A soul de to­da uma vi­da do vi­ra-la­ta Swamp Dogg

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Fran­cis­co No­ro­nha

Um dos no­mes mais se­cre­tos da mú­si­ca po­pu­lar ame­ri­ca­na,

que can­ta a Amé­ri­ca na sua mui or­gu­lho­sa e ex­tra­ga­van­te som­bra des­de

os anos 50, de­to­na 2018 com

um ve­lhís­si­mo-no­vís­si­mo-dis­co

de to­da uma vi­da. Cha­pe­au,

Mr. Dogg!

ue es­tra­nho ca­mi­nho per­cor­res­te tu pa­ra che­gar aqui”, po­día­mos ter-lhe di­to pe­lo meio da con­ver­sa en­tre Por­to e Los An­ge­les. Nós em ame­no fim de tar­de, ele de man­ga ca­va bran­ca aca­ba­do de acor­dar, a fres­ca a en­trar-lhe pe­la va­ran­da (por on­de sai­rá até ao jar­dim num dos mui­tos ca­co­fó­ni­cos mo­men­tos em que in­ter­rom­pe abrup­ta­men­te, sem má-edu­ca­ção, a en­tre­vis­ta). Fra­se de res­so­nân­ci­as pa­ra ci­né­fi­los (“dis­se-a” Bres­son no fi­nal de Pick­poc­ket, emu­lou-a Cé­sar Monteiro em As Bo­das de Deus) que o pró­prio Swamp Dogg, nas­ci­do Jer­ry Wil­li­ams Jr., nos po­de­ria ter de­vol­vi­do as­sim: “Que es­tra­nho ca­mi­nho per­cor­ri eu pa­ra, em 2018, ter o jor­nal de um mi­nús­cu­lo país do ou­tro la­do do Atlân­ti­co com uma área in­fe­ri­or à da Vir­gí­nia on­de nas­ci a que­rer sa­ber de mim”. Um ca­mi­nho que, ini­ci­a­do nos anos 40 na ci­da­de de Ports­mouth, se fez de es­co­lhos e re­ve­zes: “Se um bran­co vi­es­se pe­lo pas­seio na mi­nha di­rec­ção, eu ti­nha de pas­sar pa­ra a rua. Fe­liz­men­te, não ha­via mui­to trân­si­to na ci­da­de na­que­la al­tu­ra!”, gar­ga­lha, bem-dis­pos­to. “Ports­mouth é uma ci­da­de na­val e uma ba­se da ma­ri­nha mi­li­tar. Quan­do um na­vio atra­ca­va, três mil ti­pos des­ci­am pa­ra se di­ver­tir. Aos ne­gros e bran­cos que eram os me­lho­res ami­gos du­ran­te me­ses na água di­zi­am-lhes em ter­ra: ‘Vo­cês não po­dem an­dar jun­tos!’. Ha­via es­co­las se­pa­ra­das, bair­ros se­pa­ra­dos. Se eu pas­sas­se de bi­ci­cle­ta por um bair­ro bran­co, as hi­pó­te­ses de me ati­ra­rem pe­dras eram re­du­zi­das, mas acon­te­cia”. As mes­mas ru­as on­de à me­di­da que pas­sa­va “por dez ca­sas, de pe­lo me­nos cin­co de­las ou­via gran­des ál­buns de mú­si­ca ne­gra a to­car. Na­que­le tem­po, to­da a gen­te ti­nha um gran­de pi­a­no em ca­sa e eu ia de ca­sa em ca­sa to­car. No Ve­rão, as pes­so­as gri­ta­vam do al­pen­dre: ‘En­tra, Lit­tle Jer­ry, an­da to­car!”.

