Em bus­ca do ar­co-íris

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

A es­treia na re­a­li­za­ção de Bradley Cooper e no ci­ne­ma de Lady Gaga é um ges­to hi­per-ro­mân­ti­co que adap­ta um me­lo­dra­ma clás­si­co à me­di­da dos nos­sos di­as. Jor­ge Mou­ri­nha

As­sim Nasce uma Estrela

A Star is Born

De Bradley Cooper

Com Lady Gaga, Bradley Cooper, Andrew Dice Clay Po­de ser a quar­ta vez que é con­ta­da no gran­de écrã — an­tes hou­ve Ja­net Gay­nor e Fre­dric Mar­ch em 1937 sob a di­rec­ção de Wil­li­am Well­man, Judy Gar­land e Ja­mes Ma­son em 1954 sob Ge­or­ge Cu­kor, Bar­bra Strei­sand e Kris Kris­tof­fer­son em 1976 sob Frank Pi­er­son — mas a his­tó­ria de As­sim Nasce uma Estrela es­tá sem­pre a ser con­ta­da: o aman­te que, por amor, par­ti­lha o ta­len­to da sua ama­da com o mun­do, mas que nes­se pro­ces­so com­pre­en­de que o seu tem­po pas­sou e ele vai fi­car pe­lo ca­mi­nho. Con­tra­ce­nan­do com Lady Gaga, a ar­tis­ta pop que mais lon­ge te­rá le­va­do o con­cei­to de “au­to-in­ven­ção” após Ma­don­na, Bradley Cooper, o Sni­per Ame­ri­ca­no de Eastwo­od, ac­tor pas­sa­do à re­a­li­za­ção que é aqui tam­bém pro­du­tor, ar­gu­men­tis­ta, com­po­si­tor, can­tor e mú­si­co, man­tém-se fi­el à tra­ma nar­ra­ti­va cri­a­da por Well­man em 1937, mas faz na prá­ti­ca uma re­ma­ke ac­tu­a­li­za­da do filme de Pi­er­son, en­tão já am­bi­en­ta­do no mun­do do rock. Tal co­mo Kris Kris­tof­fer­son em 1976, o Jack­son Mai­ne de Cooper é uma estrela do “rock ope­rá­rio” ame­ri­ca­no que des­co­bre por aca­so na Ally de Lady Gaga um ta­len­to “re­al”, sin­ce­ro, em bru­to, que tem si­do ig­no­ra­do por ela não se “en­cai­xar nos pa­drões” (o na­riz de Gaga, que faz pen­sar na Strei­sand, é uma das múl­ti­plas re­fe­rên­ci­as às ver­sões an­te­ri­o­res, co­mo o frag­men­to de Over the Rain­bow que ela can­ta ao prin­cí­pio).

E tu­do o que se joga ao lon­go de As­sim Nasce uma Estrela, no sé­cu­lo XXI de es­tre­la­to ins­tan­tâ­neo ma­de in YouTu­be, de ob­so­les­cên­cia pro­gra­ma­da e de fa­ke news, é uma apo­lo­gia do “re­al”, da emo­ção, da en­tre­ga, da per­so­na­li­da­de. Jack­son e Ally re­co­nhe­cem um no ou­tro uma fra­gi­li­da­de de­ma­si­a­do hu­ma­na, uma sin­ce­ri­da­de que se ex­pres­sa me­lhor atra­vés da mú­si­ca do que por pa­la­vras. É a pri­mei­ra ho­ra do filme e é o que ele tem de me­lhor: uma mu­lher e um ho­mem que se des­co­brem, que se se­du­zem, que se com­pre­en­dem, fil­ma­dos com in­ti­mi­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra o es­pec­ta­dor se sen­tir per­to de­les e dis­tân­cia su­fi­ci­en­te pa­ra man­ter mis­te­ri­o­so o que acon­te­ce en­tre duas pes­so­as que se apai­xo­nam. Tu­do con­ta­do com apu­ra­da sen­si­bi­li­da­de por um re­a­li­za­dor es­tre­an­te do qual não es­pe­ra­ría­mos es­te ti­po de apos­ta for­mal (é só ver a ma­nei­ra co­mo as ce­nas de pal­co são fil­ma­das, dan­do tem­po às can­ções e às per­for­man­ces pa­ra se de­sen­vol­ve­rem).

