O po­e­ta e a pu­bli­ci­da­de

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

O fran­co-ame­ri­ca­no Eugè­ne Gre­en re­en­con­tra a es­sên­cia do seu ci­ne­ma aus­te­ro e es­car­ni­nho com um de­li­ci­o­so “mi­ni-filme” bem mais con­se­gui­do que mui­tos gran­des fil­mes.

Jor­ge Mou­ri­nha

Co­mo Fer­nan­do Pes­soa Sal­vou Portugal

De Eugè­ne Gre­en

Com Car­lo­to Cot­ta, Manuel Mo­zos “Pri­mei­ro es­tra­nha-se, de­pois en­tra­nha-se” — o slo­gan que Fer­nan­do Pes­soa te­rá in­ven­ta­do pa­ra a Co­ca-Co­la nu­ma pri­mei­ra ten­ta­ti­va fa­lha­da de in­tro­du­zir a “água su­ja do im­pe­ri­a­lis­mo” em Portugal po­de apli­car-se na per­fei­ção a uma mi­ría­de de re­a­li­za­do­res do cir­cui­to de fes­ti­vais que são, na prá­ti­ca, “gos­tos ad­qui­ri­dos”. Um dos ca­sos mais ra­di­cais é Eugè­ne Gre­en, ame­ri­ca­no lon­ga­men­te ra­di­ca­do em Pa­ris e de­vo­to da cul­tu­ra clás­si­ca eu­ro­peia, cu­jo ci­ne­ma aus­te­ro, se­co e pon­tu­al­men­te es­car­ni­nho co­me­çou por nos se­du­zir em obras mais ex­cen­tri­ca­men­te ra­di­cais co­mo Le Mon­de vi­vant an­tes de nos per­der de­fi­ni­ti­va­men­te com a sua ode de car­tão pos­tal tu­rís­ti­co a Lis­boa e a Oli­vei­ra, A Re­li­gi­o­sa Por­tu­gue­sa.

No en­tan­to, es­te no­vo “mi­ni­fil­me” de 30 mi­nu­tos, es­tre­a­do em com­ple­men­to de 9 De­dos de F. J. Os­sang, re­en­con­tra a iro­nia sar­dó­ni­ca dos nos­sos Gre­en pre­fe­ri­dos nu­ma ho­me­na­gem mui­to mais con­se­gui­da ao mes­tre Oli­vei­ra do que A Re­li­gi­o­sa Por­tu­gue­sa, ao mes­mo tem­po que con­ti­nua a lan­çar as su­as far­pas à mas­si­fi­ca­ção cul­tu­ral (co­mo se diz a cer­ta al­tu­ra, “o gos­to cul­tu­ral for­ma-se”).

É a his­tó­ria de co­mo o se­nhor pa­trão Moi­ti­nho de Al­mei­da en­car­re­ga o seu po­e­ta es­cri­tu­rá­rio Fer­nan­do Pes­soa de cri­ar um slo­gan pa­ra lan­çar a nova be­bi­da, en­fu­re­cen­do as au­to­ri­da­des mi­nis­te­ri­ais e re­li­gi­o­sas do Es­ta­do No­vo e le­van­do a exor­cis­mos e proi­bi­ções e in­ter­di­ções que, vai-se a ver, sal­va­rão Portugal da co­lo­ni­za­ção cul­tu­ral (“das su­as der­ro­tas nasce a luz de Portugal”). Con­ti­nua a ha­ver se­bas­ti­a­nis­mo, fa­do, pi­to­res­co, tu­rís­ti­co, mas há tam­bém (e is­to é mui­to im­por­tan­te) hu­mor, pis­ca­de­las de olho, um bur­les­co qua­se ke­a­to­nes­co per­fei­ta­men­te trans­mi­ti­do por um elen­co em es­ta­do de gra­ça, com Car­lo­to Cot­ta im­pe­cá­vel co­mo Pes­soa e um Manuel Mo­zos a con­fir­mar co­mo po­de ser gran­de ac­tor no pa­pel do se­nhor pa­trão. E as­sim Fer­nan­do Pes­soa sal­vou Portugal e Eugè­ne Gre­en re­en­con­trou a es­sên­cia do seu ci­ne­ma; é um “mi­ni-filme” bem mais con­se­gui­do que mui­tos fil­mes a sé­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.