A miú­da do la­do

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Thel­ma é uma va­ri­a­ção in­te­li­gen­te, adul­ta, so­bre o cinema de gé­ne­ro, co­mo Ku­brick a fil­mar De Pal­ma, pe­lo au­tor de Os­lo, 31 de Agos­to. Jor­ge Mou­ri­nha

Thel­ma

De Jo­a­chim Tri­er

Com Ei­li Har­boe, Kaya Wil­kins, Hen­rik Ra­fa­el­sen Fi­cá­mos aba­na­na­dos quan­do des­co­bri­mos a se­gun­da lon­ga de Jo­a­chim Tri­er, o de­vas­ta­dor Os­lo, 31 de Agos­to, ain­da ho­je um dos gran­des fil­mes do sé­cu­lo XXI. O no­ru­e­guês res­pon­deu a es­se pe­que­no clás­si­co com uma ex­pe­ri­ên­cia em in­glês que fi­cou aquém das ex­pec­ta­ti­vas ( En­sur­de­ce­dor, com Isa­bel­le Hup­pert e Gabriel Byr­ne), e re­gres­sa ago­ra à ter­ra na­tal pa­ra uma pe­cu­li­ar in­cur­são no gé­ne­ro que pro­lon­ga os te­mas dos fil­mes an­te­ri­o­res: se­gre­dos, fa­mí­li­as, si­lên­ci­os, so­li­dões. O cen­tro de Thel­ma é a ado­les­cen­te que lhe dá tí­tu­lo — uma miú­da nor­ma­lís­si­ma, al­go so­li­tá­ria, me­ti­da con­si­go mes­ma, sem gran­des ex­pe­ri­ên­ci­as emo­ci­o­nais que veio da pro­vín­cia es­tu­dar pa­ra uma ci­da­de gran­de. Na­da de ori­gi­nal não se des­se o ca­so da miú­da ser re­li­gi­o­sa e dos pais pa­re­ce­rem ter um as­cen­den­te bas­tan­te gran­de so­bre ela.

Com o tem­po — que Tri­er con­ti­nua a sa­ber ge­rir ad­mi­ra­vel­men­te — per­ce­be­re­mos o porquê da su­per-pro­tec­ção: Thel­ma tem po­de­res que des­co­nhe­ce e não com­pre­en­de, que sur­gem sem­pre que ela ce­de às emo­ções, se deixa le­var pe­los seus de­se­jos, em su­ma, que vêm da sua trans­for­ma­ção de me­ni­na em mu­lher. É is­so que Tri­er de­se­nha, de mo­do cal­cu­la­da­men­te preciso, ao lon­go das du­as ho­ras de Thel­ma: o des­co­brir da se­xu­a­li­da­de, a procura de uma iden­ti­da­de pró­pria, a ten­são en­tre fa­mí­lia e per­so­na­li­da­de, co­mu­ni­da­de e in­di­vi­du­a­lis­mo, nu­ma ida­de em que tu­do é vi­vi­do com uma in­ten­si­da­de de­vas­ta­do­ra.

Não é des­ca­bi­do fa­lar de Thel­ma co­mo uma ver­são nór­di­ca, ce­re­bral, exan­gue da Car­rie que Bri­an de Pal­ma fil­mou, co­mo se fos­se um Ku­brick em mo­do ge­o­mé­tri­co a di­ri­gi-lo; ou co­mo um equi­va­len­te “de gé­ne­ro” do mag­ní­fi­co Re­qui­em de HansJo­a­chim Sch­mid, on­de a passagem à ida­de adul­ta de uma jovem re­li­gi­o­sa de­sen­ca­de­a­va tor­men­tos que tan­to po­di­am ser psí­qui­cos co­mo de­mo­nía­cos. A com­pa­ra­ção não abo­na em fa­vor de Thel­ma, mas é ine­vi­tá­vel — ape­sar da per­for­man­ce im­pe­cá­vel de Ei­li Har­boe no pa­pel prin­ci­pal, nun­ca con­se­gui­mos evi­tar a sen­sa­ção de Tri­er es­tar a tra­ba­lhar ape­nas ou­tras ma­nei­ras de con­tar o que já foi con­ta­do, de fi­car sem­pre na cor­da bam­ba en­tre fa­zer “mais do que” um filme de gé­ne­ro e fa­zer “mais um” filme de gé­ne­ro.

