos (so­bre­tu­do de­le, um motorista ru­de, com mo­dos de cow­boy so­li­tá­rio), a des­co­ber­ta ou re­des­co­ber­ta de uma pos­si­bi­li­da­de, qua­se “ro­mân­ti­ca”, de fa­mí­lia. Luís Miguel Oli­vei­ra

As Acá­ci­as

Las Aca­ci­as

De Pa­blo Gi­or­gel­li

Com Ger­mán de Sil­va, He­be Duarte Po­de-se di­zer que, na su­per­fí­cie, é um filme so­bre al­gu­mas coi­sas de que os eu­ro­peus tal­vez não cos­tu­mem ter uma no­ção ple­na: as fron­tei­ras en­tre os paí­ses su­la­me­ri­ca­nos, as de­si­gual­da­des do con­ti­nen­te, os mo­vi­men­tos mi­gra­tó­ri­os, as re­la­ções (nor­mal­men­te pre­con­cei­tu­o­sas) en­tre os des­cen­den­tes de eu­ro­peus e os des­cen­den­tes de ín­di­os. Tu­do is­to es­tá no filme, que con­ta a his­tó­ria, mui­to “ro­ad mo­vie”, de um ca­mi­o­nis­ta ar­gen­ti­no que trans­por­ta uma mu­lher pa­ra­guaia de origem gu­a­ra­ni (e a fi­lha bé­bé de­la) en­tre o Pa­ra­guai e Bu­e­nos Ai­res, aon­de ela vai, su­pos­ta­men­te, vi­si­tar uma pri­ma — mas de­pois da su­a­ve­men­te opres­si­va ce­na com os guar­das-fron­tei­ri­ços na en­tra­da na Ar­gen­ti­na (“tem no­ven­ta di­as pa­ra vol­tar”) ela con­fes­sa ao seu motorista que vai pa­ra ten­tar en­con­trar um em­pre­go e fi­car.

Is­to es­tá tu­do no filme, e te­ma­ti­ca­men­te po­dia ser a for­ma de o re­su­mir. Mas de­pois, Las Aca­ci­as (que já é um filme de 2011, em boa ho­ra re­cu­pe­ra­do pe­la Ni­tra­to Fil­mes, que de há uns anos vem dis­tri­buin­do al­gu­mas pé­ro­las da ci­ne­ma­to­grá­fi­ca ibe­ro­a­me­ri­ca­na) é o con­trá­rio de um filme de te­ma, ilus­tra­ti­vo ou de­mons­tra­ti­vo. À re­tó­ri­ca pre­fe­re o si­lên­cio, os lon­gos pla­nos fil­ma­dos den­tro da ca­mi­o­ne­ta, o mo­tor a ron­ro­nar es­tra­da fo­ra, con­du­tor e pas­sa­gei­ros a olha­rem- se mu­tu­a­men­te com es­tra­nhe­za ou des­con­fi­an­ça, em cam­pos/ con­tra­cam­pos que ex­pri­mem es­sa dis­tân­cia. E à de­mons­tra­ção e à ti­pi­fi­ca­ção pre­fe­re a in­tei­re­za hu­ma­na das su­as per­so­na­gens, que se vão len­ta­men­te “abrin­do”, uma pa­ra a ou­tra, e am­bas pa­ra o es­pec­ta­dor. O la­co­nis­mo não deixa de ser re­gra, mas a par­tir de cer­ta al­tu­ra eles fa­lam um com o ou­tro, e po­dem até dei­xar o cam­po/con­tra­cam­po pa­ra par­ti­lha­rem o mes­mo pla­no — por exem­plo nu­ma pau­sa à beira da es­tra­da, face a um be­lís­si­mo la­go.

A ver­da­dei­ra his­tó­ria de Las Aca­ci­as, por­tan­to, é es­ta: a da apro­xi­ma­ção de du­as pes­so­as, o pro­gres­si­vo bai­xar da guar­da de am­bos (so­bre­tu­do de­le, o motorista ru­de, com mo­dos de cow­boy so­li­tá­rio), a des­co­ber­ta ou re­des­co­ber­ta de uma pos­si­bi­li­da­de, qua­se “ro­mân­ti­ca”, de fa­mí­lia. O mi­ni­ma­lis­mo en­can­ta­dor de Gi­or­gel­li re­pou­sa in­te­gral­men­te na ob­ser­va­ção des­se en­con­tro, das per­so­na­gens uma com a ou­tra (os ges­tos, as aten­ções mú­tu­as) e, por via dis­so, con­si­go pró­pri­as (as con­fis­sões do motorista). Po­de-se fa­zer um filme fe­liz so­bre vi­das di­fí­ceis, Las Aca­ci­as pro­va-o bem.

O mi­ni­ma­lis­mo en­can­ta­dor de Pa­blo Gi­or­gel­li: As Acá­ci­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.