Se, em Agos­to, fa­lá­va­mos do in­jus­tís­si­mo es­que­ci­men­to a que a black mu­sic bra­si­lei­ra dos anos 70/80 con­ti­nua ho­je vo­ta­da, no ca­so de Swamp Dogg, mú­si­co de 76 anos que, com ape­nas 12, gra­va­va, en­tão ain­da co­mo Lit­tle Jer­ry Wil­li­ams, a sua pri­mei­ra can­ção [ HTD Blu­es (He­art­sick Trou­ble­so­me Dow­nout Blu­es, 1954], as coi­sas pas­sam-se de for­ma um pou­co di­fe­ren­te. Não só por­que a mú­si­ca ne­gra ame­ri­ca­na é, ho­je, mú­si­ca po­pu­lar ado­ra­da em to­do o mun­do; mas tam­bém pe­la pos­tu­ra idi­os­sin­crá­ti­ca de Swamp, al­go de “vo­lun­tá­rio” ha­ven­do no seu es­que­ci­men­to. O que faz com que, não obs­tan­te uma pro­lí­fi­ca dis­co­gra­fia, nem um re­co­nhe­cí­vel hit lhe pos­sa­mos as­so­ci­ar (o mais per­to que dis­so en­con­tra­mos tal­vez se­ja Synthe­tic World, em­bo­ra te­nha fi­ca­do mais co­nhe­ci­do na voz de Jimmy Cliff ), a so­lo ou co­la­bo­ra­ti­va­men­te, ele que, com al­gu­mas ex­cep­ções (Dee Dee Warwick, Pa­ti LaBel­le, Ruth Brown, So­lo­mon Bur­ke), pro­du­ziu e es­cre­veu pa­ra nu­me­ro­sos no­mes do R&B e da soul de se­gun­da ou ter­cei­ra li­nha — em ter­mos de po­pu­la­ri­da­de, entenda-se, pois que pro­du­zir um dis­co pa­ra Z.Z. Hill ( Vel­vet Soul, 1982) ou Ir­ma Tho­mas ( Turn My World Around, 1993) sig­ni­fi­ca só tra­ba­lhar com duas das mais vir­tu­o­sas vo­zes da soul ame­ri­ca­na. Por ou­tro la­do, Swamp con­fes­sa-nos uma cró­ni­ca fal­ta de con­fi­an­ça só re­sol­vi­da nos úl­ti­mos anos: “Apa­ren­te­men­te, eu não era tão mau co­mo pen­sa­va. Sem­pre ti­ve me­do do pal­co, ain­da ho­je te­nho. Ha­via ti­pos na­que­la al­tu­ra que sa­bi­am co­mo man­dar abai­xo um pal­co, par­ti­am a loi­ça to­da! Ho­je, es­tou a fa­zer o mes­mo e, por is­so, as pes­so­as acham que sou um gran­de mother­fuc­ker, mas só es­tou a fa­zer o que eles fa­zi­am!”.

In­de­pen­den­te, pro­vo­ca­dor, ex­cên­tri­co (é ver o seu in­clas­si­fi­cá­vel ca­nal no YouTu­be), in­có­mo­do, sa­tí­ri­co, tan­tas ve­zes o ele­fan­te no meio da sa­la — e fre­quen­te­men­te uma sa­la de ho­mens bran­cos, co­mo zom­ba­va no dis­co-tí­tu­lo The Whi­te Man Ma­de Me Do It (2014): “Ape­sar dos ne­gros já te­rem fei­to mui­to, gran­de par­te foi aqui­lo que os bran­cos lhes dis­se­ram pa­ra fa­zer. Por­que nós acre­di­ta­mos sem­pre em vo­cês!” (ri­sos).

Nos úl­ti­mos anos, po­rém, tem be­ne­fi­ci­a­do de as­si­na­lá­vel re­va­lo­ri­za­ção da sua obra en­tre co­lec­ci­o­na­do­res e es­pe­ci­a­lis­tas, com To­tal Des­truc­ti­on To Your Mind (LP de es­treia em 70) a ser con­si­de­ra­da uma obra-pri­ma da soul por des­co­brir. Lo­ve, Loss & Au­to­tu­ne, o no­vís­si­mo ál­bum que é e não é o Swamp de sem­pre, só veio, por­tan­to, fo­men­tar es­te re­vi­si­o­nis­ta en­tu­si­as­mo pe­lo tra­ba­lho e per­so­na do dogg ( já não ga­to, por­tan­to) das 7 vi­das pas­sa­das en­tre a Vir­gí­nia, Fi­la­dél­fia, Nova Ior­que e Los An­ge­les.

