Um voyeur em lu­gar pri­vi­le­gi­a­do

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Hol­linghurst é um au­tor aten­to aos de­ta­lhes do mun­do fí­si­co e das men­tes das per­so­na­gens. He­le­na Vasconcelos

O Ca­so Sparsholt Alan Hol­linghurst (Trad. Tâ­nia Ga­nho) Dom Qui­xo­te Em Ou­tu­bro de 1940, en­quan­to a avi­a­ção de Hi­tler bom­bar­de­a­va a Grã-Bre­ta­nha com uma fe­ro­ci­da­de inau­di­ta, a 80 qui­ló­me­tros de Lon­dres, cas­ti­ga­da pe­las bom­bas ini­mi­gas, vi­via-se, em Ox­ford, um tem­po sus­pen­so, de va­zio e de ex­pec­ta­ti­va. Os pou­cos alu­nos e pro­fes­so­res que ocu­pa­vam os Co­lé­gi­os as­se­me­lha­vam-se a fan­tas­mas, so­bre­vi­ven­tes de uma ca­tás­tro­fe so­bre a qual não ti­nham con­tro­lo. É nes­te ce­ná­rio que Alan Hol­linghurst si­tua o pri­mei­ro dos cin­co ca­pí­tu­los de O Ca­so Sparsholt, cu­ja tra­ma se es­ten­de até 2012, co­brin­do, as­sim, seis dé­ca­das de acon­te­ci­men­tos, não pro­pri­a­men­te os que são no­ti­ci­a­dos nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, mas aque­les que se in­si­nu­am na vi­da das per­so­na­gens, de­ter­mi­nan­do o seu ru­mo pes­so­al. O té­dio dos di­as — as noi­tes, es­cu­ras de­vi­do ao blac­kout, pro­pi­ci­am mis­te­ri­o­sas de­am­bu­la­ções e en­con­tros for­tui­tos — é que­bra­do pe­la che­ga­da de um es­tra­nho, co­mo acon­te­ce na gran­de tra­di­ção do gé­ne­ro ro­ma­nes­co. Da­vid Sparsholt, mui­to jo­vem, atlé­ti­co e be­lo, tor­na-se ob­jec­to de de­se­jo de três ami­gos, que o ob­ser­vam e o cer­cam com uma avi­dez pre­da­tó­ria, mas­ca­ra­da pe­lo em­ba­ra­ço e pe­lo mal disfarçado de­se­jo.

“O ele­men­to de­les era a noi­te e o não-di­to, com to­da a sua re­pug­nan­te am­bi­va­lên­cia” (pág. 106), con­ta um de­les, mar­can­do o tom de to­da a nar­ra­ti­va. Os in­ter­ve­ni­en­tes são Pe­ter Goy­le, um ar­tis­ta in­ten­so, sar­cás­ti­co e ávi­do que se pro­põe pin­tar Sparsholt, Evert Dax, o fi­lho ina­de­qua­do e de­sa­jei­ta­do de um es­cri­tor de best­sel­lers — Hol­linghurst apro­vei­ta pa­ra sa­ti­ri­zar um cer­to ti­po ar­ro­gan­te do que ele cha­ma “au­to­res de tri­lo­gi­as” — que se apai­xo­na por Da­vid, e o nar­ra­dor des­te ca­pí­tu­lo, Fred­die Gre­en, pos­sui­dor da do­se cer­ta de hi­po­cri­sia iró­ni­ca pa­ra des­cre­ver os acon­te­ci­men­tos, dei­xan­do en­tre­ver uns e obli­te­ran­do ou­tros. To­dos per­ten­cem a um “clu­be” in­for­mal que con­vi­da au­to­res cé­le­bres pa­ra pa­les­tras de que des­co­nhe­ce­mos o te­ma e to­dos eles — e os ele­men­tos das su­as fa­mí­li­as — se irão cru­zar uns com os ou­tros, ao lon­go dos anos, num jo­go de en­con­tros e de­sen­con­tros que cons­ti­tui­rá o cer­ne da ação.