Mas is­to tam­bém não de­ve mi­ni­mi­zar o in­te­res­se e a in­te­li­gên­cia que Thel­ma re­al­men­te tem, o mo­do co­mo cria qua­se su­brep­ti­ci­a­men­te um am­bi­en­te de mal-es­tar sem pa­ra is­so pre­ci­sar de “in­ven­tar”: tu­do se pas­sa em ce­ná­ri­os quo­ti­di­a­nos, re­a­lis­tas, que o es­pan­to­so tra­ba­lho de fo­to­gra­fia de Ja­kob Ih­re tor­na ali­e­ní­ge­nas, des­con­for­tá­veis. O pro­ble­ma de Thel­ma é só um: hou­ve um filme cha­ma­do Os­lo, 31 de Agos­to e Jo­a­chim Tri­er dei­xou a fas­quia de­ma­si­a­do al­ta. Thel­ma não che­ga lá, mas fi­ca mais per­to. tem­po pa­ra pen­sar mas não pen­sa re­al­men­te nas coi­sas. De um la­do, Gló­ria, que tra­ba­lha co­mo as­cen­so­ris­ta na uni­ver­si­da­de e vi­a­ja di­a­ri­a­men­te en­tre as du­as ci­da­des, do ou­tro, Ca­mi­la, por­tu­gue­sa a fa­zer um dou­to­ra­men­to em psi­co­lo­gia, que é a te­ra­peu­ta de Gló­ria no âm­bi­to de um pro­jec­to uni­ver­si­tá­rio. Gló­ria vem de um lar abu­si­vo e tem um ir­mão na pri­são, e às tan­tas diz a Ca­mi­la: “sou co­mo o bi­cho do zo­o­ló­gi­co”, que se vi­si­ta no seu ha­bi­tat na­tu­ral mas sem ver­da­dei­ra­men­te pen­sar no que lhe vai na ca­be­ça. Pon­to adi­ci­o­nal: Gló­ria é ne­gra, co­mo qua­se to­dos os seus vi­zi­nhos no mor­ro; Ca­mi­la é branca, co­mo qua­se to­dos os seus co­le­gas e ami­gos na uni­ver­si­da­de.

É nes­te cal­dei­rão de um Bra­sil di­vi­di­do, dis­tó­pi­co, con­tem­po­râ­neo, que a ve­te­ra­na bra­si­lei­ra Lú­cia Mu­rat ins­ta­la Praça Paris, ques­ti­o­nan­do se é se­quer pos­sí­vel cons­truir uma pon­te en­tre es­tes dois Ri­os, en­tre es­tes dois mo­dos de vi­da que pa­re­cem pas­sar cons­tan­te­men­te ao la­do um do ou­tro. O filme evo­ca os me­ca­nis­mos do th­ril­ler pa­ra­nói­co — quan­do per­ce­be que Gló­ria é ir­mã de um tra­fi­can­te do mor­ro, Ca­mi­la ce­de por in­tei­ro a um me­do ir­ra­ci­o­nal, não es­tá pre­pa­ra­da pa­ra li­dar com uma re­a­li­da­de que até aí op­tou por não ver; Gló­ria, por seu la­do, não qu­er ser ape­nas um “bi­cho no zo­o­ló­gi­co” pa­ra os “se­nho­res” vi­rem ver, nem ar­car com as con­sequên­ci­as dos ac­tos do ir­mão. Qu­er as­su­mir-se por in­tei­ro co­mo uma mu­lher in­de­pen­den­te. Mas é nes­sa vi­ra­gem pa­ra a pa­ra­nóia e pa­ra o me­do que Praça Paris se per­de. Mu­rat ge­re mui­to bem o rit­mo cres­cen­te de an­si­e­da­de, mas pa­re­ce não ter com­pre­en­di­do que o es­sen­ci­al do seu filme re­si­de na his­tó­ria de Gló­ria, nu­ma per­for­man­ce as­som­bro­sa de Gra­ce Pas­sô, e no seu con­tras­te com o quo­ti­di­a­no de Ca­mi­la, en­car­na­da com in­qui­e­ta­ção qua­se fe­li­na por Joana de Verona. Daí que a vi­ra­gem pa­ra o th­ril­ler nos pa­re­ça qua­se uma ex­cres­cên­cia des­ne­ces­sá­ria; e as­sim se per­de um filme in­te­li­gen­te, de olhar cer­tei­ro e an­gus­ti­an­te so­bre o Bra­sil dos nos­sos di­as, num fi­nal des­con­cer­tan­te, des­pro­po­si­ta­do, que pa­re­ce su­bli­nhar to­dos os es­te­reó­ti­pos a que Praça Paris sou­be fu­gir na ho­ra e meia an­te­ri­or. É pe­na.

A se­xu­a­li­da­de e a iden­ti­da­de nu­ma ida­de em que tu­do é vi­vi­do com in­ten­si­da­de de­vas­ta­do­ra: Thel­ma

O cal­dei­rão de um Bra­sil di­vi­di­do, dis­tó­pi­co, con­tem­po­râ­neo: Praça Paris

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.