Já viu um fa­ná­ti­co com sen­ti­do de hu­mor?

Fa­ná­ti­cos Ca­ros

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Ofa­na­tis­mo, es­cre­ve Amos Oz, “é a es­sên­cia pe­re­ne da na­tu­re­za hu­ma­na, o ‘ge­ne mau’.” Atri­buí-lo a uma ci­vi­li­za­ção, a um po­vo, a uma re­li­gião é con­tri­buir pa­ra pro­pa­gar o ge­ne e cri­ar po­lí­ti­cas de ódio iden­ti­tá­rio. Num mo­men­to em que se as­sis­te ao exa­cer­bar do fa­na­tis­mo, o es­cri­tor is­ra­e­li­ta, vá­ri­as ve­zes men­ci­o­na­do co­mo um can­di­da­to ao No­bel, re­flec­te so­bre fé, fa­na­tis­mo e os de­sa­fi­os de vi­ver em con­jun­to no sé­cu­lo XXI num vo­lu­me que reú­ne três en­sai­os bre­ves e in­ci­si­vos. Pu­bli­ca­do em 2017 em Is­ra­el, Ca­ros Fa­ná­ti­cos traz três re­fle­xões. De 2002, 2014 e de 2015. Oz re­viu e ac­tu­a­li­zou ca­da uma e o re­sul­ta­do é um acu­ti­lan­te olhar pa­ra o pre­sen­te do mun­do, com um fo­co nas ques­tões ju­dai­cas e do Es­ta­do de Is­ra­el de que tem si­do um crí­ti­co aten­to. Uma con­ver­sa com um ho­mem de voz calma que co­me­çou por fa­lar de Maio des­te ano, um mês que não cons­ta des­te li­vro e que al­te­rou equi­lí­bri­os po­lí- ti­cos. Foi quan­do os EUA mu­da­ram a sua em­bai­xa­da pa­ra Je­ru­sa­lém. É de Amos Oz a pri­mei­ra fra­se des­ta con­ver­sa: “O pro­ble­ma não é se Je­ru­sa­lém é ou não a ca­pi­tal da Is­ra­el. O pro­ble­ma é co­mo é que a ou­tra me­ta­de de Je­ru­sa­lém po­de ser a ca­pi­tal da Pa­les­ti­na no fu­tu­ro.”

Es­cre­ve que o fa­na­tis­mo é ve­lho co­mo a hu­ma­ni­da­de. Que fa­na­tis­mo é o des­te tem­po?

Em Is­ra­el, co­mo em mui­tos, mui­tos ou­tros paí­ses, o fun­da­men­ta­lis­mo e o fa­na­tis­mo es­tão em as­cen­são. As pes­so­as es­tão a tor­nar-se mais na­ci­o­na­lis­tas, mais chau­vi­nis­tas, mais egoís­tas e de vi­são es­trei­ta, e a des­ti­lar mais ódio em re­la­ção aos es­tra­nhos, os es­tran­gei­ros. Is­to es­tá a acon­te­cer na Eu­ro­pa Oci­den­tal, na Eu­ro­pa de Les­te, Es­ta­dos Uni­dos, na Rús­sia, em Is­ra­el e em mui­tos ou­tros paí­ses do Mé­dio Ori­en­te. Pre­o­cu­pa­me por­que acho que se nos afas­tar­mos dos prin­cí­pi­os fun­da­men­tais do hu­ma­nis­mo es­ta­be­le­ci­dos de­pois da II Guer­ra Mun­di­al es­ta­re­mos mui­to de­pres­sa a vi­ver um in­fer­no. Os pro­ble­mas es­tão a tor­nar-se mais com­pli­ca­dos e mui­tas pes­so­as pro­cu­ram res­pos­tas mui­to sim­ples; pro­cu­ram res­pos­tas de uma fra­se, ca­pa­zes de pôr tu­do na or­dem; fra­ses que nos di­gam qu­em são os maus, qu­em são os ini­mi­gos, qu­em são os pe­ri­go­sos. Acham que se sou­be­rem is­so o pa­raí­so po­de vir.

É tam­bém por is­so que fa­la de uma in­fan­ti­li­za­ção da so­ci­e­da­de?

Sim, a in­fan­ti­li­za­ção tem a ver com o fac­to de mui­tos mi­lhões de pes­so­as acre­di­ta­rem que a vi­da de­ve ser um en­tre­te­ni­men­to e que a po­lí­ti­ca é um jo­go di­ver­ti­do e a es­sên­cia da vi­da pas­sa por fa­zer com­pras. Ar­ris­ca um an­tí­do­to: a ne­ces­si­da­de de ser cu­ri­o­so e de ter ima­gi­na­ção. Porquê as duas ca­rac­te­rís­ti­cas jun­tas?

É pre­ci­so qual­quer coi­sa no mun­do que nos fa­ça ima­gi­nar o ou­tro e é só jo­gar es­se pe­que­no jo­go on­de nos po­mos es­ta per­gun­ta: va­mos su­por que eu sou ele, ou ela ou eles. O

Mes­mo que po­li­ti­ca­men­te zan­ga­do, amar­go ou só, Amos Oz con­ti­nua a lu­tar pe­la sua ideia de Is­ra­el e de ci­vi­li­za­ção.

é uma car­ta en­de­re­ça­da a to­dos por­que es­se é um ge­ne uni­ver­sal e de­ve ser com­ba­ti­do com an­tí­do­tos co­mo a ima­gi­na­ção, a cu­ri­o­si­da­de ou hu­mor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.