Ac­ção Pa­ra­le­la An­tó­nio Gu­er­rei­ro A ube­ri­za­ção do se­xo

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Oque é fei­to da ideia de li­ber­da­de e li­ber­ta­ção se­xu­al, nes­ta nos­sa épo­ca de re­nas­ci­men­to do pu­ri­ta­nis­mo? A es­ta per­gun­ta, que ho­je se im­põe, de­ve­mos res­pon­der com um ace­no ao pen­sa­men­to lú­ci­do de Mi­chel Fou­cault, que fez uma crí­ti­ca for­te des­sa ideia ain­da no mo­men­to em que ela es­ta­va no au­ge. Se­gun­do ele, a ideia de “li­ber­ta­ção se­xu­al” caía no equí­vo­co de dar a en­ten­der que exis­ti­ria no es­ta­do na­tu­ral uma boa se­xu­a­li­da­de, sub­me­ti­da no en­tan­to a nor­mas e res­tri­ções más. O que ele — lon­ge da eu­fo­ria — viu nes­ses lon­gín­quos anos 70 do sé­cu­lo pas­sa­do foi sim­ples­men­te a pas­sa­gem de um sis­te­ma de prá­ti­cas nor­ma­ti­vas a um ou­tro, de si­nal con­trá­rio. A pros­se­cu­ção des­ta ló­gi­ca (é di­fí­cil es­ca­par a ela) trou­xe­nos até aqui, ao pu­ri­ta­nis­mo se­xu­al, ao con­ser­va­do­ris­mo, às fi­xa­ções nor­ma­ti­vas. E elas re­si­dem até on­de me­nos se vêem. Por exem­plo, no ca­sa­men­to ho­mos­se­xu­al, que sig­ni­fi­cou sem dú­vi­da uma con­quis­ta em ma­té­ria de di­rei­tos ci­vis, mas re­pre­sen­ta uma vi­ra­gem nor­ma­ti­va da cul­tu­ra ho­mos­se­xu­al, uma re­a­li­za­ção si­mé­tri­ca do he­te­ro­cen­tris­mo que reins­ti­tui o mo­de­lo da con­ju­ga­li­da­de, pon­do fim à aber­tu­ra, pe­la qual se ti­nha lu­ta­do, ao “uso dos pra­ze­res”. Po­de­mos e de­ve­mos re­go­zi­jar­mo-nos por es­sa vi­tó­ria. As cir­cuns­tân­ci­as do nos­so tem­po im­põem-nos, até por ra­zões tác­ti­cas, que não a des­pre­ze­mos. Mas não de­ve­mos é cair na ar­ma­di­lha de pen­sar que a he­te­ro-nor­ma­li­za­ção do mun­do gay con­tra­ria o pu­ri­ta­nis­mo vi­gen­te.

O pu­ri­ta­nis­mo não con­sis­te em es­con­der. Pe­lo con­trá­rio, ele põe fim a to­do o se­gre­do e faz ir­rom­per a trans­pa­rên­cia, is­to é, a obs­ce­ni­da­de. O se­xo pas­sou a es­tar em to­do o la­do, mais vi­sí­vel do que nun­ca, ex­cep­to no lu­gar on­de de­via es­tar. Re­pa­re-se co­mo pas­sá­mos da am­bi­gui­da­de se­xu­al de Cris­ti­a­no

Ro­nal­do, da sua re­gião se­cre­ta (ali­men­ta­da pe­las su­as de­ci­sões de reprodução as­se­xu­a­da), pa­ra uma hi­per­vi­são em gran­de pla­no, pa­ra uma pro­xi­mi­da­de ab­so­lu­ta. É es­ta a obs­ce­ni­da­de em que o pu­ri­ta­nis­mo se com­praz. Sa­be­mos, des­de sem­pre, que ele re­ti­ra sa­tis­fa­ção da pro­mis­cui­da­de do olhar e in­ci­ta a uma es­ca­la­da da trans­pa­rên­cia. To­da a ma­gia ne­gra do se­xo foi re­cal­ca­da e to­do o po­ten­ci­al ener­gé­ti­co con­cen­tra­do em pa­la­vras que fo­ram ou­tro­ra um ma­ná de sig­ni­fi­ca­ção, tais co­mo “li­bi­di­nal” e “pul­si­o­nal”, de­sa­pa­re­ce­ram do ho­ri­zon­te e do dis­cur­so. A ube­ri­za­ção do se­xo es­tá aí, di­an­te de nós, sob a for­ma de um con­tra­to que não ad­mi­te a hi­pó­te­se de en­con­tros fa­lha­dos. Lem­bre­mos es­ta cur­ta his­tó­ria nar­ra­da em tem­pos por Bau­dril­lard, pa­ra ilus­trar uma eco­no­mia da tro­ca as­si­mé­tri­ca, em que ma­ri­do e mu­lher en­tram nu­ma que­re­la: “A mu­lher diz ao ma­ri­do: ‘ You gi­ve me lo­ve be­cau­se you want sex’. Eo ho­mem res­pon­de: ‘ You gi­ve me sex be­cau­se you want lo­ve’”. Es­ta for­ma de eco­no­mia do­més­ti­ca, tra­du­zi­da nos ter­mos ac­tu­ais, tem um no­me: vi­o­la­ção na es­fe­ra con­ju­gal. Ou­tro­ra, tal­vez se pu­des­se di­zer as­sim: ca­da um go­za à sua ma­nei­ra, do seu la­do, e ca­da um ig­no­ra o go­zo do ou­tro. Até por­que era sa­bi­do (mas qu­em se lem­bra ho­je dis­so?) que “não há re­la­ção se­xu­al”, co­mo ti­nha de­cla­ra­do um cé­le­bre psi­ca­na­lis­ta que re­leu Freud com uma for­ça ra­di­cal.

Bau­dril­lard foi ou­tro espírito lú­ci­do que, em 1995, num tex­to in­ti­tu­la­do “A se­xu­a­li­da­de co­mo do­en­ça se­xu­al­men­te trans­mis­sí­vel”, per­ce­beu os si­nais que anun­ci­a­vam o que co­me­ça­va a pas­sar-se: a ob­ses­são do as­sé­dio se­xu­al, co­mo re­sul­ta­do de uma in­sa­tis­fa­ção pro­fun­da, vin­da da ideia fa­lha­da de li­ber­ta­ção se­xu­al e da ilu­são de pro­gres­so. Co­me­ça en­tão a res­sus­ci­tar uma an­gús­tia da se­xu­a­li­da­de que Bau­dril­lard de­sig­na com uma ana­lo­gia, o me­do de con­trair a si­da, e a que Slo­ter­dijk cha­mou “en­tro­pia eró­ti­ca”. E cres­ce o fan­tas­ma do as­sé­dio se­xu­al: sim, por­que so­bre a re­a­li­da­de con­de­ná­vel do as­sé­dio (nal­guns ca­sos, cer­ta­men­te mons­tru­o­sa) cons­truiu-se uma ce­na fan­tas­má­ti­ca. O pu­ri­ta­nis­mo re­cla­ma a trans­pa­rên­cia da obs­ce­ni­da­de. Es­tá ins­ta­la­da a ob­ses­são ne­ga­ti­va do se­xo, che­gou a ho­ra de ajus­tar con­tas, de li­ber­tar os res­sen­ti­men­tos. Não é que não ha­ja cons­tas a ajus­tar, mas não é bom que elas ra­su­rem a “par­te mal­di­ta” e anu­lem um sen­ti­do es­con­di­do. O re­sul­ta­do é o de­sen­can­to, o fim do que res­ta­va de ilu­são da pro­fun­di­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.