“Há mui­to pou­ca cul­tu­ra afri­ca­na nos gran­des mu­seus de ar­te bra­si­lei­ros”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Isa­bel Sa­le­ma

Adri­a­no Pe­dro­sa, di­rec­tor ar­tís­ti­co do Mu­seu de Ar­te de São Pau­lo As­sis Cha­te­au­bri­and (MASP), es­tá à fren­te da equi­pa res­pon­sá­vel por ter de­vol­vi­do à mais co­nhe­ci­da ins­ti­tui­ção mu­se­o­ló­gi­ca bra­si­lei­ra o espírito ori­gi­nal de Li­na Bo Bar­di, a ar­qui­tec­ta ita­lo­bra­si­lei­ra que de­se­nhou o edi­fí­cio na Ave­ni­da Pau­lis­ta, em São Pau­lo, e cri­ou um dos dis­po­si­ti­vos ex­po­si­ti­vos mais al­ter­na­ti­vos dos sé­cu­lo XX — os ca­va­le­tes do MASP. Nes­ta en­tre­vis­ta an­te­ci­pa­va-se, na­da ines­pe­ra­da­men­te, a ten­são po­lí­ti­ca no Bra­sil evi­den­ci­a­da nas elei­ções pre­si­den­ci­ais des­te Ou­tu­bro, que tam­bém che­ga à cul­tu­ra e aos mu­seus, e fa­la-se das ma­ni­fes­ta­ções que ti­ve­ram lu­gar à por­ta do mu­seu pau­lis­ta­no na al­tu­ra da inauguração da ex­po­si­ção His­tó­ri­as da Se­xu­a­li­da­de (faz ago­ra um ano), an­te­ci­pan­do, des­ta vez ines­pe­ra­da­men­te, o con­fli­to a que as­sis­ti­mos ago­ra em Portugal no Mu­seu de Ser­ral­ves, no Por­to, com o li­mi­te de ida­de im­pos­to pa­ra se ace­der à ex­po­si­ção de Ro­bert Map­plethor­pe.

Co­mo é que che­gou à ideia da re­to­mar o dis­po­si­ti­vo ex­po­si­ti­vo da Li­na Bo Bar­di com os ca­va­le­tes? Pa­re­ceu-lhe ób­vio quan­do en­trou no mu­seu?

Sim, bem ób­via. Pas­sa­ram cer­ca de 20 anos des­de que os ca­va­le­tes fo­ram apo­sen­ta­dos [re­ti­ra­dos] pe­lo mu­seu, e du­ran­te es­se pe­río­do es­se dis­po­si­ti­vo tor­nou-se uma es­pé­cie de íco­ne da his­tó­ria das ex­po­gra­fi­as, das ar­qui­tec­tu­ras ex­po­si­ti­vas. Fa­lou-se du- ran­te mui­to tem­po da crí­ti­ca ao cu­bo bran­co, a par­tir do tex­to de Bri­an O’Doherty de 1976, e a pi­na­co­te­ca dos ca­va­le­tes de Li­na Bo Bar­di, in­tro­du­zi­da em 1968, é pro­va­vel­men­te a mais po­ten­te al­ter­na­ti­va ao mo­de­lo clás­si­co de ex­po­si­ção.

Em que es­ta­do é que es­ta­vam quan­do che­gou?

O se­gun­do an­dar es­ta­va to­do co­ber­to com pai­néis, não ha­via a trans­pa­rên­cia das ja­ne­las, não se via o ex­te­ri­or. O se­gun­do an­dar es­ta­va di­vi­di­do em pe­que­nas sa­las, com pa­re­des co­lo­ri­das, des­ti­na­das ao acervo.

A ne­ces­si­da­de de re­por os ca­va­le­tes já era uma dis­cus­são an­te­ri­or à sua en­tra­da co­mo di­rec­tor ar­tís­ti­co?

Ha­via na co­mu­ni­da­de ar­tís­ti­ca e de ar­qui­tec­tos, tan­to no Bra­sil qu­an­to in­ter­na­ci­o­nal­men­te, um de­se­jo de ver os ca­va­le­tes de vol­ta ao MASP, a obra má­xi­ma de Li­na Bo Bar­di. Ha­via o sen­ti­men­to de que era al­go que gos­ta­ría­mos de fa­zer, dar de vol­ta ao MASP es­sa par­te tão fun­da­men­tal do pro­jec­to de ex­por a co­lec­ção. Os ca­va­le­tes fo­ram aban­do­na­dos em 1996, por vá­ri­as ra­zões, e trou­xe­mo-los de vol­ta em 2015. Con­ti­nu­a­mos a ex­pe­ri­men­tar e a apren­der com eles.

O que é que acha que acres­cen­tam à ex­pe­ri­ên­cia do vi­si­tan­te?

Além de ter to­do es­se ca­rác­ter sin­gu­lar e ra­di­cal, pro­põem um ti­po de apro­xi­ma­ção e ex­pe­ri­ên­cia da ar­te bem dis­tin­tas. Tor­nam a ar­te mais aces­sí­vel, mais de­mo­crá­ti­ca. Quan­do vo­cê re­ti­ra as obras da pa­re­de, os es­pec­ta­do­res po­dem vê-las por to­dos os la­dos. O ca­va­le­te tem es­sa qua­li­da­de erec­ta, an­tro­po­mór­fi­ca. Qua­se

O MASP saiu mais for­te da po­lé­mi­ca à vol­ta de uma ex­po­si­ção que trou­xe ma­ni­fes­tan­tes à sua por­ta. O seu di­rec­tor vê-a co­mo o re­fle­xo do en­vol­vi­men­to do mu­seu no de­ba­te de te­mas co­mo a se­xu­a­li­da­de e a cen­su­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.