Or­gu­lho­sa­men­te só a to­car nas fe­ri­das da Amé­ri­ca

Se o som da southern soul (tam­bém co­nhe­ci­da por de­ep soul, re­pre­sen­ta­da por edi­to­ras co­mo a Stax, a Goldwax ou a Hi Re­cords e da qual o Memphis sound é o seu ex­po­en­te) sem­pre se opôs ao da Mo­town por o des­ta úl­ti­ma ser me­nos “ne­gro” (no sen­ti­do em que pro­pi­ci­ou não só um cru­za­men­to en­tre mú­si­cos e pú­bli­cos ne­gros e bran­cos, mas, tam­bém, en­tre a soul, o R&B, o rock e a pop “bran­ca”) e mais po­li­do, “se­ri­a­do” (des­de lo­go pe­lo fac­to de a Mo­town ter co­me­ça­do a lan­çar mú­si­ca com ro­ti­nas fa­bris de pro­du­ção e de “con­tro­lo de qua­li­da­de”), Swamp é ab­so­lu­ta­men­te southern. Em­bo­ra su­bli­nhe que, na sua for­ma­ção e gos­to mu­si­cais, a coun­try e os seus he­róis (bran­cos), ca­so de Hank Wil­li­ams, Spa­de Co­o­ley ou Red Fo­ley, ocu­pem o pri­mei­ro lu­gar. Mas, di­zía­mos, southern não só mu­si­cal­men­te fa­lan­do, pois que, em­bo­ra cru­ze a soul com o R&B e o rock, o seu som se apre­sen­ta sem­pre sel­va­gem (bas­ta ou­vir I Want To He­ar So­me Rock N Roll, com

“Sou re­li­gi­o­so por­que re­zo to­das as noi­tes e pe­ço amor, e, nor­mal­men­te Ele de­vol­ve-me uma gran­de par­te, o que é

a uti­li­za­ção, mui­to es­drú­xu­la, de scrat­ch e sam­ples); mas, bem as­sim, por­que as le­tras de­sem­po­ei­ra­das e sub­ver­si­vas, abor­dan­do te­mas-ta­bu que, na Mo­town, só eram pon­tu­al­men­te au­to­ri­za­dos aos con­sa­gra­dos, to­ca­vam na fe­ri­da de uma so­ci­e­da­de que, nos se­ten­tas, con­vul­sa­va en­tre o mo­vi­men­to dos Ci­vil Rights e os Black Panthers, Wo­ods­tock e o mo­vi­men­to hip­pie, a guer­ra do Vi­et­na­me e a ame­a­ça nu­cle­ar. Por is­so e pa­ra is­so, a trans­for­ma­ção de Lit­tle Jer­ry Wil­li­ams em Swamp Dogg, no­me — e es­pa­ço pa­ra uma ati­tu­de mar­gi­nal, trans­gres­so­ra — cu­ja ori­gem o mú­si­co dei­xou ex­pli­ca­da na edi­ção de Best of 25 Ye­ars of Swamp Dogg (1995): “Jer­ry Wex­ler, pro­du­tor e ino­va­dor da Atlan­tic Re­cords (.) es­ta­va a gra­var a nova me­ca do funk de Mus­cle Sho­als, no Ala­ba­ma (.). Ele cu­nhou o ter­mo ‘Swamp Mu­sic’ pa­ra aque­le es­pan­to­so funk pre­do­mi­nan­te­men­te to­ca­do por bran­cos que acom­pa­nha­vam as ‘ins­ti­tui­ções’ do R&B co­mo Wil­son Pic­kett, Aretha Fran­klin (.). Eu tam­bém uti­li­za­va es­tes mú­si­cos ‘swamp’ e es­ta­va far­to de ser uma ju­ke­box dos hits do Chuck Jack­son, Ben E. King (.). Que­ria can­tar so­bre tu­do e mais al­gu­ma coi­sa e não ser se­ri­a­do pe­la in­dús­tria. Por is­so, es­co­lhi ‘Dogg’, por­que um cão po­de fa­zer tu­do o que lhe ape­te­ce e na­da do que fi­zer se­rá pro­pri­a­men­te uma sur­pre­sa: se ele dor­mir no so­fá, ca­gar no ta­pe­te, mi­jar nos cor­ti­na­dos, mas­ti­gar os chi­ne­los, fer­rar a per­na da tua so­gra, ati­rar-se pa­ra ci­ma de rou­pa nova ou lam­ber­te a ca­ra, nun­ca dei­xa de ser a per­so­na­gem que é. Tu acei­tas o que ele faz, amal­di­çoa-lo en­quan­to lhe dás abé­bi­as, mas o teu amor por ele nun­ca di­mi­nui!”.

”God Ain’t Bles­sing Ame­ri­ca”, can­ta­va em Ha­ve You He­ard This Story? (1974), nu­ma fra­se­zi­nha des­tas sen­ten­ci­an­do to­do um aba­não às gran­des e sim­bó­li­cas ins­ti­tui­ções ame­ri­ca­nas, as­sim dan­do con­ti­nu­a­ção à To­tal Des­truc­ti­on Of Your Mind ini­ci­a­da anos an­tes: jo­vens mães sol­tei­ras e miú­dos de pai in­cer­to (ele que foi edu­ca­do por mãe can­to­ra e pa­dras­to ta­len­to­so, “um des­ses ti­pos que to­ca­va qual­quer ins­tru­men­to”), in­fi­de-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.