À che­ga­da a Ox­ford, Da­vid Sparsholt é en­ca­ra­do co­mo um “ca­so” — mais tar­de, em 1966, um ano an­tes da des­cri­mi­na­li­za­ção do ac­to se­xu­al con­sen­ti­do en­tre ho­mens com mais de 21 anos , o Se­xu­al Of­fen­ces Act de 1967, ha­ve­rá ou­tro “ca­so” que en­vol­ve­rá um mem­bro do Par­la­men­to e um es­cân­da­lo com pros­ti­tu­tos — mas não dá mos­tras ób­vi­as de en­ten­der ser o exem­plar per­fei­to da be­le­za mas­cu­li­na, o po­lo mag­né­ti­co que atrai e per­tur­ba qu­em o ro­deia. Não pos­sui a so­fis­ti­ca­ção dos no­vos ami­gos, es­tu­da uma ma­té­ria pou­co ex­ci­tan­te (en­ge­nha­ria), es­tá só à es­pe­ra de fa­zer 18 anos pa­ra com­ba­ter na RAF e tem uma na­mo­ra­da, Con­nie, com qu­em, sa­be­re­mos mais tar­de, irá ca­sar, de­pois de so­bre­vi­ver à Guer­ra e se ter con­ver­ti­do num ri­co ho­mem de ne­gó­ci­os.

Hol­linghurst é um es­cri­tor pa­ci­en­te e aten­to aos de­ta­lhes, se­jam os que per­ten­cem ao mun­do fí­si­co, se­jam os que es­tão dis­cre­ta­men­te alo­ja­dos nas men­tes das per­so­na­gens. O olhar é oblí­quo, mas cer­tei­ro, fa­zen­do, de qu­em o lê um voyeur que tu­do ob­ser­va a par­tir de um lu­gar pri­vi­le­gi­a­do, em­bo­ra nem sem­pre com vi­são cla­ra e de­sim­pe­di­da. Em O Ca­so Sparsholt exis­tem mui­tas ja­ne­las, aber­tu­ras, amei­as, fis­su­ras, de on­de é pos­sí­vel ob­ser­var sem se ser vis­to, ja­ne­las ilu­mi­na­das e obs­cu­re­ci­das, pos­tos de observação que ex­ci­tam a ima­gi­na­ção. A ge­o­me­tria dos co­lé­gi­os ox­for­di­a­nos — com os seus pá­ti­os qua­dran­gu­la­res, os seus tor­reões, as vis­tas pa­ra den­tro e pa­ra fo­ra, pa­ra o rel­va­do, pa­ra o rio, on­de va­lo­ro­sos re­ma­do­res, quais deu­ses gre­gos, mos­tram os mús­cu­los, em to­da a sua gló­ria — é com­pa­tí­vel com es­ta te­naz con­tem­pla­ção do mun­do e das pes­so­as, se­ja nes­se es­pa­ço, se­ja em Lon­dres, no cam­po ou nas prai­as, on­de os mais jo­vens pas­sam os di­as de ve­rão, eter­na­men­te pos­tos à pro­va, tor­tu­ra­dos pe­lo té­dio e pe­lo de­se­jo adi­a­do.