De­pois, tu­do co­me­ça a des­cam­bar, com Ally a trans­for­mar-se, ela pró­pria, nu­ma ve­de­ta, mol­dan­do-se à me­di­da do “mer­ca­do” e cor­ren­do o ris­co de per­der a sin­ce­ri­da­de, e Jack­son a fi­car pa­ra trás, a sen­tir-se traí­do. Se na pri­mei­ra ho­ra Lady Gaga apa­re­ce sem más­ca­ra, com gar­ra, com pre­sen­ça, con­fir­man­do o ta­len­to bru­to que o fe­nó­me­no me­diá­ti­co nem sem­pre per­mi­tiu ver, na se­gun­da me­ta­de ve­mo-la mais pró­xi­ma da sua iden­ti­da­de pú­bli­ca. E o filme não evi­ta um le­ve pre­con­cei­to de “superioridade mo­ral”, co­mo qu­em diz “és tão fan­tás­ti­ca que não pre­ci­sas dis­to”; mas é um pre­con­cei­to que sem­pre exis­tiu no âm­bi­to de um filme di­vi­di­do en­tre a ar­te e o co­mér­cio, com a mes­ma es­qui­zo­fre­nia de uma Hollywo­od que quer ser ao mes­mo tem­po in­dús­tria e ar­te­sa­na­to. Ao mes­mo tem­po, é uma dis­tin­ção que faz to­do o sen­ti­do num filme que quer pro­var que é pos­sí­vel fa­zer a li­ga­ção en­tre a ter­ra e as raí­zes da Amé­ri­ca pro­fun­da e a so­fis­ti­ca­ção ur­ba­na das ci­da­des cos­tei­ras, que quer jun­tar sob uma mes­ma ten­da as pla­ní­ci­es do Midwest e os so­nhos de Los An­ge­les. Afi­nal, é a his­tó­ria de um so­nho em bus­ca do ar­coí­ris: o da ini­ci­a­da que re­ce­be a ben­ção do mes­tre. Pe­ran­te a fé e a en­tre­ga com que Lady Gaga e Bradley Cooper o con­tam nes­te me­lo­dra­ma à mo­da an­ti­ga rein­ven­ta­do pa­ra o sé­cu­lo XXI, re­sis­tir-lhe é im­pos­sí­vel. iní­cio da sua pro­du­ção nos anos 1980, uma cren­ça no mash-up pos­sí­vel en­tre a anar­quia li­ber­tá­ria do-ityour­self do punk e a con­ven­ção da sé­rie Z e do filme de gé­ne­ro, nu­ma frui­ção do sim­ples pra­zer de con­tar uma his­tó­ria. Jo­gan­do nos ta­bu­lei­ros do po­li­ci­al, da es­pi­o­na­gem, da fic­ção-ci­en­tí­fi­ca ao lon­go de uma obra ir­re­gu­lar tan­to no tem­po co­mo na qua­li­da­de, Os­sang tan­to se ins­pi­ra nos ve­lhos ro­man­ces da sé­rie noi­re co­mo na BD fran­co-bel­ga, nas pro­du­ções ba­ra­tas de Hollywo­od pen­sa­das co­mo com­ple­men­to de pro­gra­ma com o seu re­tro­fu­tu­ris­mo de or­ça­men­to ine­xis­ten­te. O con­cei­to é sim­ples: des­cons­truir e re­cons­truir den­tro de co­or­de­na­das es­pe­cí­fi­cas (pre­to e bran­co, re­a­li­da­des al­ter­na­ti­vas, es­ti­li­za­ção for­mal, ma­xi­mi­za­ção de lu­ga­res-co­muns). Os­sang tem uma lon­ga re­la­ção com Portugal, on­de fil­mou por vá­ri­as ve­zes, e é tam­bém es­se o ca­so de 9 De­dos, sua quin­ta lon­ga-me­tra­gem, co­pro­du­ção por­tu­gue­sa que ven­ceu o pré­mio de re­a­li­za­ção em Lo­car­no 2017.

Re­me­ten­do pa­ra um dos clás­si­cos do ci­ne­ma ame­ri­ca­no pós-Se­gun­da Guer­ra, o Bei­jo Fa­tal de Ro­bert Al­dri­ch adap­ta­do de Mic­key Spil­la­ne, 9 De­dos é exem­plar des­sa es­té­ti­ca de es­ti­li­za­ção ca­ni­bal — a his­tó­ria de um cri­mi­no­so em­bar­ca­do a bor­do de um “na­vio fan­tas­ma”, “ho­lan­dês vo­a­dor” com uma car­ga fa­tal, evo­ca igual­men­te as aven­tu­ras de Spi­rou, as des­cons­tru­ções de Go­dard e os clás­si­cos B da War­ner, trans­pi­ran­do ci­ne­fi­lia e pai­xão em ca­da fo­to­gra­ma. Mas, ain­da as­sim, há uma sen­sa­ção de 9 De­dos ser me­nos ins­pi­ra­do, mais ar­ras­ta­do do que obras an­te­ri­o­res, co­mo se Os­sang se es­ti­ves­se a re­pe­tir sem a mes­ma ener­gia nem ori­gi­na­li­da­de de tí­tu­los co­mo Dhar­ma Guns ou L’Af­fai­re des di­vi­si­ons Mo­ri­tu­ri. Cu­ri­o­sa­men­te, o ci­ne­ma de Os­sang é ho­je mais ac­tu­al do que era quan­do o re­a­li­za­dor co­me­çou em 1980, de­vi­do à as­cen­são de con­ter­râ­ne­os igual­men­te ci­né­fi­lo­trans­gres­si­vos co­mo Yann Gon­za­lez ou Bertrand

Man­di­co; 9 De­dos faz pro­va de vi­da, mas fal­ta-lhe a gar­ra que Os­sang já pro­vou ter. A

Me­lo­dra­ma à an­ti­ga rein­ven­ta­do pa­ra o sé­cu­lo XXI pe­la fé e en­tre­ga de Lady Gaga e Bradley Cooper

9 De­dos é exem­plar da es­té­ti­ca de es­ti­li­za­ção ca­ni­bal de Os­sang

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.