Fim foi — e é ne­gra

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

vi­te sair de ca­sa em al­tas ho­ras: à noi­te, in­fe­liz­men­te, a par­tir do olhar do ou­tro, não só vo­cê é ne­gro, mas ban­di­do, e apre­sen­ta pe­ri­go. Man­de a sua lo­ca­li­za­ção pe­lo Fa­ce­bo­ok, pe­lo What­sApp. Ca­so se­ja pa­ra­do, gra­ve com o seu ce­lu­lar: é o me­lhor re­gis­to que po­de fa­zer p’ra gen­te con­se­guir in­for­ma­ções so­bre qu­em te pa­rou, co­mo te pa­rou e por que te pa­rou. Em lu­ga­res pú­bli­cos, evi­te o uso de fu­ra­dei­ra e gu­ar­da-chu­va lon­go: mui­ta gen­te acha que são ar­mas de fo­go. Não saia sem do­cu­men­tos. Pro­cu­re an­dar acom­pa­nha­do, prin­ci­pal­men­te se for uma mu­lher, um ho­mos­se­xu­al ou uma pes­soa trans.”

Sim­pá­ti­cos e bem-hu­mo­ra­dos, três ra­pa­zes ne­gros dão con­se­lhos num ví­deo pu­bli­ca­do no YouTu­be em Fe­ve­rei­ro. A in­ter­ven­ção mi­li­tar no Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro ha­via aca­ba­do de ser de­cre­ta­da pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, le­van­do tro­pas do Exér­ci­to a ocu­par as ru­as da Ci­da­de Ma­ra­vi­lho­sa — me­lhor di­zen­do, ru­e­las e be­cos das fa­ve­las da ci­da­de, on­de há dé­ca­das se tra­va uma guer­ra que tem co­mo al­vo a po­pu­la­ção da ci­da­de. Pa­ra a po­pu­la­ção ne­gra, sem­pre foi um pe­ri­go an­dar à noi­te e so­zi­nho pe­las que­bra­das do Rio, mas com o apa­ra­to mi­li­tar is­so tor­nou-se mais ar­ris­ca­do. O Ob­ser­va­tó­rio da In­ter­ven­ção, cri­a­do por mo­ra­do­res das co­mu­ni­da­des afec­ta­das, já con­ta 103 mor­tos en­tre Fe­ve­rei­ro e Se­tem­bro nas ope­ra­ções mi­li­ta­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.