Amo­res (e um filme) frus­tra­dos

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

O Ca­der­no Ne­gro

Le Cahi­er Noir

De Valeria Sarmiento

Com Sta­nis­las Meh­rar, Lou de La­a­ge, Vic­to­ria Guer­ra, Jo­a­quim Lei­tão Pai­xões re­pri­mi­das, có­di­gos so­ci­ais opres­si­vos, per­so­na­gens apa­nha­das pe­lo mo­vi­men­to da His­tó­ria: O Ca­der­no Ne­gro, cons­truí­do so­bre um ro­man­ce de Ca­mi­lo Cas­te­lo Bran­co ( O Li­vro Ne­gro do Pa­dre Di­nis), é fei­to da ma­té­ria de que se fa­zem os gran­des me­lo­dra­mas, trá­gi­cos e exa­cer­ba­dos. Mas tam­bém é fei­to da ma­té­ria (a co­me­çar pe­la “ma­té­ria-Ca­mi­lo”) de que se fi­ze­ram al­guns gran­des Oli­vei­ras, em con­tra­pon­to aus­te­ro e des­po­ja­do — e por is­so, “es­pe­cu­lar” — à tra­di­ção me­lo­dra­má­ti­ca clás­si­ca.

Mas vê-se O Ca­der­no Ne­gro (que em tu­do e por tu­do faz al­gu­mas tan­gen­tes as As Li­nhas de Wel­ling­ton, o pro­jec­to que Valeria Sarmiento con­cluiu de­pois de o seu ma­ri­do, Raul Ruiz, ter mor­ri­do an­tes de o po­der con­cre­ti­zar) e a sen­sa­ção é a de que a re­a­li­za­do­ra fi­cou nu­ma es­pé­cie de ter­ri­tó­rio neu­tro en­tre es­tes dois pó­los, even­tu­al­men­te sen­tin­do a ten­ta­ção de cair ora num ora nou­tro mas aca­ban­do por ori­en­tar o filme pe­lo “meio do ca­mi­nho”, nu­ma ilus­tra­ção me­ra­men­te fun­ci­o­nal que des­per­di­ça o “ex­tre­mis­mo” ex­pres­si­vo. Es­tá lá o ri­gor da com­po­si­ção — os pla­nos, fre­quen­te­men­te fi­xos co­mo “ta­ble­aux”, cui­da­do­sa­men­te en­qua­dra­dos, a fa­zer fin­tas à pin­tu­ra fran­ce­sa do sé­cu­lo XVIII — as­sim co­mo es­tá lá o eco da His­tó­ria (que vai de um tem­po an­tes da Re­vo­lu­ção fran­ce­sa à épo­ca na­po­leó­ni­ca), da­do exac­ta­men­te as­sim, en­quan­to “eco” (aliás, em pu­ro es­ti­lo sé­rie B, com os bos­ques e pa­la­ce­tes de Sin­tra a ser­vi­rem de “es­tú­dio” que tan­to va­le pa­ra “re­cri­ar” Ver­sa­lhes, co­mo Ro­ma, co­mo Lon­dres…). Só que, ape­sar das sequên­ci­as pro­pri­a­men­te fe­bris da pro­ta­go­nis­ta (Lou de La­a­ge), nem a “fe­bre” nem ne­nhu­ma es­pé­cie de ver­ti­gem se trans­mi­tem re­al­men­te ao filme, que ce­do se aco­mo­da num “bom gos­to” vi­su­al pa­ra ra­ra­men­te o trans­cen­der, pas­sar a ou­tra coi­sa, su­ge­rir com au­tên­ti­ca for­ça o ca­rác­ter fu­nes­to da his­tó­ria e do des­ti­no dos seus protagonistas (mes­mo a “frus­tra­ção”, te­ma que sub­jaz à nar­ra­ti­va e faz par­te da sua con­clu­são, e que tan­to faz pen­sar em Oli­vei­ra, por­que es­se era um dos seus te­mas mai­o­res, pas­sa co­mo uma nu­ven­zi­nha, que se pres­sen­te mas não se sen­te). E as­sim, ape­sar dos ac­to­res — do “aker­ma­no-gar­re­li­a­no” Sta­nis­las Merhar à pe­que­na e tru­cu­len­ta par­ti­ci­pa­ção de Jo­a­quim Lei­tão

— a ver­da­dei­ra frus­tra­ção fi­ca do la­do do es­pec­ta­dor de O Ca­der­no Ne­gro. Que tem tam­bém um versão mais lon­ga, a ser apre­sen­ta­da co­mo mi­ni-sé­rie te­le­vi­si­va, e não sa­be­mos, po­de ser que nes­sa mon­ta­gem as de­bi­li­da­des se apa­guem pe­ran­te ou­tras even­tu­ais vir­tu­des. L.M.O.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.