Os lu­ga­res in­ten­sos da men­te de Matt Mul­li­can

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

A ten­ta­ti­va de iden­ti­fi­car for­mas de fi­gu­rar o in­di­ví­duo na sua di­men­são sub­jec­ti­va e sin­gu­lar. Nu­no Cres­po

What do they fe­el? Matt Mul­li­can Lis­boa. Ga­le­ria Cris­ti­na Guer­ra. Rua Sto An­tó­nio à Estrela, 33. Até 3 de No­vem­bro

Uma ex­po­si­ção re­tros­pec­ti­va de Matt Mul­li­can (n. Ca­li­for­nia, USA, 1951) em 2011 (Mu­ni­que, Haus der Kunts) ti­nha o tí­tu­lo Or­ga­ni­zar o mun­do ( or­ga­ni­zing the world). Tra­ta-se de um tí­tu­lo su­ges­ti­vo, e im­por­tan­te, por­que re­ve­la um dos prin­ci­pais mo­tes da obra que es­te ar­tis­ta tem vin­do a de­sen­vol­ver. A or­ga­ni­za­ção aqui não é mo­ti­va­da por qual­quer im­pul­so de ca­ta­lo­gar, do­cu­men­tar ou clas­si­fi­car o mun­do, os seus fac­tos e as su­as coi­sas, mas de o com­pre­en­der a par­tir de prin­cí­pi­os não es­tri­ta­men­te ra­ci­o­nais ou for­mais co­mo os que, por exem­plo, en­con­tra­mos na His­tó­ria ou nas ci­ên­ci­as di­tas exac­tas. O mun­do que lhe in­te­res­sa or­ga­ni­zar, por­que es­sa é uma for­ma de o com­pre­en­der, diz res­pei­to ao mun­do tal co­mo é per­ce­bi­do pe­la sen­si­bi­li­da­de e in­te­li­gên­cia hu­ma­nas. E é es­ta ten­são en­tre a per­cep­ção e a re­a­li­da­de que Matt Mul­li­can usa no seu pro­ces­so cri­a­ti­vo.

Ten­den­ci­al­men­te, as su­as ex­po­si­ções, de que es­ta em Lis­boa é um ex­ce­len­te exem­plo, são exu­be­ran­tes, chei­as de ele­men­tos he­te­ro­gé­ne­os co­mo es­cul­tu­ras, de­se­nhos, ob­jec­tos, fotografias, per­for­man­ces, e pa­re­cem vi­ver nu­ma de­sor­dem mui­to par­ti­cu­lar e ca­rac­te­rís­ti­ca. Mas es­sa de­sor­dem não só pres­su­põe uma or­dem, co­mo de­ve ser as­su­mi­da co­mo ten­ta­ti­va de cri­a­ção de uma di­men­são pa­ra­le­la no in­te­ri­or da qual o ar­tis­ta pro­põe pen­sar o in­di­ví­duo pa­ra lá das ha­bi­tu­ais fron­tei­ras so­ci­ais, cul­tu­rais, emo­ci­o­nais, po­lí­ti­cas. Po­de abor­dar-se a in­ten­si­da­de e abun­dân­ci­as dos dis­po­si­ti­vos ex­po­si­ti­vos co­mo uma de­sor­dem es­tru­tu­ra­da à qual cor­res­pon­de uma vi­são cos­mo­ló­gi­ca do uni­ver­so em que Matt Mul­li­can de­sen­vol­ve uma in­ves­ti­ga­ção ar­tís­ti­ca e an­tro­po­ló­gi­ca. Ar­tís­ti­ca por­que nun­ca ab­di­ca da re­la­ção com as lin­gua­gens dos mei­os e ma­te­ri­ais com que tra­ba­lha; an­tro­po­ló­gi­ca por­que o seu mai­or in­te­res­se não se cen­tra uni­ca­men­te nu­ma pes­qui­sa plás­ti­ca ou pic­tó­ri­ca, mas pen­sa o in­di­ví­duo. To­do o seu tra­ba­lho de­ve ser en­fren­ta­do a par­tir da ten­ta­ti­va de iden­ti­fi­car di­fe­ren­tes for­mas de fi­gu­rar o in­di­ví­duo na sua di­men­são sub­jec­ti­va e sin­gu­lar. Uma pes­qui­sa na qual Mul­li­can não só uti­li­za as ha­bi­tu­ais fer­ra­men­tas da observação tão co­muns em mui­tas prá­ti­cas ar­tís­ti­cas, mas tam­bém o in­cons­ci­en­te a que ace­de atra­vés de um cui­da­do­so pro­ces­so de hip­no­se e au­to-aná­li­se. Um uso das ima­gens in­cons­ci­en­tes do in­di­ví­duo que po­de­mos re­mon­tar aos pro­ces­sos de es­cri­ta au­to­má­ti­ca, do de­se­nho e da ar­te bru­ta tão apre­ci­a­dos pe­los sur­re­a­lis­tas. E nes­te lu­gar in­ter­no tu­do o que Matt Mul­li­can vê são pa­drões de luz (“all i see are light pat­terns” re­pe­te nas en­tre­vis­tas e con­fe­rên­ci­as) e são es­ses pa­drões, li­nhas, fi­gu­ras, co­res, que trans­por­ta pa­ra as su­as ima­gens e ob­jec­tos.

Nes­te uni­ver­so so­mos gui­a­dos por um su­jei­to a que umas ve­zes o ar­tis­ta cha­ma Glenn, mas que a mai­or par­te das ve­zes sur­ge co­mo “that per­son” sem ida­de, se­xo, ros­to ou no­me. Es­sa pes­soa é ela mes­ma, li­vre das ha­bi­tu­ais con­ven­ções e de­fi­ni­da por si mes­ma. Es­sa pes­soa não sur­ge iso­la­da do mun­do: o seu cor­po é en­ten­di­do co­mo pai­sa­gem e nu­ma for­te li­ga­ção an­tro­po­mór­fi­ca com a re­a­li­da­de. O en­ten­di­men­to do cor­po e do in­di­ví­duo que ve­mos sur­gir im­pli­ca uma vi­são que es­ta­be­le­ce pro­lon­ga­men­tos e li­ga­ções en­tre to­dos os di­fe­ren­tes cor­pos, ob­jec­tos, coi­sas que ocu­pam e dão cor­po, for­ma e ima­gem ao mun­do tal co­mo o ha­bi­ta­mos e per­ce­be­mos. “Aque­la pes­soa” é, as­sim, um su­jei­to ar­tís­ti­co que po­de ser sur­pre­en­di­do no la­bi­rin­to apre­sen­ta­do e ma­te­ri­a­li­za­do nes­ta ex­po­si­ção e que é com­pos­to pe­los lu­ga­res in­ten­sos da men­te de Mul­li­can. Lu­ga­res que o es­pec­ta­dor é con­vi­da­do a vi­si­tar e, as­sim, a re­a­li­zar uma ex­pe­di­ção an­tro­po­ló­gi­ca na qual se con­fron­ta com per­gun­tas acer­ca do que é um sen­ti­men­to, uma emo­ção e so­bre o que é ter um cor­po que ha­bi­ta a Ter­ra.

Uma de­sor­dem es­tru­tu­ra­da à qual cor­res­pon­de uma vi­são cos­mo­ló­gi­ca do uni­ver­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.