Hol­linghurst é o ro­man­cis­ta dos ro­man­cis­tas, um au­tor a qu­em po­de­ría­mos cha­mar “clás­si­co”, co­mo o são Tols­tói ou Stendhal. À se­me­lhan­ça des­tes, es­cre­ve his­tó­ri­as de amor e dra­ma, so­bre pes­so­as afec­ta­das pe­la His­tó­ria, pe­la in­ter­fe­rên­cia na mo­ral e nos cos­tu­mes, mar­ca­das pe­la ar­te e pe­la li­te­ra­tu­ra, par­te de uma cons­te­la­ção de se­res pen­san­tes e atu­an­tes que não es­ca­pam aos re­ve­zes do tem­po. Evelyn Waugh, prin­ci­pal­men­te em De­clí­nio e Que­da (1928), a qu­em Hol­linghurst vai bus­car re­fe­rên­ci­as — e o pró­prio es­ti­lo — ob­ser­vou com ver­ve e iro­nia cor­tan­te o de­clí­nio da so­ci­e­da­de e do mo­do de vi­da bri­tâ­ni­cos, no pe­río­do en­tre as guer­ras. Fê-lo de um pon­to de vis­ta “con­ser­va­dor”, uma vez que a sua pre­o­cu­pa­ção era di­rec­ci­o­na­da pa­ra as clas­ses al­tas, ao con­trá­rio, por exem­plo, de Ge­or­ge Orwell. Hol­linghurst, que po­de­mos si­tu­ar al­gu­res en­tre os dois, alu­de di­rec­ta­men­te a Waugh no pri­mei­ro ca­pí­tu­lo, mas pas­sa pa­ra um re­gis­to mais “ja­me­se­a­no” no res­to do ro­man­ce, co­mo fez ques­tão de mos­trar em obras an­te­ri­o­res co­mo A Li­nha da Be­le­za (2004), on­de fo­ca a tu­mul­tu­o­sa e de­sas­tro­sa “era That­cher” e o apa­re­ci­men­to da Si­da, com a cru­e­za nos­tál­gi­ca e me­ti­cu­lo­sa de Henry Ja­mes. Em A Bi­bli­o­te­ca na Pis­ci­na (1988) cen­tra a ac­ção na Lon­dres gay dos anos 80 do sé­cu­lo pas­sa­do, mas com uma alu­são di­rec­ta ao mo­vi­men­to de­ca­den­te e es­te­ta dos anos 80 do sé­cu­lo XIX e aos seus re­pre­sen­tan­tes mais mar­can­tes, co­mo Os­car Wil­de, Ro­nald Fir­bank e até Proust, in­fluên­cia ób­via em The Fol­ding Star (1994). Re­cor­de-se que, no seu an­te­ri­or ro­man­ce, O Fi­lho do Des­co­nhe­ci­do (2011), a ac­ção tam­bém co­bre um pe­río­do que se es­ten­de des­de as vés­pe­ras da Iª Guer­ra até 2009, com re­fe­rên­cia es­pe­ci­al aos po­e­tas de 1914-1918, co­mo Ru­pert Bro­o­ke, Wil­fred Owen e Si­eg­fri­ed Sas­so­on.

O po­e­ma Diz-me a Ver­da­de acer­ca do amor de W. H. Au­den, (“Há qu­em di­ga que o amor é um ra­pa­zi­nho/ E qu­em di­ga que ele é um pás­sa­ro; /Há qu­em di­ga que faz o mun­do gi­rar, /E qu­em di­ga que é um ab­sur­do, (…) “) po­de­ria ser­vir co­mo re­su­mo des­te ro­man­ce. Ena­mo­ra­men­to, se­du­ção, se­xo, de­cep­ções, as ques­tões do cor­po mas­cu­li­no — quan­do, por exem­plo, um dos aman­tes é mais ve­lho do que o ou­tro —, es­cân­da­los po­lí­ti­cos e se­xu­ais, en­co­bri­men­tos, fer­ti­li­za­ção in-vi­tro, amor e ami­za­de, re­la­ções fa­mi­li­a­res e a al­te­ra­ção dos có­di­gos so­ci­ais, prin­ci­pal­men­te a par­tir dos anos 70 do sé­cu­lo XX, pre­en­chem as pá­gi­nas des­ta sa­ga, na qual Hol­linghurst se em­pe­nha a fun­do pa­ra pon­de­rar so­bre os as re­la­ções hu­ma­nas.

O Ca­so Sparsholt — o no­me de Da­vid e do seu fi­lho Johnny con­tém a pou­co li­son­jei­ra e po­pu­lar pa­la­vra arsholt (ou as­sho­le) — é um clás­si­co da li­te­ra­tu­ra gay e que­er, co­mo aliás to­dos os ou­tros ro­man­ces do au­tor, uma ex­ten­sa e per­fei­ta ca­rac­te­ri­za­ção de um tem­po e dos que o ha­bi­tam. O au­tor pre­o­cu­pa­se em mos­trar co­mo os acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos acom­pa­nham, in­flu­en­ci­am e atra­ves­sam, pun­gen­te­men­te as vi­das pri­va­das e os sen­ti­men­tos de ca­da um, de­ter­mi­nan­do tam­bém o ru­mo da cri­a­ção ar­tís­ti­ca, da es­tag­na­ção ou re­vi­ta­li­za­ção das ar­tes plás­ti­cas e da li­te­ra­tu­ra.

Um es­cri­tor aten­to aos de­ta­lhes, se­jam os que per­ten­cem ao mun­do fí­si­co, se­jam os que es­tão alo­ja­dos nas men­tes das per­so­na­gens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.